Porto ÁguasML

🔒
❌ Sobre o FreshRSS
Há novos artigos disponíveis, clique para atualizar a página.
Antes de ontemSeus RSS feeds

NY Jewish Week: Homesick Israeli Starts Meal Delivery Service

New York Jewish Week – When Oren Saar moved to the United States seven years ago, he already had lived
Read More

The post NY Jewish Week: Homesick Israeli Starts Meal Delivery Service appeared first on A4BGU.

Forbes: Israel’s Success is Incredibly Inspiring

The Jerusalem Post — Forbes’ fifth Israel-based Under 30 Summit is currently underway, with entrepreneurs, founders and influential thinkers gathering
Read More

The post Forbes: Israel’s Success is Incredibly Inspiring appeared first on A4BGU.

Ciclo de diálogos sobre gestão e regulação de recursos hídricos

Águas Mídia Livre - Brasil - Bem comum em mídia livre

O ciclo de Diálogos sobre Integração visa compartilhar as experiências de alunos para alunos, criando um momento de reflexão e debate nas temáticas pertinentes a gestão de recursos hídricos.

O evento foi composto por alunos do curso de Mestrado Profissional em Rede Nacional em Gestão e Regulação de Recursos Hídricos – PROFÁGUA e possui como público alvo alunos de graduação e pós graduação que tenham interesse em aprender mais sobre o tema do encontro. 

Os encontros buscam apresentar os trabalhos e temas mostrando que a gestão de recursos hídricos possui diversos fatores e interfaces que podem ser estudados academicamente de forma integrada.

Descubra os temas e assista aos 4 episódios a seguir. Esclarecimentos e mais informações envie um email para profaguadialogos@gmail.com .

O post Ciclo de diálogos sobre gestão e regulação de recursos hídricos apareceu primeiro em Águas Mídia Livre - Brasil.

A4BGU to Raise Emergency Funds for Ukrainian Students

NEW YORK, NY / ACCESSWIRE / March 10, 2022 / Americans for Ben-Gurion University (A4BGU) today announced it will be partnering with
Read More

The post A4BGU to Raise Emergency Funds for Ukrainian Students appeared first on A4BGU.

CNN: BGU Alumni Ink $20M Deal With US Air Force

CNN – “What we have done is miniaturized the radar instrument,” Rei Goffer, a BGU alumnus, former pilot in the
Read More

The post CNN: BGU Alumni Ink $20M Deal With US Air Force appeared first on A4BGU.

Lançamento do infográfico: por que gênero e clima?

Águas Mídia Livre - Brasil - Bem comum em mídia livre

O Observatório do Clima (OC) te convida esta sexta (30/07), das 10h às 11h30 (horário de Brasília) para um bate-papo com Selma Dealdina (CONAQ) e Sineia Wapichana (CIR) sobre o infográfico “Por que gênero e clima?”, no seu canal do YouTube

https://bit.ly/YTObsClima ↗

 


 
Este infográfico é o resultado da construção coletiva do Grupo de Trabalho em Gênero do OC e, embora ele não esgote ou responda todas as perguntas e nuances,  foi elaborado em dezenas de reuniões e escutas com diversas mulheres do Observatório, e de outros grupos sociais.

A proposta foi refletir em torno da pergunta “por que gênero e clima?” e organizar de forma simples e objetiva as respostas encontradas. Não se trata de um trabalho acabado, e sim, um ponto de partida!

Anote na agenda e chame todo mundo!

Veja tudo em: https://generoeclima.oc.eco.br ↗

Lançamento do infográfico: por que gênero e clima?

O post Lançamento do infográfico: por que gênero e clima? apareceu primeiro em Águas Mídia Livre - Brasil.

Maya, a influencer digital da Caminho das Águas

Águas Mídia Livre - Brasil - Bem comum em mídia livre

Oi gente! Neste Dia Mundial dos Oceanos queremos apresentar a nossa nova campanha digital e um ser muito especial! Essa é a Maya que, assim como a natureza, possui diversas origens e todas elas conectadas com um só planeta! 💙

A Maya será a influencer da Caminho das Águas e está aqui para parabenizar aqueles que lutam pelos Oceanos, conectando as pessoas pelas águas! 🥳

O nome tem registros no hebraico mayim, que significa “água”, ou no tupi maya, que quer dizer “mãe”. Com este nome você já sabe né, a Maya vai estudar a Mãe das Águas e contar as novidades por aí a partir de agora

A crise humanitária fica mais intensa na pandemia e gera muitas agressões aos Direitos dos Oceanos!! Então engaje-se em associações e coletivos que defendem as praias e os mares, nem um poço a mais! 🆘🆘🆘

Instagram: https://www.instagram.com/ongcaminhodasaguas/ ↗

Facebook: https://facebook.com/caminhodasaguas/ ↗

Twitter: https://twitter.com/caminhodasaguas/ ↗

TikTok: https://tiktok.com/caminhodasaguas/ ↗

#ConectandoAsÁguas #DécadaDoOceano #OceanoProtegido #MayaAtivista #NemUmPoçoAMais #marsempetróleo #DireitosDaNatureza

O post Maya, a influencer digital da Caminho das Águas apareceu primeiro em Águas Mídia Livre - Brasil.

Região Sul tem o terceiro maior índice de perdas de água do Brasil

Mesmo apresentando cidades que são destaques positivo em relação a perdas de água, alguns estados e municípios demonstram indicadores negativos O Instituto Trata Brasil, em parceira institucional com a Asfamas,...

O post Região Sul tem o terceiro maior índice de perdas de água do Brasil apareceu primeiro em .

Seis cidades do Paraná figuram no TOP 20 das melhores do Ranking de Saneamento

Localizado na região sul do Brasil, o Paraná é dividido em 399 municípios, sendo o 5° Estado mais rico e populoso do país, de acordo com dados do IBGE (2019)....

O post Seis cidades do Paraná figuram no TOP 20 das melhores do Ranking de Saneamento apareceu primeiro em .

À Sombra de um Delírio Verde (2011)

Águas Mídia Livre - Brasil - Bem comum em mídia livre

Navegando descobri um filme antigo já, de 8 anos atrás, esclarecedor.

O filme explica muito as questões críticas dos genocídios que sofrem os povos originários, intensificadas hoje em dia, não só no Mato Grosso do Sul.

Aviso: com certeza te deixará triste

 

THE DARK SIDE OF GREEN

Sinopse

Na região Sul do Mato Grosso do Sul, fronteira com Paraguai, o povo indígena com a maior população no Brasil trava, quase silenciosamente, uma luta desigual pela reconquista de seu território.

Expulsos pelo contínuo processo de colonização, mais de 40 mil Guarani Kaiowá vivem hoje em menos de 1% de seu território original. Sobre suas terras encontram-se milhares de hectares de cana-de-açúcar plantados por multinacionais que, juntamente com governantes, apresentam o etanol para o mundo como o combustível “limpo” e ecologicamente correto.

Sem terra e sem floresta, os Guarani Kaiowá convivem há anos com uma epidemia de desnutrição que atinge suas crianças. Sem alternativas de subsistência, adultos e adolescentes são explorados nos canaviais em exaustivas jornadas de trabalho. Na linha de produção do combustível limpo são constantes as autuações feitas pelo Ministério Público do Trabalho que encontram nas usinas trabalho infantil e trabalho escravo.

Em meio ao delírio da febre do ouro verde (como é chamada a cana-de-açúcar), as lideranças indígenas que enfrentam o poder que se impõe muitas vezes encontram como destino a morte encomendada por fazendeiros.

 

 

Ficha Técnica

À Sombra de um Delírio Verde

Classificação indicativa: Livre
Tempo/Time: 29 min
Países: Argentina, Bélgica e Brasil
Direção: An Baccaert, Cristiano Navarro, Nicola Mu
Narração em Português: Fabiana Cozza
Other Languages: English (Daniel Schweimler ) and French (Rebecca Martin)

Dê uma curtida na página no Facebook ↗ do filme!

Alternativa ao Youtube: https://vimeo.com/32542375 ↗

O post À Sombra de um Delírio Verde (2011) apareceu primeiro em Águas Mídia Livre - Brasil.

Erasmo Theofilo Não Pode Virar Camiseta

Águas Mídia Livre - Brasil - Bem comum em mídia livre

Resistindo aos avanços do sindicato da morte, Theófilo não recua em uma luta pela Natureza e pelo direito de viver, seu e de sua comunidade

Cercados por grandes obras hidrelétricas e vivendo sem energia elétrica, a comunidade de Volta Grande do Xingu é o local de violências, grilagens de terra e desmandos autoritários realizados por donos de terras e grandes projetos públicos como a Usina Hidrelétrica de Belo Monte e agora a mineração de ouro da canadense Belo Sun.

Você já conhece a região

Anapu é um município do Pará, local onde vive Erasmo.

É por lá que em 2005 a irmã Dorothy Stang foi assassinada brutalmente, crime ainda não esclarecido e silenciado por impunidades. Desde 2015 já foram assassinadas mais de 18 lideranças das comunidades.

Em 2017, após grande impacto provocado por Belo Monte, a região tinha a cidade mais violenta do país. Em 2019 foi palco do segundo maior massacre carcerário da história do Brasil.

E agora Erasmo Theófilo segue sofrendo tentativas abertas de homicídio por resistir e liderar a resistência comunitária pelo direito de existir.

A comunidade vive em um ambiente onde quem é pobre não passa fome graças a Natureza, como o próprio agricultor fala em uma de suas entrevistas:

“É um lugar em que as famílias, apesar de toda a tragédia, de toda a luta, da falta de política pública, conseguem sobreviver e prosperar respeitando a Natureza”

 

E desejam melhorar, pela Vida, claro!

O agricultor Theófilo é presidente da Cooperativa da Volta Grande do Xingu e da Associação dos Moradores do Flamingo Sul, incentivando e cooperando também com esforços de comunidades que se organizam aos poucos com atenção plena por muitos anos, de modo muito efetivo.

Um bom exemplo dos esforços de sustentabilidade é que a comunidade iniciou, há 4 meses, uma campanha de captação de recursos com a intenção de instalar painéis de energia fotovoltaica e está bem perto de atingir seu objetivo.

Você pode conferir – e CONTRIBUIR – com a vaquinha aqui http://vaka.me/1128803 ↗

A maior preocupação atual não deveria ser Erasmo Theófilo conseguir sobreviver junto aos seus parentes.

Como ele mesmo diz no vídeo: acabar com a destruição intensificada durante a pandemia é também fundamental para sua existência

 

#NãoPodeVirarCamiseta

 

Não conhecemos o Theófilo, mas já dá para perceber o desafio que ele carrega e o respeito que a comunidade merece. Então com muita fé encampamos a campanha que permita que Theófilo não se transforme em mais uma camiseta de campanhas!

Quando as pessoas olham para a Amazônia, que vejam um território de pessoas que sofrem com tanta injustiça

A seguir uma listinha de links que foram fonte deste texto e servem para você aprofundar nos assuntos, conhecer redes e mídias éticas, que tratam de assunto SUPER importante com impacto direto na qualidade e disponibilidade das águas potáveis no mundo TODO

Lista de links

Entrevista na série Vozes que Resistem https://amazoniareal.com.br/erasmo-alves-teofilo-gado-nao-pode-valer-mais-do-que-gente/ ↗

Apelo recente da jornalista Eliane Brum https://fb.watch/_tWKVmdh1/ ↗

Matéria de 2019 da mesma Eliana Brum https://brasil.elpais.com/brasil/2019/11/15/opinion/1573820553_621324.html ↗

Entrevista de Theófilo no jornal ExtraClasse https://www.extraclasse.org.br/ambiente/2020/01/no-xingu-agricultor-jurado-de-morte-teve-de-sair-da-sua-cidade/ ↗

Revista Digital Amazônia Latitude https://amazonialatitude.com/2019/12/17/amazonia-centro-do-mundo/ ↗

Super cobertura da região no portal do ISA https://www.socioambiental.org/pt-br/noticias-socioambientais/amazonia-centro-do-mundo ↗

Textos antigos sobre a região do Movimento Xingu Vivo para Sempre https://xinguvivo.org.br/?s=volta+grande ↗

E não se esqueça de acompanhar e compartilhar a hashtag, porque com a Vida não pode haver esquecimentos

#NãoPodeVirarCamiseta

 

 

O post Erasmo Theofilo Não Pode Virar Camiseta apareceu primeiro em Águas Mídia Livre - Brasil.

MP vai investigar mortes por falta de oxigênio no Amazonas

Por: Site

Procedimento foi instaurado pelo Gaeco

O Ministério Público do Amazonas (MP-AM) vai apurar as causas e as consequências da falta de oxigênio medicinal em hospitais públicos e privados do estado. O procedimento foi instaurado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Segundo o MP, promotores vão coletar “possíveis evidências de atuação criminosa organizada” e apontar soluções para a situação – que, em nota, o órgão classificou como “caótica”. Além do Gaeco, a ação contará com a colaboração de membros de outras promotorias que lidam com aspectos como direito à saúde, à vida e à dignidade humana.

Em um despacho conjunto, promotores do Gaeco citam reportagens publicadas pela imprensa que, entre outros aspectos, informam que pacientes internados em hospitais de Manaus devido à covid-19 morreram pela falta de oxigênio.

Alegando que as medidas adotadas para fazer frente ao problema deveriam ter sido tomadas antes, os promotores afirmam ser necessário apurar quem, “entre pessoas físicas, jurídicas, servidores e entidades”, deixou de observar as “medidas de precaução necessárias”, permitindo que, “por motivos de desídia [negligência] ou interesses econômicos”, o “caos” se instalasse no sistema de saúde amazonense.

Desde a semana passada, o Amazonas, sobretudo a capital, Manaus, está às voltas com o desabastecimento de oxigênio medicinal. Já na terça-feira (12), o governador Wilson Lima afirmou que, só nos estabelecimentos públicos de saúde, a demanda pelo produto tinha aumentado mais de 11 vezes além da média diária de consumo em virtude do crescimento do número de casos da covid-19.

“Consumimos, na rede pública estadual de saúde, uma média de 5 mil metros cúbicos diários. Só nessa terça-feira foram consumidos 58 mil metros cúbicos”, disse Lima na terça-feira.

Principal fornecedora do insumo para o estado, a empresa White Martins afirma enfrentar um “cenário de crise sem precedentes”. A companhia, que até recentemente utilizava apenas metade da capacidade de produção da fábrica de Manaus para atender à demanda regional, elevou de 25 mil m3/dia para 28 mil m3/dia o limite máximo de produção da unidade fabril – o que, segundo a empresa e autoridades, ainda é pouco para atender a demanda que, na quinta-feira (14), já chegava a 70 mil m3/dia.

Para mitigar a situação, a White Martins está adotando uma série de medidas, entre elas a importação de parte do oxigênio que produz em suas fábricas da Venezuela e a compra do produto de outros fornecedores locais. O produto também está sendo transportado de outras cidades onde a White Martins tem fábricas para Belém, de onde é levado para Manaus em balsas, de onde a quantidade necessária é redistribuída para o interior do estado.

Força-tarefa

Até o momento, a situação só não foi pior devido a uma operação de guerra montada com o apoio de órgãos públicos, sobretudo das Forças Armadas. Nos últimos dias, aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) transportaram até o estado 36 tanques de oxigênio líquido, 1.510 cilindros de oxigênio gasoso, 40 respiradores e 12 usinas de oxigênio, entre outros equipamentos que, até este fim de semana, já totalizavam mais de 168 toneladas de carga. Em média, o estado tem recebido quatro voos diários de aeronaves militares cargueiras (KC-390 e C-130) transportando oxigênio líquido e gasoso, produto altamente inflamável.

Além disso, com o adiamento da entrega, pelo governo da Índia, de 2 milhões de doses de vacina que o Ministério da Saúde comprou do laboratório indiano Serum Institute, o avião comercial que o governo federal fretou para buscar os imunizantes foi usado para transportar sete usinas de oxigênio do Rio de Janeiro para Manaus. Segundo o governo estadual, os equipamentos doados pelo Ministério da Saúde chegaram à capital amazonense na tarde de ontem (17) e vão contribuir para a geração de oxigênio para uma parte dos hospitais locais a partir desta semana.

Juntas, as usinas têm capacidade para gerar o oxigênio necessário para abastecer a 100 leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). Inicialmente, duas usinas vão abastecer a enfermaria de campanha do Hospital Delphina Aziz. Três atenderão os hospitais Platão Araújo, Francisca Mendes e o Instituto de Saúde da Criança do Amazonas. Outras duas usinas restantes serão destinadas a outros hospitais que ainda serão definidos.

Outras cinco usinas de oxigênio foram doadas ao estado pelo Hospital Sírio-Libanês. O governo de Pernambuco e a prefeitura de Recife doaram 200 concentradores de oxigênio que serão destinados a 49 cidades amazonenses com maiores dificuldades de acesso à capital e poucos cilindros de oxigênio disponíveis. Os equipamentos pernambucanos vieram de hospitais de campanha desativados no estado e ajudarão os pacientes que necessitarem de máscaras de ventilação não invasiva, sem a necessidade de respiradores.

Parte dos cilindros de oxigênio doados já foram distribuídos no último fim de semana, com o apoio da Polícia Civil, que usou helicópteros para transportar os equipamentos até hospitais de cidades do interior do estado.

Venezuela

De acordo com o governo estadual, o governo do estado de Bolívar, na Venezuela, também doou oxigênio hospitalar ao estado. A iniciativa, segundo a própria White Martins, não tem qualquer relação com a importação do produto disponível nas fábricas venezuelanas da empresa.

Ainda de acordo com o governo do Amazonas, carretas vindas da Venezuela devem chegar ainda hoje a Manaus, transportando 107 mil metros cúbicos de oxigênio doados pelo governo de Bolívar. “Isso vai contribuir significativamente para que haja uma estabilidade na nossa rede hospitalar, tanto na capital quanto no interior”, afirmou o governador Wilson Lima, em nota.

Também em nota, a White Martins esclareceu que está atuando para viabilizar a importação do oxigênio que identificou estar disponível em suas operações no país vizinho. Esta sim será, segundo a multinacional, “uma operação entre as empresas do grupo, sem envolvimento do governo”.

Fonte: Agência Brasil – EBC
Edição: Valéria Aguiar

A pesca artesanal no Brasil em tempos de pandemia

Águas Mídia Livre - Brasil - Bem comum em mídia livre

Você já pensou como está a vida de pescadores e pescadoras em tempos de pandemia global?

Para responder a esta pergunta vamos utilizar os dados da Carta de Reivindicações da pesca artesanal do Brasil frente à pandemia do coronavirus ↗, por sinal primorosa.

Os pescadores e pescadoras artesanais são cerca de 1,5 milhão de pessoas e representam mais de 60% da produção dos pescados que chegam à mesa dos brasileiros, sendo que no Norte e Nordeste este número pode chegar a 75% do fornecimento de pescados.

São também a base de uma larga cadeia produtiva que abastece restaurantes, bares e a indústria alimentícia, dando energia para a indústria da produção de artigos náuticos e de gelo, além de formar a base do trabalho de parte daqueles que realizam o transporte de mercadorias.

Fundamentais né?

 

Dilemas e desafios da comunidade da pesca artesanal

Estas pessoas fazem dos rios, estuários, manguezais e do mar os meios de produção de suas vidas, resistindo à especulação imobiliária e a chegada de grandes empreendimentos que colonizam nossos recursos hídricos, invarialmente trazendo danos ao ambiente coletivo e às sociedades tradicionais.

Além das pressões das iniciativas privadas, são constantemente eliminados de Políticas Públicas e dos programas de governo federais e estaduais relativos ao trabalho. Para que você tenha uma idéia, o Registro Geral da Pesca (RGP) está totalmente paralisado desde o ano de 2012.

Este registro, de responsabilidade do antigo Ministério da Pesca e Aquicultura, garante um registro profissional àqueles que fazem da pesca uma profissão, comercializando seus resultados do trabalho.

São mais de 600.000 (seiscentos mil) os registros cancelados, suspensos ou não entregues, o equivalente a mais de um terço dos profissionais economicamente ativos, causando inúmeras dificuldades ao exercício da profissão e garantia de direitos.

As pessoas e comunidades pesqueiras tradicionais são também constantemente afetadas pelos derramamentos de petróleo no litoral e outros crimes ambientais hídricos, como os rompimentos de barragens e suas consequências. Crimes que carregam em si a impunidade.

Além da ausência de Políticas Públicas específicas, as comunidades pesqueiras do País não possuem acesso adequado ao sistema público de saúde, assistência social, renda básica, segurança e dignidade no trabalho.

Então, com estes fatores, você já pode ter uma idéia de como é a vida destas pessoas em situação de alta vulnerabilidade socioambiental em tempos de pandemia, onde todos deveriam contar com o apoio social para a prevenção e atendimento em momentos de contaminação viral e comorbidades.

 

Reivindicações e a Cartilha especial

Visando a busca de solução para problemas pontuais e nacionais, uma série de entidades se unem em um trabalho coordenado e articulado em torno de exigências comuns. Se você não clicou no primeiro link deste texto, pode acessar a Carta Pública aqui ↗.

São 435 pessoas, organizações associativas e grupos sociais que assinam o documento, liderados pelo Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais do Brasil (MPP), a Comissão Nacional de Fortalecimento das Reservas Extrativistas e Povos e Comunidades Tradicionais Extrativistas Costeiras e Marinhas (CONFREM), a Articulação Nacional das Pescadoras (ANP) e a Coordenação Nacional de Comunidades Tradicionais Caiçaras ( RJ-SP-PR).

Dentre estes esforços, agradecemos ao Observatório dos Impactos do Coronavírus nas Comunidades Pesqueiras, que é uma organização associativa que se utiliza de suas tecnologias e redes para a preservação da Natureza à qual está imersa, além de proteger e desenvolver os saberes e as boas práticas da pesca artesanal.

O grupo, formado por pescadores e pescadoras de todo o país junto com cientistas e apoiadores da pesca artesanal, tem como sua principal função monitorar os impactos e discutir o enfrentamento ao covid19 nas comunidades pesqueiras. Produziu a Cartilha: O que os pescadores e pescadoras artesanais precisam saber sobre o Coronavírus (Covid-19)?

Você pode fazer o download da cartilha aqui no ÁguasML:

Leia atentamente, aprenda algo que talvez seja novo para você e compartilhe!

O post A pesca artesanal no Brasil em tempos de pandemia apareceu primeiro em Águas Mídia Livre - Brasil.

O que os pescadores e pescadoras artesanais precisam saber sobre o Coronavírus?

Por: Pacha Men

Águas Mídia Livre - Brasil - Bem comum em mídia livre

Para responder perguntas de como evitar a contaminação pelo Coronavírus ou sobre como realizar a pesca nesses tempos de pandemia, o Grupo Observatório dos Impactos do Coronavírus nas Comunidades Pesqueiras acaba de lançar uma cartilha que tenta, de maneira leve, responder essas questões.

Direcionada para as comunidades pesqueiras, a publicação tem o objetivo de ser um instrumento de formação, que ajude a tirar as principais dúvidas dos pescadores e pescadoras artesanais.

Saiba mais visitando o site do Grupo Observatório dos Impactos do Coronavírus nas Comunidades Pesqueiras ↗

O post O que os pescadores e pescadoras artesanais precisam saber sobre o Coronavírus? apareceu primeiro em Águas Mídia Livre - Brasil.

Como a falta de saneamento básico afeta o meio ambiente?

Essa semana é comemorada a semana nacional do meio ambiente. Saiba mais sobre os impactos da falta de saneamento no meio ambiente!

O post Como a falta de saneamento básico afeta o meio ambiente? apareceu primeiro em .

BGU Helps Launch “AI Lifeguards”

NoCamels — As lifeguards return to work in Israel, a new artificial intelligence (AI) system developed by BGU students could
Read More

The post BGU Helps Launch “AI Lifeguards” appeared first on AABGU.

Only Airlines With Strictest Virus Measures Will Survive

The Media Line — As airlines prepare to resume flights to Israel and other countries in coming weeks, carriers’ reputations
Read More

The post Only Airlines With Strictest Virus Measures Will Survive appeared first on AABGU.

Como o saneamento interfere no turismo do país?

Dia 8 de maio é o dia nacional do turismo. Venha saber mais sobre esse setor tão importante no país e como ele é afetado pela falta de saneamento!

O post Como o saneamento interfere no turismo do país? apareceu primeiro em .

Carta pública pela defesa dos Direitos da Mãe Terra e pela vida nas Florestas com seus povos

Águas Mídia Livre - Brasil - Bem comum em mídia livre

22 DE ABRIL

DIA INTERNACIONAL DA MÃE TERRA 

Carta pública pela defesa dos Direitos da Mãe Terra e pela vida na Amazônia com seus povos

Anos e anos de pressão, especialmente das insistentes mobilizações dos povos originários e da publicação da Carta da Terra no ano 2000, fruto de um processo internacional participativo com adesão de mais de 4.500 organizações da sociedade civil e organismos governamentais, levaram a ONU a declarar, em 2009, o dia 22 de abril como Dia Internacional da Mãe Terra.

Agora, no ano 2020, a celebração do Dia da Mãe Terra está sendo realizada com a humanidade vivenciando uma dura experiência de globalização: em meses, um denominado “novo coronavírus” está afetando todos os povos do Planeta. Levado pelos diversos caminhos do mercado, desde o do turismo até o de mercadorias, sua rápida capacidade de contágio só encontrou a estratégia de isolamento de todas as pessoas como medida capaz de diminuir a sua velocidade e evitar o colapso dos serviços públicos e privados de saúde.

O orgulhoso mercado globalizado experimentou seus limites e contradições, e hoje a economia capitalista, cultuada como um ídolo todo-poderoso, revira-se no esforço de prever o tamanho da sua queda.

As pessoas, contudo, estão refazendo o aprendizado de viver a partir de sua casa – ou da falta dela -, e com tempo para refletir sobre o sentido da correria, do desgaste e exploração a serviço do um crescimento econômico sem limite num planeta limitado, e num sistema que concentra riqueza em poucas mãos e multiplica inseguranças e miséria para a maioria da espécie humana.

De 2009 até hoje as grandes empresas, conglomerados monopolistas, operadores das commodities, mineradores, agronegócio, sistema financeiro e os governos subservientes aos seus interesses não mudaram suas práticas de se apropriar e de explorar à exaustão os bens naturais dos biomas, destruindo tudo o que podia ser transformado em lucro. Isso acelerou de modo especial o desmatamento da floresta da Amazônia e do Cerrado, e a maioria da população foi empurrada a viver em grandes cidades estruturalmente discriminadoras e racistas, sobrevivendo em favelas, sem direito garantido a trabalho, moradia e meio ambiente saudável.

Esses projetos desenvolvimentistas, que avançam sobre os bens públicos e comuns com a conivência e apoio do Estado, são responsáveis pelo agravamento das mudanças climáticas e pelo fracasso do controle das emissões de gases de efeito estufa. As consequências presentes são os desastres causados por secas, enchentes, ventanias, intrusão salina, rebaixamento dos lençóis freáticos, elevação do nível dos mares e outros eventos extremos, que no futuro tendem a se multiplicar e agravar na medida que o planeta aquece.

Os povos originários e comunidades tradicionais, ao contrário, consolidaram seus modos de vida fundados na compreensão de que a Terra é um ser vivo e fonte de vida, Pacha Mama, Mãe Terra. Contribuíram de forma decisiva para os avanços políticos que levaram o Equador a incorporar na sua Constituição, elaborada por uma Assembleia Constituinte Popular e aprovada por um Plebiscito nacional, um capítulo sobre os Direitos da Natureza, assim definidos:

A natureza ou Pacha Mama, onde se reproduz e realiza a vida, tem direito a que se respeite integralmente sua existência e a manutenção e regeneração de seus ciclos vitais, estrutura, funções e processos evolutivos. (Capítulo VII, Art. 71)

Da mesma forma, a Bolívia reconheceu estes direitos no Plebiscito de 2012 que aprovou a Lei da Mãe Terra. E, com certeza, há busca de novas práticas e novas relações com a natureza nas economias indígenas, quilombolas e de comunidades tradicionais, no crescimento dos plantios agroecológicos e agroflorestais, nas práticas de convivência com o Semiárido brasileiro e com os demais biomas, na economia popular solidária e em muitas outras iniciativas populares.

Precisamos reafirmar: já há práticas que demonstram ser possível estabelecer relações de convivência com os biomas e desenvolver, ao mesmo tempo, iniciativas de produção dos bens necessários à vida. É falso o dilema: ou manter o equilíbrio ecológico ou produzir o que a humanidade precisa. Primeiro porque a humanidade precisa, antes de qualquer outra coisa, de condições naturais favoráveis à sua existência: ar limpo, água pura, vegetações, flores, espaços agradáveis de encontro e de intercomunicação… Depois, já existem provas de que é possível produzir o que as pessoas e os demais seres vivos precisam – atenção: o que precisam – cultivando, trabalhando amorosamente com as energias da Terra, superando práticas de agro e hidronegócio, de extração de minérios e fontes fósseis de energia, isto é, de exploração cada vez mais intensiva dos solos, água e ar, usando produtos químicos para que as mercadorias garantam lucros crescentes.

Tendo por base as possibilidades construídas pelos povos e comunidades, e denunciando o caráter destrutivo das práticas empresariais e das políticas governamentais dominantes,as redes e entidades que subscrevem essa declaração pública assumem o compromisso de lutar, implementando mobilização nacional, em defesa dos direitos da Natureza, a nossa Mãe Terra. Ninguém, nem mesmo a totalidade dos seres humanos, somos donos, senhores da Terra. Ela, sim, é senhora da nossa vida. Como durante bilhões de anos se manteve viva e em evolução sem os seres humanos, certamente poderá continuar viva sem a presença da espécie humana. A humanidade, porém, só poderá continuar viva e ter direitos se reconhecer, defender e cuidar dos direitos da Mãe Terra.

É por isso que assumimos a defesa do direito da Mãe Terra à floresta e à sociobiodiversidade da Amazônia, bem como dos demais biomas, para ter condições de garantir equilíbrio hídrico em todo o território brasileiro e da América do Sul. Defendemos igualmente a obrigação dos seres humanos e do Estado brasileiro de parar definitivamente o desmatamento e os incêndios criminosos, assumindo a obrigação de restaurar a biodiversidade destruída, na Amazônia e em todos os biomas, para que a Terra possa garantir a geração de umidade e chuvas, como ela desenvolveu em seu processo evolutivo.

A crise humanitária gerada pelo Coronavírus prova que podemos viver de outra forma. Toda crise tem lições a nos ensinar. O isolamento social forçado nos obrigou a desacelerar o ritmo de vida. O desenvolvimentismo desenfreado, como se o planeta não tivesse limites, está em cheque. Esse é o momento para mudar o rumo da caminhada humana, reconhecendo, defendendo e cuidando dos direitos da Mãe Terra, para que a espécie humana seja de fato expressão consciente e amorosa da Mãe de todos os seres vivos.

Brasília, 22 de abril de 2020

  • Ação Franciscana de Ecologia e Solidariedade (AFES)
  • Ação Social Diocesana de Patos/PB
  • Ágora das/dos Habitantes da Terra Brasil (AHT-BR)
  • Arquidiocese de Manaus
  • Articulação Antinuclear Brasileira (AAB)
  • Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espirito Santo (APOINME)
  • Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB)
  • Articulação pela Convivência com a Amazônia (ARCA)
  • Articulação pela Preservação da Integridade dos Seres e da Biodiversidade (APISBio)
  • Articulação Semiárido Brasileiro (ASA)
  • Associação Alternativa Terrazul
  • Associação de Combate aos Poluentes (ACPO)
  • Associação De Pesquisa Xaraeís
  • Associação de Saúde Socioambiental (ASSA)
  • Associação Escola Família Agrícola Jaguaribana (AEFAJA)
  • Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (AGAPAN)
  • Associação Movimento Paulo Jackson – Ética, Justiça, Cidadania
  • Associação para Recuperação e Conservação do Ambiente (ARCA)
  • Associação Serviço e Cooperação com o Povo Yanomami-Secoya
  • Associação Solidariedade Libertadora (ASSOLIB/MA)
  • Auditoria Cidadã da Dívida
  • Campanha Nem um Poço a Mais
  • Cáritas Brasileira (CB)
  • Cáritas Diocesana de Crato
  • Cáritas Diocesana de Macapá
  • Cáritas Diocesana de Pesqueira
  • Cáritas Diocesana de Roraima
  • Ceará no Clima
  • Central de Movimentos Populares de Rondônia (CMP/RO)
  • Centro Burnier de MT
  • Centro Dandara de Promotoras Legais Populares de São José dos Campos
  • Centro de Ação Cultural (CENTRAC)
  • Centro de Defesa dos Direitos Humanos da Serra – ES (CDDH)
  • Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Petrópolis (CDDH)
  • Centro de Desenvolvimento Agroecológico Sabiá
  • Centro de Educação Popular e Formação Social (CEPFS)
  • Centro Diocesano de Apoio ao Pequeno Produtor – (CEDAPP)
  • Coletivo Catarse
  • Coletivo Dez Mulheres da Vila de Ponta Negra/RN
  • Coletivo Mura de Porto Velho
  • Coletivo Não Lugar
  • Coletivo Popular Direito a Cidade, Porto Velho-RO
  • Comissão Brasileira Justiça e Paz (CBJP)
  • Comissão Pastoral da Terra (CPT)
  • Comitê de Energia Renovável do Semiárido (CERSA)
  • Comitê Defensor da Vida Amazônica na Bacia do Rio Madeira – Núcleo FMCJS/RO
  • Comunidades Eclesiais de Base Regional Norte 1
  • Conselho Indigenista Missionário (CIMI)
  • Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC)
  • Conselho Nacional do Laicato do Brasil
  • Conselho Pastoral dos Pescadores (CPP)
  • Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB)
  • CRIOLA
  • Diálogos em Humanidade – Brasil (DeH-BR)
  • Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (FASE)
  • Fórum da Amazônia Ocidental (FAOC)
  • Fórum da Amazônia Oriental (FAOR)
  • Fórum de Direitos Humanos e da Terra (FDHT)
  • Fórum dos Atingidos pela Indústria do Petróleo e Petroquímica nas cercanias da Baía de Guanabara (FAPP-BG)
  • Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Socioambiental (FMCJS)
  • Fraternidade da Anunciação – Goiás/GO
  • Fundação de Educação e Defesa do Meio Ambiente do Vale do Jaguaribe (FEMAJE)
  • Fundação Luterana de Diaconia – Conselho de Missão Entre Povos Indígenas – Centro de Apoio e Promoção da Agroecologia (FLD-COMIN-CAPA)
  • Fundação Vida para Todos (ABAI)
  • Grupo Ambientalista da Bahia (GAMBÁ)
  • Grupo Carta de Belém (GCB)
  • Grupo de Defesa da Amazônia (GDA)
  • Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (IBASE)
  • Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (PROAM)
  • Instituto Calliandra de Educação Integral e Ambiental
  • Instituto Madeira Vivo (IMV)
  • Instituto Políticas Alternativas para o Cone Sul (PACS)
  • Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada (IRPAA)
  • International Rivers (IR)
  • Iser Assessoria
  • Laboratório de Pesquisa em Educação, Natureza e Sociedade (LabPENSo), da UERJ-FEBF
  • Marcha Mundial Por Justiça Climática/ Marcha Mundial Do Clima
  • Movimento Baía Viva (RJ)
  • Movimento dos Atingidos pela Base Espacial de Alcântara (MABE)
  • Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB)
  • Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA)
  • Movimento Educação de Base (MEB)
  • Movimento Nacional de Direitos Humanos – MNDH/ES
  • Movimento Pró-Saneamento e Meio Ambiente da Região do Parque Araruama/São João de Meriti – RJ (MPS)
  • Movimento Sócio-Ambiental Caminho das Águas – Itu/SP
  • Movimento Tapajós Vivo (MTV)
  • Movimentos dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Campos (MTC)
  • Núcleo Cerrado FMCJS
  • Núcleo de estudos Amazônicos da UNB (NEAz)
  • Núcleo RJ do FMCJS
  • Observatório Nacional de Justiça Socioambiental Luciano Mendes de Almeida (OLMA)
  • Observatório Político da Comissão Brasileira de Justiça e Paz (CBJP)
  • ONG Mutirão
  • Organizacion Comunal de la Mujer Amazonica (OCMA)
  • Ouvidoria Geral Externa da Defensoria Pública do Estado de Rondônia
  • Pastoral da Mulher Marginalizada (PMM)
  • Pastoral do Meio Ambiente da Arquidiocese do Rio de Janeiro
  • Preferência Apostólica Amazônia (PAAM)
  • Rede Brasileira de Justiça Ambiental (RBJA)
  • Rede das Associações das Escolas Família do Amapá (RAEFAP)
  • Rede Eclesial Pan Amazônica – REPAM Brasil
  • Rede Jubileu Sul Brasil (JSB)
  • Serviço Amazônico de Ação, Reflexão e Educação Socioambiental (SARES)
  • Serviço Interfranciscano de Justiça Paz e Ecologia (SINFRAJUPE)
  • Serviço Pastoral dos Migrantes (SPM)
  • Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Único de Saúde de Goiás (SINDSAUDE/GO)
  • Sinttel MG
  • Sociedade Amigos Por Itaúnas (SAPI)
  • TEIA de Educação Ambiental e Interação em Agrofloresta (Parintins/AM)

ADESÕES

A adesão a esta Carta Pública continua aberta às entidades através do e-mail fclimaticas@gmail.com

Texto originalmente publicado em: https://fmclimaticas.org.br/carta-publica-pela-defesa-dos-direitos-da-mae-terra-e-pela-vida-da-amazonia-com-seus-povos/ ↗

O post Carta pública pela defesa dos Direitos da Mãe Terra e pela vida nas Florestas com seus povos apareceu primeiro em Águas Mídia Livre - Brasil.

Saneamento em áreas irregulares

Proteções Permanentes (APPs), mananciais, áreas de riscos, comunidades... Saiba como o saneamento chega a essas áreas!

O post Saneamento em áreas irregulares apareceu primeiro em .

❌