Porto ÁguasML

🔒
❌ Sobre o FreshRSS
Há novos artigos disponíveis, clique para atualizar a página.
Antes de ontemNotícias ESP-MG

ESP inicia primeira turma do Curso de Especialização Técnica de Nível Médio em Enfermagem

Curso Qualificará Técnicos em Enfermagem para atuação em Doenças Crônicas.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) iniciou, ontem 12/03, a primeira turma do curso de Especialização Técnica de Nível Médio em Enfermagem em Linha do Cuidado: Doenças Crônicas. A aula inaugural contou com a participação dos novos alunos, equipe da ESP e convidados, para uma roda de conversa sobre a atuação da enfermagem nas doenças crônicas não transmissíveis.

A diretora-geral da ESP-MG, Lenira Maia, fez a abertura oficial do curso desejando sucesso aos alunos e destacando o pioneirismo da ação. "Vocês serão sempre a primeira turma do curso, que entendermos ser fundamental para a atuação dos técnicos no SUS. para enfrentamento das doenças crônicas", disse.

A Roda de Conversa "Discussão e reflexão sobre a Atuação do Técnico de Enfermagem nas Doenças Crônicas Não Transmissíveis" teve a participação das enfermeiras convidadas, Bruna França e Roberta Stancioli, que abordaram temas como a Transição Demográfica e Epidemiológica, cenário e dados atuais sobre as doenças crônicas e atenção domiciliar.

A atividade foi mediada pelo coordenador do curso, João André Tavares, que destacou a importância da qualificação dos Técnicos de Enfermagem na linha do cuidado Doenças Crônicas, para atuação no Sistema Único de Saúde - SUS, a fim de garantir qualidade de vida e de atendimento, bem como a sustentabilidade do sistema. "Nosso foco é a atuação na prevenção, cuidado e também no acesso e continuidade dos tratamentos, ações que evitem que estes usuários possam vir a desenvolver quadros agudos em decorrência das condições crônicas", afirma.

A especialização

O curso tem como objetivo formar "Especialistas Técnicos de Nível Médio em Enfermagem em Linha do Cuidado: Doenças Crônicas", para atuar nas equipes multiprofissionais de unidades básicas de saúde, atenção domiciliar, ambulatorial e hospitalar, de forma humanística e ética, na perspectiva da integralidade da saúde.

A formação de Técnicos de Enfermagem na modalidade de especialização está amparada na Portaria nº 396, de 4 março de 2011, do Ministério da Saúde, que instituiu o Projeto de Formação e Melhoria da Qualidade de Rede de Saúde - QualiSUS-Rede e nas Diretrizes do Ministério da Saúde.

A nova turma conta com alunos dos municípios de Belo Horizonte, Betim, Capim Branco, Contagem, Itaguara, Lagoa Santa e Nova Lima. O curso está organizado em encontros letivos na ESP-MG, concentração e atividades de prática supervisionada nos serviços de saúde.

Secretaria de Estado de Saúde decreta situação de emergência como umas das medidas para contenção do coronavírus

Publicado na última sexta-feira, o decreto amplia a capacidade de resposta do Governo de Minas frente ao vírus.

Na última sexta-feira (13/03), a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) decretou Situação de Emergência em Saúde Pública no estado como uma das ações de preparação para assistência aos pacientes com coronavírus. Entre as medidas previstas pelo decreto está a dispensação de licitação para compra de insumos, medicamentos e aparatos médicos, além da contratação de profissionais.

Crédito: Marcus Ferreira

O decreto também oficializa a instalação do Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES-MINAS), coordenado pela SES-MG, para monitoramento e estudo dos casos, além da atuação na tomada de decisões e organização das ações de enfrentamento. Conforme explica a coordenadora do COES-Minas, Rejane Letro, a SES-MG tem ampliado sua capacidade de resposta por meio do trabalho realizado pelos técnicos. “Na verdade, o COES-MINAS já está funcionando desde 30 de janeiro e a partir de agora estará ativo 24 horas por dia com profissionais de plantão, inclusive nos finais de semana orientando e capacitando profissionais de saúde que atuam diretamente na assistência. Essa é uma das ações que ampliam nossa capacidade de resposta frente ao vírus”, afirma.

Por meio do decreto fica prevista, ainda, a possibilidade de realização compulsória de exames médicos, testes laboratoriais, vacinação e tratamentos médicos em pacientes que se recusarem a receber atendimento, além da aquisição de serviços com pagamento posterior de indenização, caso necessário.

De acordo com a diretora de Vigilância de Agravos Transmissíveis da SES-MG, Janaína Fonseca Almeida, a publicação do decreto dispensa questões burocráticas que geram lentidão nos processos de compra e contratação de profissionais, fortalecendo a assistência especialmente aos pacientes que pertencem ao grupo de risco. “Um vírus novo sempre causa muito impacto na assistência, mas estamos trabalhando para que todo esse impacto seja minimizado, concentrando esforços na contenção de casos e mitigação dos óbitos. Vamos atacar o vírus em grupos de risco, idosos e pessoas que tenham comorbidades, que estão mais suscetíveis a terem o estado de saúde agravado”, explica.

A SES-MG também está trabalhando no fortalecimento da assistência e disponibilização de leitos. Atualmente, o Sistema Único de Saúde (SUS) de Minas Gerais conta com 2.795 leitos de UTI que poderão ser utilizados para atendimento dos casos graves de infecção pelo coronavírus, podendo, ainda, adquirir leitos na rede privada e habilitar novos, caso necessário.

Conforme explica o subsecretário de Políticas e Ações de Saúde da SES-MG, Marcílio Dias Magalhães, as estruturas de UTI são muito utilizadas para atendimento aos casos graves e, por isso, a SES-MG está atuando em ações voltadas para a disponibilização desse tipo de assistência. “Estamos seguindo o Plano de Contingência e trabalhando também com a possibilidade de compra de kits para potencializarmos outros tipos de leitos para uso como CTI. Além disso, a SES-MG trabalha com a possibilidade de adiamento de cirurgias eletivas, aquelas que não são de urgência, para ampliação da capacidade de atendimento dos pacientes com coronavírus”, disse.

Crédito: Marcus Ferreira

Já os casos considerados leves, sem sinais de gravidade, após avaliação médica serão encaminhados para isolamento domiciliar com orientações e acompanhamento realizados pela Atenção Primária à Saúde do município de residência, conforme atualização do protocolo e procedimentos padronizados.

Outras ações da SES-MG para contenção do vírus

Além do decreto de emergência, organização da assistência e funcionamento 24 horas do COES-MINAS, a SES-MG tem realizado uma série de ações para contenção do vírus e promoção da assistência aos pacientes. Entre as ações está o monitoramento dos contatos dos casos considerados suspeitos, treinamento de profissionais das 28 Regionais de Saúde do Estado, solicitação de compra de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) para atendimento aos casos suspeitos e profissionais que prestam atendimento, produção de protocolos de atendimento e orientação aos municípios.

As medidas são atualizadas diariamente diante de mudanças no cenário epidemiológico e a SES-MG tem atuado na garantia da assistência necessária à população. “São várias as iniciativas de enfrentamento, tanto no eixo da vigilância quanto de mobilização social. A própria publicação do decreto auxilia no incremento de recursos humanos e fortalecimento de serviços de uma forma mais rápida como a epidemia exige”, explica Janaína Almeida.

Para acessar outras ações da SES-MG para contenção do vírus, clique aqui.

Por Jéssica Gomes, via SES-MG.

 

Governo de Minas adota trabalho remoto para conter propagação do novo coronavírus

Medida passa a valer imediatamente para servidores com mais de 60 anos, portadores de doenças crônicas e gestantes.

O Governo de Minas Gerais anunciou, nesta segunda-feira (16/3), mais medidas para conter a propagação do novo coronavírus no estado. Entre as ações adotadas pelo Comitê Gestor do Plano de Prevenção e Contingenciamento em Saúde do COVID-19 está o encaminhamento de servidores públicos para o teletrabalho, em caso de atividades que possam ser feitas a distância. A medida passará a valer imediatamente para funcionários com mais de 60 anos, pessoas com doenças crônicas ou gestantes/lactantes e se estenderá aos demais profissionais nas próximas semanas.

O vereador Mateus Simões, que deve assumir a Secretaria-Geral do Governo, leu uma nota em nome do governador Romeu Zema com essa e outras ações imediatas a serem adotadas no Estado. O chefe do Executivo se ausentou do encontro por medida de segurança, uma vez que teve contato nos últimos dias com uma pessoa que testou positivo para o coronavírus. O governador fará o exame o quanto antes e ficará em isolamento voluntário, trabalhando de casa, até que saia o resultado.

“Foi expedida deliberação que cria a possibilidade do teletrabalho. Essa medida não afetará a prestação de serviços essenciais à população. Além disso, os servidores com mais de 60 anos e com doenças crônicas terão a possibilidade de se preservarem, também trabalhando de casa”, disse por meio de nota.

Zema também anunciou a suspensão das atividades dos equipamentos culturais do Estado. Sendo assim, os museus, a Biblioteca Pública, o Arquivo Mineiro, dentre outros, ficarão fechados. Haverá também a suspensão dos espetáculos no Palácio das Artes e na Filarmônica.

“O Estado está preparado para agir. Neste momento, nossa atuação é rápida, de forma a tentar conter o avanço do coronavírus em Minas Gerais. Temos uma situação diferente de outros estados. Não são muitos os casos confirmados aqui e não há, até o momento, transmissão comunitária”, enfatizou.

A secretária adjunta de Planejamento e Gestão, Luisa Barreto, afirmou que o início do teletrabalho será imediato para os grupos de risco. Luisa ainda esclareceu que os trabalhos serão acompanhados pelas chefias imediatas e que os servidores não terão descontos em seus vencimentos.

“O teletrabalho terá início imediato para aquelas pessoas que se enquadram nos grupos de risco, já iniciando nesta terça-feira (17/3). Nossa grande preocupação agora é garantir que todas as medidas operacionais necessárias para que estes servidores possam realizar os trabalhos de casa e que isso ocorra de forma tranquila para que não haja prejuízo na prestação de serviços”, afirmou.

Saúde

O secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, apresentou os números atualizados sobre a disseminação da doença no estado.

“A situação epidemiológica é a seguinte: nós temos 511 notificações do coronavírus. Deste total, 85 foram descartados, e 420 estão sob investigação. Atualmente, são seis casos confirmados. Um caso em Ipatinga e Divinópolis, dois em Juiz de Fora, um em Belo Horizonte e outro em Patrocínio”, esclareceu.

Créditos: Gil Leonardi/Imprensa MG

Ele também ressaltou que as novas medidas adotadas estão dentro do plano de contingência e incluem a estruturação da rede de Saúde, organização dos leitos de CTI e a gestão para que os leitos estejam livres quando houver a necessidade. “Queremos que estejam habilitados para que a gente possa usá-los na medida em que surjam casos graves. Também faremos a requisição e aquisição de equipamentos de proteção individual para fornecermos à rede prestadora”, explicou.

Educação

No último domingo, o Executivo decidiu implementar recesso escolar a partir da próxima quarta-feira (18/3) em todas as escolas da rede estadual. A princípio, a medida vale até o dia 22 de março.

O secretário adjunto de Educação, Edelves Lima, chamou atenção para o tamanho da rede pública estadual de ensino, composta por 47 superintendências regionais, mais de 3,6 mil escolas, pouco mais de 1,7 milhão de estudantes.

“Em função do zelo e do cuidado com todos esses estudantes e da capilaridade que a Educação tem em todo o estado, nós optamos por fazer a parada de cinco dias para que possamos reorganizar a rede, ouvir, orientar e dialogar. É nessa perspectiva que essa parada se dá, para acompanharmos a identificação de casos em todo o estado, e pensarmos quais serão as melhores medidas a serem tomadas a partir da segunda-feira, dia 23”, explicou.

Leia, na íntegra, a carta escrita pelo governador Romeu Zema:

"Agradeço a presença de todos vocês. É muito importante para o Estado estar unido em torno de medidas que ajudem a reduzir a transmissão do coronavírus. Agradeço o comparecimento da imprensa, sempre a postos no intuito de informar a sociedade mineira.

Faço, inicialmente, um esclarecimento. Estava prevista a minha presença nesta entrevista coletiva de hoje. Porém, fui informado agora há pouco de que uma pessoa com quem tive contato nos últimos dias testou positivo para o coronavírus. Farei o exame o quanto antes. Enquanto não tiver o resultado, ficarei em isolamento voluntário. A partir desse momento, cumprirei, de casa, com meus compromissos na administração da nossa Minas Gerais.

Aproveito a oportunidade para anunciar medidas para os servidores do Estado. Foi expedida deliberação que cria a possibilidade do teletrabalho, que será esclarecido pelos secretários aqui presentes. Essa medida não afetará a prestação de serviços essenciais à população. Além disso, os servidores com mais de 60 anos e com doenças crônicas terão a possibilidade de se preservarem, também trabalhando de casa.

Ainda definimos hoje suspender as atividades nos equipamentos culturais do Estado. Sendo assim, os museus, a Biblioteca Pública, o Arquivo Mineiro, dentre outros, estarão fechados. Haverá a suspensão também dos espetáculos no Palácio das Artes e da Filarmônica.

O Estado está preparado para agir. Nesse momento, nossa atuação é rápida, de forma a tentar conter o avanço do coronavírus. Em Minas Gerais, temos uma situação diferente da de outros Estados. Não são muitos os casos confirmados aqui e não há, até o momento, transmissão comunitária.

Temos envidado todos os esforços para conter a disseminação da doença. Ontem, decidimos por paralisar por cinco dias as aulas na rede estadual para que possamos nos reorganizar. A rede possui mais de 3 mil escolas. Então, é necessário ouvir e orientar professores, diretores e superintendentes, para que as medidas sanitárias sejam revistas e estudadas possíveis alterações, como os horários do lanche e da entrada e saída dos alunos. É uma medida preventiva. Justamente por isso, vale a partir da próxima quarta-feira. Nesse período, os pais poderão se organizar.

Gostaria de ressaltar que diversas ações já entraram em vigor, como a criação do Comitê Gestor do Coronavírus, que vai ampliar nossa atuação e dar respostas rápidas à sociedade.

Temos um desafio enorme pela frente. Porém, temos responsabilidade e estamos unidos no enfrentamento do problema. Preciso do apoio de todos vocês, mineiros e mineiras, para que possamos atravessar essa crise mundial de saúde pública.

Temos que estar conscientes dos riscos que a doença traz e exagerar nos cuidados.

Estamos unidos com um único objetivo: cuidar do povo mineiro.

Muito obrigado!

Romeu Zema

Por Agência Minas

ESP-MG adota medidas preventivas ao Coronavírus - COVID-19

Atividades presenciais de ensino estão suspensas a partir de 18/03.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) adota medidas preventivas ao coronavírus - COVID-19:

Acompanhe o site e nossas redes sociais e fique por dentro de todas as informações.

Campanha de vacinação contra a gripe começa na segunda-feira dia 23/03

A campanha foi antecipada como estratégia para auxiliar os profissionais de saúde a descartarem a influenza na triagem de casos para coronavírus.

O início da 22ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenzaserá antecipado para a próxima segunda-feira (23/03). Dividida em três fases, a campanha tem como objetivo auxiliar os profissionais de saúde a descartarem a influenza na triagem de casos para o novo COVID-19, acelerando o diagnóstico e minimizando o impacto nos serviços de saúde. A meta é imunizar 90% do público prioritário da campanha, composto por aproximadamente sete milhões de pessoas em Minas Gerais.

De acordo com a coordenadora estadual do Programa de Imunizações da SES-MG, Josianne Dias Gusmão, vacinar primeiro os idosos e os trabalhadores da saúde faz parte das estratégias de proteção do grupo que está mais suscetível ao vírus da influenza. “Os sintomas da influenza são semelhantes aos do coronavírus e essa antecipação visa diminuir a carga da circulação de influenza na população. Em Minas, 2,3 milhões de pessoas fazem parte do grupo com 60 anos ou mais de idade e do grupo de profissionais de saúde são 460.500 pessoas. A vacina contra a gripe reduz as complicações, as internações e a mortalidade decorrentes das infecções pela influenza, por isso é fundamental que este público compareça às Unidades Básicas de Saúde nessa primeira etapa”, afirma.

A segunda fase da campanha começa no dia 16 de abril e tem como foco os professores das escolas públicas e privadas, profissionais das forças de segurança e salvamento e portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais. Já na terceira fase, que começa no dia 9 de maio, deverão receber a vacina as crianças de seis meses a menores de seis anos, gestantes, puérperas, povos indígenas, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional e adultos de 55 a 59 anos de idade.

A campanha será encerrada no dia 22 de maio e as etapas ocorrerão simultaneamente em todos os municípios mineiros. O público da campanha também está maior neste ano, abarcando os adultos de 55 a 59 anos, que não recebiam a vacina nos anos anteriores. Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% a 45% o número de hospitalizações por pneumonias, de 39% a 75% a mortalidade global e em, aproximadamente, 50% nas doenças relacionadas à influenza. “A vacina influenza é a medida de prevenção mais importante para proteger contra a doença”, aponta Josianne Gusmão.

Recomendações para a aplicação das doses diante dos casos do novo COVID-19

Diante dos casos do novo COVID-19, o Ministério da Saúde recomenda que os municípios adotem uma série de estratégias para evitar aglomerações durante a vacinação nas Unidades Básicas de Saúde. Cada município terá autonomia para definir quais estratégias irá adotar, de acordo com sua realidade e cenário epidemiológico. Contudo, é recomendado que diferentes formatos de organização do processo de trabalho das equipes sejam adotados.

Entre as estratégias que podem ser adotadas está o estabelecimento de parcerias locais com instituições públicas e privadas a fim de descentralizar o máximo possível a vacinação para além das Unidades Básicas de Saúde (UBS). Entre os possíveis parceiros estão os serviços de assistência social, instituições de ensino superior, as Forças Armadas e a extensa rede de farmácias privadas do país, entre outros.

A organização das UBS com horário de funcionamento estendido também está entre as recomendações, garantindo a oferta de vacinação na hora do almoço, bem como nos horários noturnos e finais de semana. Unidades com mais de uma equipe podem se organizar em escalas de trabalho flexíveis a fim de garantir o quantitativo de profissionais necessários para assegurar o acesso da população à vacina durante todo o horário de funcionamento do serviço. Outra recomendação é a disponibilização de um local específico na unidade de saúde para vacinação do idoso, pessoas com comorbidades, gestantes e puérperas, separados do local de vacinação direcionado aos demais grupos.

Realizar a vacinação extramuro, em locais de convivência social (supermercados, centro de idosos, igrejas, escolas, etc) em locais abertos e ventilados e, inclusive, em Unidades Móveis da Saúde também integra as recomendações do Ministério da Saúde.

Gripe

Causada por diferentes tipos de vírus, a gripe é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. Sua capacidade de transmissão é considerada alta, com tendência a se disseminar facilmente em epidemias sazonais. Para se prevenir é fundamental a adoção de hábitos simples como lavar as mãos frequentemente com água e sabão, evitar tocar a boca, nariz e olhos, limpar e desinfetar superfícies que podem estar contaminadas, manter os ambientes bem ventilados, além de evitar contato físico com outras pessoas.

Se não for tratada a tempo, a gripe pode causar complicações graves e levar à morte, principalmente nos grupos de alto risco, como pessoas com mais de 60 anos, crianças menores de cinco anos, gestantes e doentes crônicos. Nos casos mais graves, geralmente, existe dificuldade respiratória e há necessidade de hospitalização. Nesta situação, denominada Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), é obrigatória a notificação às autoridades de saúde. Os principais sintomas são febre, dor no corpo, dor de cabeça e tosse seca.

Por Jéssica Gomes, via SES-MG.

Educação a distancia: ESP-MG abre inscrições de curso para Agentes Comunitários de Saúde

Interessados poderão se inscrever no curso "Educação em Saúde nas Práticas do ACS" até o dia 05 de abril.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG), por meio da Assessoria de Educação a Distância (AEaD), abre inscrições para o Curso de Educação em Saúde nas práticas do ACS. 

A formação será realizada na plataforma virtual da ESP-MG, na modalidade de Educação a Distância (EaD). Ao Aluno será disponibilizada tutoria no ambiente virtual de aprendizagem e certificação ao final do curso. 

Para obter o certificado, os alunos deverão cumprir a carga horária de 30 horas do curso, que é dividido em três módulos: O ACS como Agente Educador; Educação em Saúde: Modelos e Características; e Educação Permanente em Saúde.

Inscrições:

Trabalhadores do Sistema Único de Saúde (SUS), que atuam ou atuaram como Agentes Comunitários de Saúde (ACS) no estado de Minas Gerais, podem se inscrever para o curso, desde que atendam aos seguintes requisitos: ter experiência como ACS; ter conhecimento básico na utilização de internet e informática; e residir em Minas Gerais.

A curso tem a oferta de 200 vagas, que serão disponibilizadas ao longo do primeiro semestre de 2020, preenchidas pela ordem de chegada das inscrições válidas.

O período para inscrições é de 23/03 a 05/04/2020. Para se inscrever o candidato deverá preencher o Formulário Eletrônico disponível em https://forms.gle/Gro8MWim2MJcyYnM7

Importante: o e-mail para inscrição deverá ser pessoal e válido.

O início do curso, para as primeiras turmas, está previsto para o dia 07 de abril de 2020.

A atividade é parte do compromisso da Escola com a ampliação da oferta de cursos a distancia que, neste momento de suspensão das atividades presenciais, permite a qualificação de trabalhadores do SUS a partir do acesso à formação via internet.

Para mais informações: (31)3275-1440 (WhatsApp) ou eadespmg.curso01@gmail.com

Novo Coronavírus: Informe-se sobre a Covid-19

Baseada na página especial da SESMG sobre a pandemia, disponibilizamos aqui as principais informações para: cidadãos, alunos, profissionais de saúde e gestores. Acesse orientações gerais, links de cursos, legislação e mapa de casos.

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus, descoberto após casos registrados na China, provoca a doença chamada de COVID-19.

A transmissão do coronavírus ocorre de pessoa a pessoa, pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos. Para se prevenir, lave as mãos com frequência, utilizando água e sabão ou use álcool em gel 70%. Cubra o nariz e boca ao espirrar ou tossir; evite aglomerações se estiver doente, mantenha os ambientes bem ventilados e não compartilhe objetos pessoais.

Os sinais e sintomas do coronavírus são principalmente respiratórios, semelhantes a um resfriado. Os principais sintomas são: febre, tosse, dificuldade para respirar, produção de escarro, congestão nasal, dor de garganta e coriza.

Atualmente, não existe tratamento específico para infecções causadas por coronavírus. No caso da COVID-19, é indicado repouso e consumo de bastante água, além de medidas para alívio dos sintomas, como o uso de medicamento para dor e febre (antitérmicos e analgésicos). Em caso de piora do quadro, com febre alta e persistente, e dificuldade em respirar, procure a unidade básica de saúde mais próxima.

Clique para saber mais: 

topo-coronavirus4

Abaixo você encontra o material gráfico, digital e audiovisual da campanha. Ele está disponível para download e reprodução, desde que sejam preservados e respeitados o conteúdo original e a ficha técnica. 

Flyer A5 (0,98 MB) | Cartaz A3 (1,07 MB) | Cartaz A4 (568.14 KB) | Spot  Outros

É importante procurar informações nos canais oficiais e seguir as recomendações do Estado e dos serviços públicos de saúde. Ajude a compartilhar informações reais e de qualidade:

Secretaria de Estado de Saúde

Mapa com a Distribuição dos casos de COVID-19 em Minas Gerais

Hemominas

FUNED

Rede Fhemig

FIOCRUZ

Ministério da Saúde

Página Especial do CONASS - Informações para a Gestão

Cursos da plataforma AVASUS

Instagram @escoladesaudemg

Facebook @escoladesaudemg

Twitter @escoladesaudemg

Informações da Covid-19 pelo Whatsapp da SESMG: (31) 98272-0553

Canais de Atendimento da ESP-MG

Informe-se sobre os canais de atendimento da ESP-MG no período de Emergência em Saúde Pública do Estado para enfrentamento da Covid-19.

A Escola de Saúde do Estado de Minas Gerais (ESP-MG), a partir dos decretos que estabelecem situação de emergência em Saúde Pública no Estado, tomou algumas medidas para prevenção da disseminação da Covid-19, causada pelo Coronavírus. A suspensão das atividades presenciais de ensino e pesquisa e adoção do regime de teletrabalho para as equipes são algumas das mais importantes. 

As equipes continuam trabalhando na manutenção dos cursos, pesquisas e diversas atividades acadêmicas e escolares. Os cursos de educação a distância continuam sendo oferecidos normalmente.

Com a melhora dos indicadores, todos os setores da ESP voltam a funcionar de forma presencial em regime de escala e revezamento.

Confira os canais de atendimento disponíveis por área:

As solicitações de declaração, certificados ou outros documentos acadêmicos, deverão ser encaminhadas, preferencialmente, por e-mail: sga@esp.mg.gov.br

A Gestão Acadêmica terá atendimento presencial para retirada destes documentos e outras demandas, a partir de solicitação prévia, de segunda a sexta-feira de 08h às 16h.

Endereço: Rua Uberaba 780, Barro Preto (Unidade Geraldo Valadão).

Também estará disponível o atendimento telefônico pelos números:

31 3295-6085

Os cursos em EaD da ESP-MG continuam sendo ofertados normalmente.

Para atendimento sobre os cursos, processos seletivos em andamento, dúvidas sobre o ambiente virtual ou informações gerais envie e-mail para: espmgead@gmail.com

O contato também pode ser realizado via whatsapp pelos números:

(31) 3291-4733 e 3275-1440 

Os encontros e atividades presenciais de ensino e pesquisa estão suspensos, mas as equipes estão trabalhando nos cursos, forma remota, a fim de garantir a continuidade de todo processo de formação.

Para atendimentos relacionados a estas atividades entre em contato a Superintendência de Educação e Pesquisa (SEDUPE) pelo e-mail sedupe@esp.mg.gov.br  ou com as coordenações pelos e-mails e telefones abaixo:

Política, Planejamento e Gestão em Saúde: lucas.castro@esp.mg.gov.br 

Contato Telefônico: 31 - 3295-5845

Educação e Trabalho em Saúde: amanda.soares@esp.mg.gov.br 

Contato Telefônico: 31 - 3295-5915

Promoção, Cuidado e Vigilância em Saúde: giselle.tofoli@esp.mg.gov.br 

Contato Telefônico: 31 - 3517-2611

Para atendimento e informações sobre pagamentos envie e-mail para: cof@esp.mg.gov.br

Contato Telefônico: 31 - 3295-2023

Para solicitação de certidão de contagem de tempo para aposentadoria e outras questões relacionadas a pessoal, envie e-mail para: cgp@esp.mg.gov.br 

Contato Telefônico: 31 - 3295-5307

Para dúvidas ou informações sobre credenciamento/contratos de pessoa física envie e-mail: ccc@esp.mg.gov.br 

Contato Telefônico: 31 - 3295-3561

Fornecedores da instituição poderão tirar suas dúvidas ou obter informações sobre contratos pelos e-mails: ccc@esp.mg.gov.br e clm@esp.mg.gov.br 

Contato Telefônico: 31 - 3295-6771

Para demandas de imprensa, acesso aos conteúdos do site e redes sociais ou para informações gerais da ESP-MG o e-mail para atendimento é: comunicacao@esp.mg.gov.br 

Contato Telefônico: 31 - 3295-5854

Atendimento também pela ferramenta fale conosco do site.

Para demandas relacionadas à direção superior da ESP-MG, o contato deverá ser realizado por meio do e-mail: diretoria@esp.mg.gov.br

Acesse as portarias que regulamentam os serviços essenciais da instituição, o comitê interno de monitoramento e outras providências. 

Acesse a página quem é quem para todos os setores e cargos da ESP-MG

EaD: Resultado das Inscrições do Curso de Educação em Saúde nas Práticas do ACS

Curso, que será realizado no ambiente virtual de aprendizagem da ESP-MG, começa amanhã. Vagas foram ampliadas de 200 para 480.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) informa o resultado das inscrições e a listagem dos candidatos selecionados para a realização do Curso Educação em Saúde nas práticas do ACS, na modalidade Educação a Distância. Foram recebidas mais de 800 inscrições de trabalhadores de todas as regiões do Estado.

Devido ao número de candidatos inscritos, a Assessoria de Educação a Distância (AEaD), responsável pela ação educacional junto à Coordenação de Educação e Trabalho em Saúde (CTES) e Coordenação de Planejamento Política e Gestão em Saúde (CPPGS), decidiu ampliar a oferta de vagas. Para isto, as equipes da ESP-MG consideraram a procura dos profissionais interessados em realizar o curso e a importância da oferta de qualificação em EaD neste momento de isolamento social, devido à Covid-19. O número de vagas passará de 200, previstas inicialmente, para 480 vagas.

Para fins de seleção, foi considerada a ordem de chegada das inscrições válidas que atenderam aos pré-requisitos: ter experiência como ACS; ter conhecimento básico na utilização de internet e informática; residir em Minas Gerais.

Para acessar as listas clique nos links abaixo:
Inscrições Válidas dentro do Número de Vagas - Candidatos Selecionados
Inscrições fora do Número de Vagas - Excedentes
Inscrições Não Válidas - Não atenderam aos Pré-requisitos

O curso:

Serão formadas inicialmente 4(quatro) turmas, com 40 alunos cada, com início em 07/04/2020. As demais turmas serão formadas gradativamente, no decorrer deste ano, de acordo com a disponibilidade das tutoras da ESP-MG.
Para obter o certificado, os alunos deverão cumprir a carga horária de 30 horas do curso, que é dividido em três módulos: O ACS como Agente Educador; Educação em Saúde: Modelos e Características; e Educação Permanente em Saúde.

Os alunos contemplados receberão, via e-mail, as informações sobre a data de início para ingresso no curso e realização das atividades no ambiente virtual.

Para mais informações: (31)3275-1440 (WhatsApp) ou eadespmg.curso01@gmail.com

Testes Rápidos de IST: ESP-MG abre credenciamento para Coordenadores Assistentes

Edital Prorrogado: Interessados poderão se inscrever até dia 29 de junho de 2020.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais, ESP-MG, seleciona profissionais para exercerem a função de Coordenador Assistente do Curso para Qualificação de profissionais da Atenção Primária em Saúde (APS) para realização de teste rápido de HIV, Sífilis e Hepatites B e C.

Incrições prorrogadas. Com o novo prazo, interessados poderão se inscrever até às 17h do dia 29 junho de 2020.

O pleito oferta 10 vagas, sendo 9 delas para atuação nas SRS/GRS de Alfenas, Barbacena, Belo Horizonte, Coronel Fabriciano, Itabira, Ponte Nova, Teófilo Otoni, RM-BH e Montes Claros, e 1 vaga para atuação na ESP-MG, junto a Coordenação de Promoção, Cuidado e Vigilância em Saúde (CPCVS), em Belo Horizonte.

Para concorrer ao credenciamento, os candidatos devem preencher os seguintes requisitos: possuir graduação na área da Saúde; possuir experiência profissional, exceto estágio, no manejo com IST/AIDS, Sífilis e Hepatites Virais, incluindo especificamente experiência de execução de Teste Rápido de IST/AIDS, Sífilis e Hepatites Virais; possuir certificação nos cursos especificados a seguir, ofertados na modalidade à distância e disponibilizados gratuitamente pela plataforma Telelab: “Diagnóstico de HIV”, “Diagnóstico de Sífilis”, “Diagnóstico de Hepatites Virais” e “Avaliação Externa de Qualidade dos Testes Rápidos”.

Além destes, os candidatos à vaga de Coordenador Assistente na ESP-MG precisam ter experiência profissional em coordenação de ações educacionais na área da saúde e/ou experiência profissional na coordenação de serviços de saúde.

Link para a inscrição: https://bit.ly/3e5gPVJ

Para acessar o Edital de Credenciamento 001/2020, informações gerais e cronograma, clique aqui.

ESP-MG seleciona docentes para Curso de Especialização Técnica em Enfermagem

O credenciamento visa o preenchimento de 10 vagas. Inscrições foram prorrogadas e podem ser realizadas até dia 14 de julho de 2020.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais, ESP-MG, seleciona docentes para o Curso de Especialização Técnica de Nível Médio em Enfermagem em Linha do Cuidado: Doenças Crônicas. O pleito oferta 02 vagas para docentes de concentração e até 08 vagas para docentes de dispersão.  Inscrições Prorrogadas: interessados poderão se  até as 17h do dia 14 de julho de 2020.

Para concorrer ao credenciamento, os candidatos devem preencher os requisitos: possuir graduação em enfermagem com formação mínima em pós-graduação lato sensu em pelo menos uma das seguintes áreas de concentração: Saúde Coletiva e/ou Saúde Pública, Organização e/ou Gestão de Serviços de Saúde, Promoção da Saúde, Enfermagem, Doenças Crônicas não Transmissíveis, Saúde do Adulto, Saúde do Idoso; e possuir experiência profissional mínima de 01 ano em cargo/função, atuando na assistência de enfermagem em doenças crônicas não transmissíveis em um ou mais dos diferentes níveis de complexidade de atenção à saúde de acordo com os cenários de prática.

O curso tem como objetivo formar "Especialistas Técnicos de Nível Médio em Enfermagem em Linha do Cuidado: Doenças Crônicas", para atuar na equipe multiprofissional de forma humanística e ética, na perspectiva da integralidade da saúde.

Link para a inscrição: https://bit.ly/3aLQlpW

Para acessar o Edital de Credenciamento 002/2020, informações gerais e cronograma, clique aqui.

Funed aumenta de 200 para 700 média de exames laboratoriais para Covid-19 e sequencia 40 genomas do novo vírus

A instituição, que compõe o Sistema Estadual de Saúde de Minas Gerais, informa que 95% das amostras foram concluídas. O Sequenciamento do Genoma, em parceria com a Fiocruz, é a pesquisa mais representativa do estado sobre o vírus.

 

A Fundação Ezequiel Dias (Funed), laboratório público referência em Minas Gerais para realização de análises laboratoriais da Covid-19, colocou em dia as análises pendentes na segunda-feira (13/4). Ao todo, 95% das amostras já tiveram o resultado concluído. A partir de agora, os materiais que derem entrada na instituição terão os resultados liberados em até três dias e os casos prioritários serão entregues em dois dias.

 

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), são considerados prioritários para a realização das análises os casos graves em unidades e centros de terapias intensivas, amostras de profissionais de Saúde, da população privada de liberdade, além dos óbitos em investigação.

Para conseguir atender a demanda reprimida, a Funed ampliou a média diária de 200 exames laboratoriais para o diagnóstico da Covid-19 para 700. A fila de exames pendentes foi reduzida com aumento da produtividade interna; remanejamento de recursos humanos, equipamentos e infraestrutura; habilitação de novos laboratórios parceiros e implantação do novo protocolo do Ministério da Saúde para a realização do diagnóstico da doença.

As mudanças começaram em março, assim que a instituição realizou os primeiros exames em Minas Gerais, e passaram a surtir efeitos em abril, como explica a diretora do Laboratório Central de Saúde Pública de Minas Gerais (Lacen-MG) da Funed, Marluce Oliveira. “Em uma pandemia, uma reestruturação não gera resultados imediatos. Nas últimas duas semanas, conseguimos mais que triplicar a nossa produtividade. Durante todo o feriado, os servidores envolvidos diretamente nas análises trabalharam em regime de plantão para realização dos exames colocando a rotina em dia”, afirma.

Ainda segundo a diretora do Lacen-MG, a Funed está coordenando a realização dos exames nos laboratórios habilitados como parceiros. “Além da Funed, a UFMG também analisou neste feriado cerca de 500 amostras e a Fundação Hemominas fez outros 700 exames”, conta. A Funed habilitou ainda o Laboratório Federal de Defesa Agrícola do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a Fiocruz Minas Gerais, além de outras 15 instituições colaboradoras, entre públicas e privadas, para onde foram descentralizadas as análises.

Marluce Oliveira estima que a Funed tem capacidade de chegar a uma média de mil exames por dia. Para ela, com a organização de toda a rede, Minas Gerais estará bem mais preparada para atender ao diagnóstico laboratorial que demanda uma pandemia como a de Covid-19, realizando até 2 mil exames diariamente. “A Funed e a SES-MG se mantêm na condução da composição da rede de laboratórios. O objetivo é liberar todos os resultados no prazo de 48 horas para o atendimento dos pacientes do SUS em Minas Gerais”, finaliza.

Até essa terça-feira (14/4), 9.259 amostras haviam dado entrada na Funed. Dessas, 8.945 resultados foram liberados.

Sequenciamento do Genoma

O vírus da Covid-19 que circula em Minas Gerais tem as mesmas características ou já sofreu algum tipo de mutação? Os sintomas mais graves do coronavírus são provocados por um vírus diferente dos demais? Estas são algumas das perguntas que motivaram os pesquisadores da Fundação Ezequiel Dias (Funed), em parceria com a Fiocruz, a sequenciarem o genoma do vírus SARS-CoV-2. Foram 24 horas para sequenciar 40 genomas, a pesquisa mais representativa em Minas Gerais até o momento.

Segundo Marluce (Lacen-MG), os resultados preliminares mostram que todas as sequências de genomas isoladas em Minas Gerais se agrupam formando um clado único (grupo), ou seja, são similares. “Mesmo que tenham uma relação filogenética próxima, ainda sim a Funed irá analisar mais amostras e realizar o sequenciamento genético da SARS-CoV-2 para termos mais informações sobre a dispersão do vírus no estado de Minas Gerais”. Este é um trabalho a longo prazo, de vigilância genômica, afirma a diretora, que pode indicar respostas sobre a relação dos subtipos de vírus com os sintomas apresentados e como se dá a circulação e a dispersão do vírus no estado.

 A pesquisa de sequenciamento genético em Minas Gerais é importante para subsidiar as ações de vigilância em saúde e as tomadas de decisões do governo, reforçou Marluce de Oliveira, “a Funed promove a saúde da população de Minas Gerais gerando informação para o monitoramento epidemiológico da infecção causada pelo SARS-CoV-2”, concluiu.

O projeto é desenvolvido pela Funed com colaboração do grupo liderado pelo pesquisador Luiz Alcântara, da Fiocruz. Os resultados deste estudo serão disponibilizados como um pré-print na Revista online BioRxiv.

A Fundação Ezequiel Dias (Funed) é uma das vinculadas do Sistema Estadual de Saúde de Minas Gerais, juntamente com a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), a Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais, a Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (FHEMIG) e a Fundação Centro de Hematologia e Hemoterapia de Minas Gerais (Hemominas).

Minas Gerais tem nova projeção de pico da Covid-19

Com desaceleração, nova projeção mostra deslocamento do pico de casos para o dia 3 de junho.

Estudo divulgado nesta quarta-feira (22/4) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) demonstra diminuição da intensidade de contágio pelo coronavírus. Os números foram apresentados em entrevista coletiva virtual concedida, na Cidade Administrativa, pelo secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, e pelo secretário adjunto de Saúde, Marcelo Cabral.

De acordo com o levantamento, o pico do número de casos nas curvas de evolução da doença seria atingido em 3 de junho, quando haveria 3.583 pessoas demandando os serviços de saúde por conta da Covid-19. Na semana anterior, as análises indicavam estimativa de 4.290 casos ao final do mês de maio. Na coletiva, o secretário também mencionou os números totais da doença, publicados em Boletim Epidemiológico. Minas registra, no momento, 1.283 casos confirmados, 47 óbitos confirmados (em 22/04).

“Nós tivemos um incremento de casos, mas mais em função do aumento do número de exames do que uma mudança da forma como o vírus está circulando”, explicou Carlos Eduardo Amaral. Segundo o gestor, já foram realizados 10.084 testes pelos laboratórios integrantes da Rede Estadual, restando cerca de 900 amostras que aguardam conclusão. “Isso é equacionado com aproximadamente dois dias de trabalho da Funed”, declarou.

Amaral ressaltou que o Estado tem sua estrutura de leitos monitorada, contando, em relação à terapia intensiva, com 2.013 leitos para atendimento pelo SUS. Outros 50 leitos já estão ativados por meio da Rede Fhemig, podendo ter imediata utilização, e ainda há 380 em fase de habilitação junto ao Ministério da Saúde. “Nossa ocupação atual tem um índice de 52% e há 76 pacientes internados por suspeitas para Covid-19", disse.

Ainda de acordo com o secretário, o receio de que ocorra subnotificação de óbitos é infundado, pois há mecanismos estruturados para monitoramento desse indicador de saúde. Segundo Amaral, todos os casos de síndrome gripal são notificados, o que gera uma alta sensibilidade, independentemente de o caso ser grave ou não, ou ser localizado em um município com muitos ou poucos casos.

Posteriormente, todos os pacientes internados com suspeita da Covid-19 têm seu exame colhido, sobretudo se houver quadro grave. Além disso, há acompanhamento de pacientes que se internam por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e que não têm relação direta com a Covid. Finalmente, os óbitos têm sua causa apurada posteriormente, de modo a verificar se há relação com a Covid-19 ou não. “Portanto, quanto a relacionar o número relativamente baixo de óbitos com eventual subnotificação, eu sou capaz de afirmar que a chance de haver vínculo é muito baixa, pois nós temos quatro mecanismos de controle”, esclareceu.

Outro destaque feito pelo secretário é de que o número de óbitos descartados é consideravelmente maior do que aqueles ainda em investigação, o que indica que não há demora na avaliação dos casos suspeitos. “São 325 óbitos descartados e 78 que estão em investigação. Não se trata de atraso ou demora, mas sim de uma avaliação zelosa e criteriosa”, comentou.

Legislação

A respeito da obrigatoriedade do uso de máscaras, o secretário adjunto de Saúde, Marcelo Cabral, destacou que ainda é demandado tempo para que a população possa aderir corretamente à prática. “O importante, e vemos não só os órgãos de saúde se manifestando sobre isso, mas também a imprensa dando orientações quase que diariamente, é higienizar as mãos antes de manusear as máscaras, fazer sua colocação da maneira adequada”. reforçou.

Cabral lembrou, por outro lado, que os estabelecimentos que não estiverem observando o que prescreve a legislação de saúde podem sofrer penalidades, como multas, retenção de produtos, entre outras. “A fiscalização é feita pela Vigilância Sanitária dos municípios e o descumprimento das determinações pode gerar punição às eventuais infrações”, explicou.

Quanto à montagem de novos hospitais de campanha, Marcelo Cabral apontou que, no momento, somente há intenção de que o Estado gerencie de forma direta a estrutura montada no Expominas, em Belo Horizonte, mas que isso não impede que os municípios, dentro de sua autonomia, possam também montar estruturas próprias. Já em relação ao aproveitamento dos equipamentos após a pandemia, afirmou que os materiais podem ser alocados facilmente na Rede de Saúde.

 

Coronavírus: Informe-se sobre a Pandemia de Covid-19

Nesta página, disponibilizamos as principais informações para: cidadãos, alunos, profissionais de saúde e gestores. Acesse orientações gerais da SESMG, mapas de casos em Minas, legislação, links para curso e informações gerais das principais páginas de Saúde Pública do País.

Os coronavírus são uma grande família de vírus comuns em muitas espécies diferentes de animais, incluindo camelos, gado, gatos e morcegos. Raramente, os coronavírus que infectam animais podem infectar pessoas, como exemplo do MERS-CoV e SARS-CoV. Recentemente, em dezembro de 2019, houve a transmissão de um novo coronavírus (SARS-CoV-2), o qual foi identificado em Wuhan na China e causou a COVID-19, sendo em seguida disseminada e transmitida pessoa a pessoa.

A Covid-19 é uma doença causada pelo coronavírus, denominado SARS-CoV-2, que apresenta um espectro clínico variando de infecções assintomáticas a quadros graves. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a maioria (cerca de 80%) dos pacientes com COVID-19 podem ser assintomáticos ou oligossintomáticos (poucos sintomas), e aproximadamente 20% dos casos detectados requer atendimento hospitalar por apresentarem dificuldade respiratória, dos quais aproximadamente 5% podem necessitar de suporte ventilatório.

A transmissão acontece de uma pessoa doente para outra ou por contato próximo por meio de: toque do aperto de mão contaminadas; gotículas de saliva; espirro; Tosse; catarro; objetos ou superfícies contaminadas, como celulares, mesas, talheres, maçanetas, brinquedos, teclados de computador etc.

Os sintomas da COVID-19 podem variar de um resfriado, a uma Síndrome Gripal-SG (presença de um quadro respiratório agudo, caracterizado por, pelo menos dois dos seguintes sintomas: sensação febril ou febre associada a dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza) até uma pneumonia severa. Sendo os sintomas mais comuns:

• Tosse
• Febre
• Coriza
• Dor de garganta
• Dificuldade para respirar
• Perda de olfato (anosmia)
• Alteração do paladar (ageusia)
• Distúrbios gastrintestinais (náuseas/vômitos/diarreia)
• Cansaço (astenia)
• Diminuição do apetite (hiporexia)
• Dispnéia ( falta de ar)

Não existe, até o momento, tratamento específico para infecções causadas por coronavírus humano. No caso do coronavírus é indicado repouso e consumo de bastante água, além de algumas medidas adotadas para aliviar os sintomas, como uso de medicamento para dor e febre (antitérmicos e analgésicos). Assim que os primeiros sintomas surgirem, é fundamental buscar isolamento doméstico. Apenas em caso de piora dos sintomas, como persistência da febre e dificuldade de respirar, deve-se buscar atendimento na unidade básica de saúde mais próxima.

VACINAÇÃO

Em 18/01/2021 chegou ao estado a primeira remessa de vacinas e naquela mesma data, o Governo de Minas Gerais iniciou a maior operação de vacinação de sua história. A primeira imunizada contra a Covid-19 em Minas foi a técnica de Enfermagem Maria Bom Sucesso Pereira, de 57 anos, que há mais de uma década atua no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do Hospital Eduardo de Menezes, na capital mineira.

Com o objetivo de dar ainda mais transparência sobre os imunizantes recebidos pelo Estado e ajudar a esclarecer dúvidas da população, o Governo de Minas lançou em 21/1/21, o site: vacinaminas.mg.gov.br

Desenvolvido por profissionais da Secretaria de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), o portal reúne informações sobre o número de doses, expectativa de pessoas a serem vacinadas e informações sobre os grupos prioritários. Além disso, oferece um compilado de perguntas e respostas para esclarecer os principais questionamentos sobre a imunização no estado.

Clique para saber mais: 

topo-coronavirus4

Abaixo você encontra o material gráfico, digital e audiovisual da campanha. Ele está disponível para download e reprodução, desde que sejam preservados e respeitados o conteúdo original e a ficha técnica. 

Flyer A5 (0,98 MB) | Cartaz A3 (1,07 MB) | Cartaz A4 (568.14 KB) | Dicionário- para entender a PandemiaSpot  Outros

É importante procurar informações nos canais oficiais e seguir as recomendações do Estado e dos serviços públicos de saúde. Ajude a compartilhar informações reais e de qualidade:

Secretaria de Estado de Saúde

Painel com o monitoramento dos casos de COVID-19 em Minas Gerais

Guia Orientador para Estados e Municípios - CONASS e CONASEMS

Hemominas

FUNED

Rede Fhemig

FIOCRUZ

Ministério da Saúde

Consolidado Legislação Federal Covid-19

Página Especial do CONASS - Informações para a Gestão

Cursos da plataforma AVASUS

Curso UNASUS - Orientações Sobre a COVID-19 na Atenção Especializada

Instagram @escoladesaudemg

Facebook @escoladesaudemg

Twitter @escoladesaudemg

Youtube: youtube.com/escolasaudepublicamg

PODCASTS ESP-MG. Ouça agora e quando quiser!

Conteúdos e conversas gravadas por especialistas em diversas temáticas relacionadas à Saúde Coletiva.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) lança mais um canal de informação e comunicação com o público: os PODCASTS da ESP-MG. A ideia é apresentar conteúdos e conversas gravadas com especialistas em diversas temáticas da Saúde Coletiva, e neste momento, em especial, para enfrentamentos relacionados à emergência em Saúde Pública, causada pela Covid-19.

Novo PodCast: "Pandemia e populações em situação de vulnerabilidade no Brasil".

Neste episódio, a temática vulnerabilidade social relacionada à pandemia foi debatida numa conversa do Coletivo de Promoção em Equidades em Saúde (COESA), formado por servidoras da Escola, com as convidadas especialistas Yone Gonzaga, consultora em Relações Étnico-Raciais e de Gênero, e Luisa Silveira, Coordenadora de Políticas de Promoção da Equidade da SES-MG. Aperte o play e ouça agora:

 

 

Novo PodCast: Inteligência Artificial no Sistema de Saúde e caminhos para a reabertura do país.

Neste episódio, o convidado Alexandre Chiavegatto Filho, Professor da Faculdade de Saúde Pública e Diretor do Laboratório de Big Data e Análise Preditiva em Saúde da USP, apresenta o uso dos algoritmos para enfrentamento à Covid-19, como tomadas de decisão no âmbito da Saúde e retomada das atividades no país a partir de critérios científicos ampliados. Aperte o play e ouça agora:

 

 

PodCast: A Gestão Regional do SUS em Minas Gerais frente à Pandemia da Covid-19.

Neste Episódio preparamos um bate papo especial do nosso Superintendente de Educação e Pesquisa, Rodrigo Machado, com o Subsecretário de Gestão Regional da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, Darlan Venâncio.

O conteúdo está imperdível, a discussão perpassa pelas questões da gestão, do apoio regional, comissões, cooperação e os desafios enfrentados em Minas Gerais. Ouça Agora:

 

 

PodCast: Meio Ambiente, Pandemias e Saúde Coletiva:

Dia 05 de junho é o dia mundial do Meio Ambiente, e a ESP-MG preparou um PodCast com conteúdo especial sobre as questões ambientais e as relações com a Saúde Pública e a Pandemia da Covid-19. A convidada do espisódio é a Bióloga Sanitarista e Doutora em Saúde Coletiva, Ana Flávia Quintão, da ESP-MG. Ouça agora:

 

...

Ouça os conteúdos do tema: "Saúde Mental em Tempos de Pandemia". Foram realizadas conversas com especialistas na área, mediada pela referencia em saúde mental da ESP-MG, Ana Regina Machado, Psicóloga e Doutora em Saúde Coletiva. Cada conversa dará origem a um PODCAST, e o primeiro, uma conversa com o Professor Marcelo Arinos, você confere agora, clique no play:

 

PODCAST #02

Conteúdo #02 da Temática "Saúde Mental em Tempos de Pandemia". Nesta abordagem, nossa convidada, a psicóloga Daniene Santos, estabeleceu relações entre as condições de vida das pessoas e as diferentes vivências no enfrentamento à covid-19. A mediação das questões  é da Professora Ana Regina Machado, da ESP-MG. 

 

PODCAST #03

Conteúdo #03 da Temática "Saúde Mental em Tempos de Pandemia". Neste PodCast, Rodrigo Chaves, nosso colega da ESP e Coordenador Clínico de Saúde Mental em Brumadinho MG, comentou sobre as possibilidades de manter a saúde mental no contexto que temos vivenciado com a COVID-19. As questões foram mediadas pela Professora Ana Regina Machado, da ESP-MG.

 

PODCAST #04

A quarta e última abordagem do tema, nesta série, teve como convidada Lírica Salluz, da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, que apresentou as principais recomendações para o cuidado em Saúde Mental em tempos de COVID 19 e os serviços disponíveis no SUS. No conteúdo, ouviremos, também, as considerações da mediadora, a Professora Ana Regina Machado, da ESP-MG. Ouça:

Em breve disponibilizaremos outros PODCASTS em novas temáticas. Fique ligado(a)! Acompanhe as atualizações da página e nossas redes sociais:

Facebook

Instagram

Twitter

Youtube

ESP-MG lança novo curso em EaD: ACS no Enfrentamento da Covid-19

Podem se inscrever candidatos que atuam ou atuaram como ACS em Minas Gerais. Inscrições até 07/06.

A Escola de Saúde Pública do Estado Minas Gerais (ESP-MG), instituição de ensino e pesquisa responsável pela qualificação dos trabalhadores da Saúde Pública no Estado, abre inscrições para o novo curso na modalidade Educação a Distancia (EaD): ACS no enfrentamento da COVID-19. Agentes Comunitários de Saúde (ACS) atuantes em Minas Gerais podem se inscrever a partir de hoje, 25/05, até o dia 07/06/2020.

O curso, ofertado por meio da Assessoria de Educação a Distancia e desenvolvido junto à Coordenação de Educação e Trabalho em Saúde, será totalmente realizado no ambiente virtual de aprendizagem da instituição, no formato autoinstrucional (sem tutor) com certificação para os alunos que concluírem os conteúdos.

A ação, direcionada aos Agentes Comunitários de Saúde, tem como objetivo qualificar estes profissionais para o enfrentamento da pandemia da Covid-19, e seus desdobramentos, na atenção à saúde nos municípios. Os ACS são o elo entre a população e os serviços de saúde, por isso, devem estar capacitados para atuar nesse novo contexto de saúde pública.

A diretora-geral da ESP-MG, Lenira Maia, reforça a importância do curso para o Sistema Estadual de Saúde: "Esta é uma formação fundamental e que reafirma o papel e a missão institucional da Escola. Os ACS's são o primeiro contato da população com o Sistema. Eles representam, de modo inequívoco, a capilarização do SUS", disse. Lenira também destaca a importância da Atenção Primária (APS) no atual cenário; "Uma APS fortalecida, com ACS qualificados, reduz a pressão sobre os demais pontos da rede, especialmente sobre a atenção hospitalar, o que, neste momento de Pandemia, é imprescindível", destaca.

Serão disponibilizadas, inicialmente, 1.000 vagas, preenchidas pela ordem de chegada das inscrições válidas. Podem se inscrever para o curso os trabalhadores que atuam ou já atuaram como Agentes Comunitários de Saúde (ACS) desde que atendam aos seguintes requisitos:
• Possuir experiência ou atuar como Agente Comunitário de Saúde;
• Possuir conhecimento básico na utilização de internet;
• Trabalhar ou residir no Estado de Minas Gerais.

O curso terá carga horária de 30 horas com os seguintes conteúdos organizados por módulos: 1 - O que é COVID-19? Como é transmitida? Como se manifesta?; 2 - Como prevenir a transmissão e a propagação da COVID-19; 3 - Como orientar a população sobre as medidas de prevenção? Que estratégias de comunicação podem ser utilizadas?; 4 - Como a unidade básica de saúde pode se (re)organizar no contexto da pandemia da COVID-19; e 5 - Como você pode proteger sua saúde durante o exercício do seu trabalho em tempos de pandemia da COVID-19.

Os candidatos poderão se inscrever até dia 07/06/2020, por meio do preenchimento do Formulário Eletrônico.
O início do curso, para primeiras turmas, está previsto para o dia 09 de junho de 2020.

Clique aqui e acesse o formulário eletrônico para inscricão.

Atenção: Para realizar a inscrição é importante que o e-mail utilizado seja pessoal e válido. 

Para mais informações: (31) 3291-4733 (WhatsApp) ou pelo e-mail eadespmg.curso02@gmail.com

ACS no Enfrentamento da Covid-19: ESP amplia oferta para 6 mil alunos. Acesse o resultado.

O curso terá início amanhã, 09/06, para a primeira turma.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) informa o resultado das inscrições e a ampliação do número de vagas para o Curso ACS no enfrentamento da COVID-19, na modalidade Educação a Distância - EaD. Foram recebidas cerca de 7.700 inscrições de trabalhadores de 600 municípios mineiros.

Ampliação do número de vagas
Impulsionada pela grande procura pelo curso e pela importância da temática na qualificação de profissionais nesse momento de pandemia, a equipe da ESP-MG, por meio da Assessoria de Educação à Distância (AEaD) e da Coordenação de Educação e Trabalho em Saúde (CETS), ampliou a oferta de vagas de 1.000, previstas inicialmente, para 6.000 vagas.

A nova oferta permitirá a qualificação de profissionais em todo o estado e ratifica o papel estratégico da ESP-MG na qualificação dos trabalhadores do SUS em Minas Gerais, sobretudo, frente aos desafios da Saúde Coletiva, como a pandemia da Covid-19.

Resultado:
Para fins de seleção, foi considerada a ordem de recebimento das inscrições válidas que atenderam aos pré-requisitos: possuir experiência ou atuar como Agente Comunitário de Saúde; possuir conhecimento básico na utilização de internet e trabalhar/residir no estado de Minas Gerais.

Clique para acessar as listas:

Inscrições Válidas dentro do Número de Vagas - Candidatos Selecionados
Inscrições fora do Número de Vagas - Excedentes
Inscrições Não Válidas - Não atenderam aos Pré-requisitos

Início do Curso
O curso terá início no Ambiente Virtual de Aprendizagem a partir de amanhã, 09/06, para a primeiro turma de alunos e, semanalmente, novas turmas serão inseridas na plataforma, até o final do mês de julho. A AEaD enviará antecipadamente, via e-mail, as informações do início do curso, login e senha de acesso para todos até que os 6 mil novos alunos sejam contemplados.

Para mais informações: eadespmgcurso02@gmail.com

 

Primeiro Webnário da ESP-MG: Direito Sanitário e Sistema Prisional em tempos de pandemia

O evento foi transmitido pelo youtube. Clique na matéria e acesse o vídeo disponível no canal.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) realizará, no dia 19 de junho às 10h30, o primeiro Webinário da instituição. "Direito Sanitário e Sistema Prisional em tempos de pandemia" será o tema do debate, organizado pela equipe de coordenação da Especialização em Direito Sanitário, com a participação de convidadas especialistas nas áreas. 

O evento será transmitido pelo Youtube. Inscreva-se no canal da ESP-MG e ative as notificações para ser avisado quando a transmissão começar. Ou acesse, no horário, pelo link: https://www.youtube.com/c/escolasaudepublicamg

O Vídeo com o webnário está disponível no Youtube, clique no link acima para acessar o canal, ou diretamente no link do video por AQUI!

Não é necessária inscrição prévia para o evento, a transmissão será aberta. Contudo, os participantes que desejarem certificado de participação deverão se inscrever, via formulário, até às 10h do dia 19/06, para que seja confirmada a presença e a emissão posterior do documento.

Para preencher o formulário de inscrição e receber o certificado/declaração de participação, clique aqui!

Confira a programação completa:

ESP-MG completa 74 anos de serviços à Saúde Pública em Minas Gerais.

Acesse o Informativo Especial de 74 anos da Instituição.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) completou, no dia 03 de junho de 2020, 74 anos de fundação. A instituição tem como missão, desde 1946, qualificar trabalhadores da Saúde Mineira, integrando ensino e serviço. Centenas de milhares de alunos formaram-se aqui, em diversos cursos e ações educacionais, fundamentais ao contexto de cada época e ao desenvolvimento da Saúde Pública no Brasil.

Gratidão aos parceiros, alunos, trabalhadores e instituições que contribuíram e contribuem para o fortalecimento da ESP-MG e do SUS.

Acesse o boletim especial em comemoração aos 74 anos da Escola. O informe destaca os principais resultados da instituição nos últimos 02 anos. Clique aqui!

Inscrições abertas para novo curso da ESP-MG: “Atenção Primária à Saúde no enfrentamento da Covid-19”

Curso será ofertado na modalidade educação a distância. Interessados poderão se inscrever até dia 12/07/2020.

A Escola de Saúde Pública do Estado Minas Gerais (ESP-MG) abre inscrições para novo curso: "Atenção Primária à Saúde no enfrentamento da COVID-19". Ofertada na modalidade Educação a Distância (EaD), a formação é direcionada para profissionais atuantes na Atenção Primária à Saúde (APS).

Incialmente serão disponibilizadas 1.000 vagas e os interessados poderão se inscrever a partir de hoje, 26 junho, até dia 12 de julho de 2020.

O curso

Organizado pela Assessoria de Educação a Distância (AEaD) e a Coordenação de Planejamento, Política e Gestão em Saúde da ESP-MG (CPPGS), o curso será realizado no ambiente virtual de aprendizagem, no formato autoinstrucional (sem tutoria), com certificação para alunos concluintes.

A proposta da formação é subsidiar gestores e profissionais com experiência na Atenção Primária à Saúde em relação à reorganização de processos de trabalho no âmbito da APS, frente ao contexto da epidemia da Covid-19.

A carga horária do curso será de 30 horas, organizadas em três módulos temáticos:

Inscrições:

Podem se inscrever para o curso profissionais de qualquer nível de formação que atendam aos seguintes requisitos:
• Possuir experiência na Atenção Primária à Saúde;
• Residir no Estado de Minas Gerais.

A inscrições serão realizadas por meio do preenchimento de Formulário Eletrônico até dia 12/07/2020.

Clique aqui para se inscrever.

As vagas serão preenchidas pela ordem de chegada das inscrições válidas. O início do curso para as primeiras turmas está previsto para a segunda quinzena de julho de 2020.

Para mais informações:
eadespmg.curso01@gmail.com
(31) 3291-4733 (WhatsApp)
(31) 3275-1440 (WhatsApp)

Webinário ESP-MG "Teleconsultas: Atendimento Virtual para Pacientes SUS MG"

Evento será transmitido via Canal da Escola no youtube, no dia 08 de julho.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) realizará no dia 08 de julho, próxima quarta-feira, às 17h30, o Webinário "Teleconsultas: Atendimento Virtual para Pacientes SUS MG". No evento, as convidadas, Maria Beatriz Lisboa (ESP-MG) e Cláudia Hermínia Lima (SES-MG), debaterão o projeto de telemedicina do estado para enfrentamento à Covid-19, as principais estratégias, desafios e acesso pela população.

A transmissão será realizada pelo Canal da ESP-MG no Youtube:

youtube.com/c/escolasaudepublicamg

Participantes poderão enviar perguntas para as convidadas pelo chat durante a transmissão. O Webinário terá acesso aberto pelo link, sem inscrição prévia.

Inscreva-se no Canal e ative as notificações para ser notificado sobre todos os eventos da Escola no youtube. 

Algoritmos oferecem ferramentas aos sistemas de saúde para o enfrentamento à covid-19

Os algoritmos também podem ajudar no enfrentamento à Covid-19, tendo por base critérios científicos ampliados.

Quando o assunto são os algoritmos, muitas pessoas já pensam logo em computadores e nas redes sociais digitais, mas você sabia que os algoritmos também podem auxiliar nas decisões na área de saúde e, em especial, no planejamento e na execução de medidas clínicas e assistenciais e até mesmo oferecer subsídios técnicos para a reabertura da economia na situação da pandemia da covid-19? É exatamente sobre isso que o Professor e pesquisador da Faculdade de Saúde Pública (FSP) e Diretor do Laboratório de Big Data e Análise Preditiva em Saúde da Universidade de São Paulo (USP), Alexandre Chiavegatto Filho, fala ao Canal de Podcast da Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG).

O professor Alexandre Chiavegatto e outros pesquisadores da FSP/USP estão desenvolvendo algoritmos para auxiliar no diagnóstico e no prognóstico da covid-19. Esses algoritmos "aprendem" a partir de dados sobre características dos pacientes. Mediante essas particularidades, o algoritmo consegue avaliar quem tem a probabilidade de ter diagnóstico positivo e também um prognóstico ruim, necessitando de leito de UTI ou até mesmo correndo o risco de morte. Chiavegatto e sua equipe estão realizando um estudo que tem como objetivo predizer o risco de diagnóstico positivo de covid-19, por meio da técnica de machine learning, ou aprendizado de máquina, tendo como base de dados, informações obtidas a partir resultados de exames de rotina, que já são realizados nos hospitais.

Os resultados do primeiro experimento com diagnósticos de covid-19 foram publicados na medRxiv, que é uma plataforma de artigos científicos em formato preprint (sem revisão por pares). Nela é possível apresentar estudos de forma imediata para análise da comunidade científica internacional, para posteriormente serem submetidos a uma revista científica especializada.

Alexandre Chiavegatto - Arquivo Pessoal.

Algoritmos e reabertura das atividades

Chiavegatto destaca que os algoritmos também podem auxiliar na avaliação do momento mais adequado para a reabertura das atividades. Tal medida deve considerar, de acordo com o professor, quais seriam as pessoas com baixo risco para contaminação por covid-19, ou no caso delas serem contaminadas, quais teriam pouca probabilidade de ter o quadro de saúde mais grave. De acordo com ele, dois cenários precisam ser analisados: o sem vacina e o com vacina.

O primeiro, sem vacina, é a realidade atual. "Em um cenário sem vacina, você deve liberar inicialmente para as pessoas com baixo risco de serem infectadas, aquelas que tenham trabalho e hábitos de vida que as colocam em baixo risco de serem infectadas e no caso de ocorrer uma contaminação, têm menor risco de precisarem de leito de UTI e irem a óbito. Por meio das características das pessoas, os algoritmos vão aprendendo o que pode acontecer com elas", explica.

No segundo cenário, com vacina, é importante considerar que será inviável produzir vacinas para toda a população brasileira de uma vez só. Nesse cenário, inverte-se a lógica, passam a ser priorizadas as pessoas mais vulneráveis ou mais expostas ao vírus, como profissionais de saúde, idosos e pessoas que atuam em serviços essenciais, como motoristas de ônibus, por exemplo. "Será preciso identificar quem são as pessoas de alto risco e também as pessoas que, se forem infectadas, vão ter um prognóstico grave. O que é isso? é um problema de predição, de adiantar qual o risco da pessoa ser infectada e se ela for infectada, ter um prognóstico negativo", detalha Alexandre.

Chiavegatto ressalta que estão buscando pesquisar o machine learning em diversos hospitais do país, públicos e privados, nas cinco regiões brasileiras, pois querem compreender como o algoritmo se comporta em realidades distintas. "Será que as decisões que eu tomo com um paciente em São Paulo, funcionariam da mesma maneira em Porto Alegre, ou em Belo Horizonte? A gente ainda não sabe, nunca foi feita essa pesquisa no Brasil de IA e agora com a covid-19 e essa mobilização nacional de profissionais e saúde na área científica, será uma oportunidade muito grande de conseguirmos fazer esses testes", acredita. 

Escute o PodCast e confira o conteúdo na íntegra: Clique aqui!

Conheça o Canal de Podcasts da ESP e ouça todos os conteúdos, aqui!

 

ESP-MG divulga resultado dos aprovados para a Especialização em Saúde Mental e atualiza cronograma do curso

O edital foi retificado e o início do curso será em 2021, devido a emergência em Saúde Pública causada pela Covid-19.

Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais publicou nesta terça-feira, 08 de julho, o resultado final da seleção de alunos para o curso de Especialização em Políticas de Saúde Mental e Atenção Psicossocial. Além do resultado, também foram divulgados os documentos de retificação do edital e de atualização do cronograma do curso, que precisou ser modificado em razão da pandemia da covid-19, que exige, no momento, a manutenção das medidas de distanciamento social necessárias ao controle da doença.

Dentre as principais mudanças no cronograma estão o período de realização da matrícula, que será de primeiro a cinco (05) de fevereiro de 2021, e o início das aulas, previsto para dois (02) de março de 2021.

Clique aqui e acesse a todos os documentos com as retificações no edital, alteração do cronograma e o resultado.

O curso
O curso tem como objetivo promover a formação crítica e reflexiva de trabalhadores do Sistema Único de Saúde (SUS), em Minas Gerais, para que possam atuar no âmbito da gestão e do cuidado em Saúde Mental a partir do paradigma da atenção psicossocial.

Foram aprovados um total de 40 candidatos para a Especialização, sendo que destas vagas, 20 foram destinadas para os trabalhadores de saúde mental da rede pública de saúde dos municípios mineiros atingidos por rompimento de barragens no Vale do Rio Doce ou no Vale do Rio Paraopeba. Já as demais vagas, foram para trabalhadores de saúde mental da rede pública de saúde de outros municípios.

A Telemedicina no cenário da covid-19 foi destaque de Webinário promovido pela ESP-MG

A telemedicina vem ganhando relevância nos tempos atuais, especialmente em razão da pandemia da covid-19.

A Escola de Saúde Pública de Minas Gerais (ESP-MG) promoveu nessa quarta-feira, 08 de julho, mais um Webinário, e desta vez o tema foi "Teleconsultas: Atendimento Virtual para Pacientes SUS MG". Para falar sobre o assunto, a convidada foi a Assessora de Parcerias em Saúde, da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Cláudia Hermínia Lima e Silva e a conversa foi conduzida pela trabalhadora da Escola, Maria Beatriz Monteiro de Castro, que atua na coordenação de políticas, planejamento e gestão de saúde. O Webinário também contou com a participação da Diretora Geral da ESP, Lenira de Araújo Maia, que destacou, em sua fala, a importância que a telemedicina vem ganhando nos tempos atuais, especialmente agora no cenário da pandemia da covid-19, em que os serviços de saúde são tensionados e, ao mesmo tempo, há necessidade de se evitar o deslocamento das pessoas para garantir o isolamento social.

A telemedicina envolve todo o ato médico, mediado por tecnologias para fins de assistência, pesquisa, prevenção de doenças e lesões e promoção de saúde. Em razão do cenário da pandemia da covid-19, o governo de Minas, por meio da SES-MG, lançou em 08 de maio, o aplicativo Saúde Digital MG – Covid 19. No Webinário, Cláudia Hermínia falou sobre o aplicativo e das possibilidades que a telemedicina oferece. Ela lembrou que recentemente foi sancionada a lei que libera o uso dessa modalidade em caráter emergencial em quaisquer atividades da área de saúde, enquanto durar a crise ocasionada pela covid-19. Para Cláudia, um dos principais objetivos do Saúde digital MG é permitir "que as pessoas possam ser assistidas pelas equipes de saúde, dentro de suas residências, com segurança, de modo a evitar deslocamentos às unidades de saúde", explicou.

Reprodução

Em relação ao perfil dos médicos que atuam na plataforma, eles são profissionais da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) e também do exército. Todos são qualificados, conforme os protocolos do Ministério da Saúde. Ela comentou que não foram retirados os médicos que atuavam na linha de frente, mas sim aqueles com mais de 60 anos, ou que tenham alguma comorbidade e em razão disso, não estavam podendo atuar diretamente nos hospitais. Todo paciente que recebe atendimento médico recebe, após 48 horas, uma ligação por vídeo do enfermeiro que acompanha o médico, esse profissional irá monitorar todos os casos e se houver necessidade, orienta o paciente a realizar novo agendamento com o médico. Na plataforma, os cidadãos também têm acesso a atendimento com psicólogos.

Sobre um dos principais desafios para o pleno aproveitamento dos serviços oferecidos pela plataforma, Cláudia Hermínia destacou o fato da informação ainda não chegar, ainda, em todos 853 municípios do estado e da importância da população compreender que o serviço funciona e que tem o direito de utilizar. "Como ainda trata-se de uma modalidade nova e tudo é muito inovador, esse tem sido nosso grande desafio".

Cláudia finaliza dizendo que os resultados têm sido muito positivos e que percebe um grande engajamento por parte dos profissionais. "Vendo os depoimentos de médicos e pacientes, percebemos que se estabelece um vínculo entre eles. No momento da consulta, o paciente se sente único, já que está ali sem interferências externas, que poderiam ocorrer em um serviço de saúde convencional, por exemplo. E esse vínculo é gratificante para os dois. Entendo que por meio da telemedicina também é extremamente viável gerar esse vínculo, essa empatia", completa.

Saúde digital MG- covid19

A plataforma, lançada em 08 de maio deste ano, foi pensada para auxiliar aos cidadãos a realizarem uma autoavaliação de saúde com foco na covid-19. O aplicativo tem uma navegação intuitiva e permite ao cidadão fazer o seu registro e também cadastrar outras pessoas. A ferramenta utiliza de inteligência artificial, sendo possível realizar uma autotriagem por meio de perguntas e respostas relacionadas ao atual estado de saúde.

Nesses dois meses de funcionamento, 16.897 pessoas já fizeram a triagem usando o aplicativo. Desse contingente, 44% foram classificados como outras suspeitas, e 56% diagnosticados com suspeita de covid-19. Dentre os casos suspeitos da doença, 7.593 foram caracterizados como improváveis; 911, sem gravidade e 697, com gravidade. Também estão cadastrados 87 profissionais de saúde e foram realizados 810 atendimentos por vídeo. O aplicativo já está disponível para download nas plataformas IOS e no Play Store. Clique aqui e tenha acesso a mais informações e o passo a passo para baixar e utilizar o aplicativo.

Quer ter acesso a essa conversa na íntegra? Clique aqui e assista ao Webinário, disponível no Canal da ESP-MG no Youtube.

O aplicativo foi lançado há dois meses e agora também está no IOS

Entre teorias e práticas: Lições Possíveis em um (con)texto de Educação Sanitária na formação da ESP-MG

Confira o texto "Lições possíveis em um (con)texto de Educação Sanitária" da trabalhadora Amanda Nathale a partir das suas vivências na ESP.

Em junho, a Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) completou 74 anos de história na formação de profissionais de saúde em Minas. Muitos destes, atuam em diversas partes do país. A ESP é a mais antiga escola de saúde pública em nível estadual do Brasil e surgiu num contexto, na década de 1940, em que a educação sanitária era urgente para o enfretamento e vigilância de doenças como a malária e o amarelão, dentre outras. Desde então, atua na qualificação de trabalhadoras e trabalhadores, iniciada com a formação de médicos e na década seguinte (1950) inclui outros profissionais, fundamentais na atuação em saúde, como as visitadoras sanitárias e dezenas de outros, ao longo das últimas sete décadas.

Aluna do curso de Visitador Sanitário da ESP-MG durante visita Domiciliar.

Em 2020, um das formações prioritárias da ESP-MG, e que diz muito sobre educação sanitária em tempos atuais, é a de Agentes Comunitários de Saúde, iniciada pouco depois da instituição deste profissional pelo Sistema Único de Saúde, na década de 1990.

Há exatamente um mês, no dia 11 de junho, comemorava-se o dia do Educador Sanitário. E como podemos reconhecer o papel do educador sanitário hoje, em meio a atuação de tantos profissionais de Saúde e de múltiplas formações?

Para debatermos um pouco a questão, convidamos a trabalhadora da escola, Amanda Nathale, para escrever um texto a partir das suas vivências de formação na ESP. Confira:

Lições possíveis em um (con)texto de Educação Sanitária

Desejo iniciar este texto sobre o Educador Sanitário remontando algumas memórias que me conectam com a data. Lembro-me de que, em 2017, a Assessoria de Comunicação da ESP-MG pediu-me para responder a algumas questões sobre o educador sanitário para uma publicação em comemoração ao dia 11 de junho. À época, eu estava estudando muito sobre educação em saúde, sob diferentes perspectivas teóricas, a partir das quais, escrevi, em minhas respostas, algumas apostas educativas para celebrar o Dia do Educador Sanitário. Hoje, pouco mais de três anos depois, surgiu um novo convite para a escrita de um texto sobre o Educador Sanitário. Para inspirar minha escrita, inevitavelmente, fui ler as respostas que, lá em 2017, considerei importante destacar sobre a educação sanitária e é a partir delas que hoje reconstruo a minha produção sobre o educador sanitário.

Lendo minhas respostas de 2017, percebo o risco que corremos quando as teorias que estudamos e em que acreditamos chegam primeiro em nossas comunicações. Digo isso, porque hoje, reencontrando com o texto que escrevi, percebo que os pressupostos teóricos que eu estudava à época guiaram a minha escrita, a minha [não] tentativa de comunicação com o leitor que se dispôs a saber algo sobre o educador sanitário. Minhas respostas de 2017 devem ter comunicado com muito poucas pessoas, porque deixei, em um descuido requintado, a teoria chegar primeiro. Está aqui uma primeira lição para pensarmos na figura de um "educador sanitário": se tem algo que precisa chegar primeiro em uma atuação educativa é a experiência, tanto do educador quanto do outro com quem se constrói uma relação educativa. Quando digo de experiência, refiro-me também aos inúmeros adjetivos que ela carrega: crenças, saberes, esperanças, misérias, medos, alegrias... Atuar em um contexto de educação sanitária pressupõe uma abertura às experiências que o outro – pessoas, famílias, comunidades, populações – vive e qualifica cotidianamente.

Minhas respostas de 2017, ao privilegiarem conceitos próprios do meu campo de leituras, por um puro requinte teórico, também me fizeram cair em um segundo risco que corremos quando não nos permitimos pensar sobre o outro com o qual construímos uma relação educativa: o de pressupormos um dado conhecimento prévio. Para compreender a maior parte do que escrevi em 2017, era necessária uma prévia aproximação com os conceitos a que recorri. Está aqui uma segunda lição para pensarmos na figura de um "educador sanitário": se tem algo de que precisamos cuidar em uma relação educativa são as pressuposições que carregamos sobre o outro com quem buscaremos dialogar. Neste caso, pressupor um conhecimento prévio do outro, ou seja, partir da suposição de que o outro tem os recursos necessários para compreender o que estou comunicando é construir uma relação educativa que já nasce excludente; uma relação que seleciona, de antemão, o seu interlocutor. Atuar em um contexto de educação sanitária pressupõe uma produção conjunta de compreensões e modos de diálogo, afinados com as experiências e com os conhecimentos próprios de cada um – pessoas, famílias, comunidades, populações.

Minhas respostas de 2017, ao expressarem conceitos restritos ao meu campo de leituras e indicarem a necessidade de um conhecimento prévio do outro, fizeram-me também cair em um terceiro risco que corremos quando permanecemos impermeáveis ao campo de experiências do outro: a relação educativa ficar centrada apenas nos interesses e nas necessidades do "educador". Está aqui uma terceira lição para pensarmos na figura de um "educador sanitário": se tem algo que precisamos pensar quando falamos de um contexto educativo é a necessária permeabilidade que precisamos construir ao universo do outro. Atuar em um contexto de educação sanitária pressupõe uma abertura aos interesses e às necessidades do outro – pessoas, famílias, comunidades, populações.

Essas três lições, por fim, guardam relação com a transformação da figura do educador sanitário ao longo do tempo... A figura do educador sanitário, ou melhor, da educadora sanitária (eram mulheres, em sua maioria) nasceu na década de 1920, em um contexto de crescimento de uma série de problemas, como fome, pobreza, más condições de moradia, epidemias, grandes taxas de mortalidade infantil. Com a necessidade de instituir novos modos de viver e outras formas de cuidar, houve um deslocamento na centralidade da política de saúde pública da época, que deixa de ser marcadamente policialesca e passa a enfatizar a formação da consciência sanitária da população*. É aí que nascem as educadoras sanitárias, entre marcas de vigilância e de educação...

Se corrermos uma lente acelerada no tempo, que atravessa a criação do nosso Sistema Único de Saúde (SUS) e repousa sobre a condição que temos hoje, é possível dizermos que a potência educativa, antes sustentada na figura da educadora sanitária, hoje, de algum modo, pode ser observada na figura da Agente Comunitária de Saúde (ACS), também de maioria feminina. O que isso tem a ver com as três lições comentadas neste texto?

Em 2017 (ô ano importante para este texto!), comecei a participar, na ESP-MG, da construção e do desenvolvimento de ações de educação e pesquisa junto às ACS do estado de Minas Gerais. A formação de ACS é objeto de atuação prioritária da ESP-MG e, especialmente, da Coordenação de Educação e Trabalho em Saúde, em que atuo. Desde 2017, muitos foram os municípios do estado que passamos a conhecer por meio do Curso de Qualificação de ACS, desenvolvido, sobretudo, nas regiões Norte e Nordeste de Minas... Pisando em terras secas, comecei a compreender as variadas realidades que compõem o cuidado à saúde nos municípios da ponta de cima do mapa. Em muitos, as ACS são o SUS possível ali; carregam consigo, em suas andanças, a possibilidade de acesso à saúde, a luta pela visibilidade das comunidades, a esperança na melhoria das condições de vida e de saúde da população e o cuidado, em cada visita domiciliar, do pequenino que habita o cotidiano. As ACS contam sobre a entrega de si às famílias, sobre o pertencimento acolhido e acolhedor que constroem na casa das pessoas, sobre a possibilidade de acompanharem e assistirem vidas que brotam, desabrocham, nascem, morrem, crescem, se esmagam, se potencializam... As ACS tornam-se cúmplices de uma realidade pouco confessada.

Amanda com ACS no Município de Francisco Sá - MG -2019

Há ainda hoje na atuação da ACS a marca da vigilância que veio com as educadoras sanitárias? Há sim! Mas há, sobretudo, a marca das lições que apresento neste texto: abertura às experiências do outro, produção conjunta de compreensões e modos de diálogo e permeabilidade aos interesses e às necessidades das pessoas. Minha experiência com as ACS, em minha atuação na ESP-MG, faz-me hoje olhar sem o afã teórico para os conceitos que estudo, dando-lhes sentido a partir de realidades intensamente vividas. As ACS, que guardam hoje um lugar de educação sanitária, muito me ensinaram e me ensinam sobre o que fazer com os nossos conhecimentos e com os conhecimentos dos outros e sobre o lugar de centralidade que as experiências das pessoas ocupam em seu trabalho... me ensinam sobre como entrar na casa – e na vida – das pessoas, sobre como ouvir e construir vínculo e confiança, centrais a qualquer relação educativa; me ensinam o que significa colorir possibilidades para um idoso abandonado, compreender o baixo peso de uma criança, acompanhar uma pessoa em um momento de dor, escutar quando mais nenhum ouvido se faz presente... me ensinaram... me ensinam... Não à toa este texto serve às lições aprendidas de 2017 até hoje.

Contadas essas experiências, para finalizar, quero recuperar uma ideia fundamental que eu trouxe em minhas respostas de 2017: a importância de não centralizarmos a educação sanitária no SUS em uma figura exclusiva como a ACS. É necessário e urgente fazermos crescer a potência educativa entre os diferentes profissionais de saúde do SUS. Precisamos talvez dizer menos de um educador sanitário e mais de uma potência educativa que precisa ser ampliada, discutida e trabalhada nos diferentes espaços do SUS.

Em 2020, para refletir sobre o papel do Educador Sanitário, convido-nos a pensar: que lições aprendemos com as nossas próprias experiências? Que lições aprendemos com os tantos outros do nosso SUS?

Amanda Nathale Soares **
Trabalhadora da CETS ESP-MG

(**) Graduada em Enfermagem pela UFMG, Especialista em Docência e Gestão do Ensino Superior pela PUC-MG. Mestrado, Doutorado e Pós Doutorado em Enfermagem pela UFMG – Linha de Pesquisa: Educação em Saúde e Enfermagem.

[*] ROCHA, H. H. P. A educação sanitária como profissão feminina. Cadernos Pagu, v. 24, p. 69-104, 2005.

Alunas do curso de Visitador Sanitário durante aula na década de 1960

Quer conferir as repostas da Amanda em 2017? Acesse aqui.

 

ESP-MG divulga resultado e amplia número de vagas do curso APS no Enfrentamento da Covid-19

Início do curso está previsto para dia 22 de julho no ambiente virtual de aprendizagem da Escola.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) informa o resultado das inscrições para a realização do curso Atenção Primária à Saúde no enfrentamento da COVID-19, na modalidade Educação a Distância. Foram recebidas mais de 2.500 (duas mil e quinhentas) inscrições de trabalhadores atuantes em mais de 500 municípios mineiros.

Considerando a importância da temática na qualificação de profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS), atuantes na Atenção Primária (APS), devido a emergência em saúde pública causada pela Covid-19, a equipe da ESP-MG, por meio da Assessoria de Educação à Distância (AEaD) e da Coordenação de Política, Planejamento e Gestão em Saúde (CPPGS), ampliou a oferta de 1.000 (mil) vagas, previstas inicialmente, para 2.340 (duas mil trezentas e quarenta). Isso significa que todos os candidatos inscritos, que atenderam aos critérios de seleção (inscrições válidas), serão contemplados com o curso.

Resultado:

Para fins de seleção, foi considerada a ordem de chegada das inscrições válidas que atenderam aos pré-requisitos: possuir experiência na Atenção Primária à Saúde; e residir no Estado de Minas Gerais. Clique para acesso às listas:

Resultado - Inscrições Válidas - Candidatos Selecionados para o Curso.
Resultado - Inscrições Não Válidas - Não atenderam aos Pré-requisitos.

Todos os candidatos selecionados serão matriculados no Ambiente Virtual de Aprendizagem da ESP para realizar o curso. O ingresso será por turmas, a partir do dia 22 de julho, até a primeira quinzena de agosto de 2020. Os contemplados receberão, via e-mail, todas as informações, como login e senha de acesso, ao longo desse período.

Mais informações: eadespmgcurso01@gmail.com
31 83218756 (Whatsapp)
31 32914733 (Whatsapp)

Especialização em Comunicação e Saúde da ESP-MG é destaque em artigo publicado na Reciis.

Artigo apresenta a trajetória do curso e discute a experiência da formação da ESP à luz do campo e teorias da Comunicação e Saúde.

O curso de pós-graduação, Especialização lato sensu, em Comunicação e Saúde da Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) é destaque em artigo publicado pela Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde (RECIIS), da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), edição 02/2020.

O artigo "Educação, Saúde Pública e Teoria da Comunicação: o curso de pós-graduação em Comunicação e Saúde da ESP-MG" é de autoria do Coordenador da Especialização e Assessor de Comunicação Social da Escola, Jean Alves, e da docente Cláudia Fonseca, responsável pela disciplina de Teorias da Comunicação de curso.

Na publicação, os autores apresentam a trajetória da especialização no contexto histórico e de formação da ESP-MG, a concepção das turmas e a construção do projeto pedagógico. A interface entre Comunicação e Saúde (CeS) a partir deste campo teórico-prático do conhecimento, seus interlocutores e contextos; e a relevância da disciplina de Teorias da Comunicação para os debates ao longo do curso, e na construção coletiva da qualificação de comunicadores e profissionais de saúde pela formação.

À luz da experiência do curso, o artigo discute conceitos do Campo da CeS, teorias e questões da comunicação como processo humano fundamental e as contribuições que, não só a qualificação de trabalhadores pela ESP, mas também, o fortalecimento da CeS traz às políticas públicas e à efetividade dos direitos à comunicação e à saúde.

Leia o artigo na íntegra: Clique aqui.

Acesse todo o conteúdo desta edição da Reciis, clique na imagem:

ESP-MG abre inscrições para curso de Cuidados Clínicos voltados para a SRAG

O curso, na modalidade EaD, com 30h, é destinado a profissionais de saúde que trabalham em UTIs com pacientes acometidos pela Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

A Escola de Saúde Pública de Minas Gerais (ESP-MG), em parceria com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) e a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), abre inscrições, a partir desta quinta-feira, 16/07, para o curso "Cuidados Clínicos na Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)". O curso tem carga horária de 30 horas e será ofertado na modalidade de educação a distância, no formato autoinstrucional (sem tutor) e com certificação para os concluintes. A previsão para início das aulas é o dia 23 de julho de 2020.

Os candidatos poderão se inscrever no período de 16/07 a 22/07/2020, por meio do preenchimento do Formulário Eletrônico. Para se inscrever, são necessários os seguintes requisitos: atuar em Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) e residir em Minas Gerais.

Clique aqui e acesse ao formulário de inscrição.

Serão disponibilizadas até 500 vagas para profissionais de saúde que estejam trabalhando em unidades de tratamento intensivo (UTIs) e serão preenchidas pela ordem de recebimento das inscrições válidas.

A proposta da capacitação é habilitar os profissionais de saúde para usarem as técnicas necessárias no tratamento de pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave, desde a entrada no hospital, até sua alta. O curso é destinado aos profissionais de saúde que estejam trabalhando em unidades de tratamento intensivo (UTIs) cuidando de adultos e crianças com formas graves de infecção respiratória aguda, incluindo pneumonia grave, síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA), septicemia e choque séptico.

Organização do Conteúdo

O curso tem carga horária de 30 horas e está estruturado em 14 módulos, conforme quadro abaixo:

quadro matéria curso srag

Lançamento oficial dos cursos e parcerias

Representantes do CONASS e da OPAS lançaram oficialmente, na quarta-feira, 15/07, por meio de cerimônia virtual, os cursos virtuais que têm como temática, a Covid-19. O representante do CONASS, Haroldo Pontes, abriu a cerimônia, destacando a importância da parceria e da necessidade da capacitação dos profissionais neste momento. Foram desenvolvidos e traduzidos quatro cursos e cada Escola de Saúde selecionou, a partir das peculiaridades de cada estado, o curso mais adequado para oferecer aos profissionais. Saiba mais sobre os outros cursos, clicando aqui.

Durante a cerimônia, Mônica Padilha, representante da OPAS e da OMS, comentou que a proposta dos cursos surgiu a partir de uma pergunta: como as Escolas podem contribuir neste momento de pandemia para resolver as grandes perguntas que foram colocadas pela covid-19? De acordo com ela, "a construção de capacidades foi a reposta".

Já a representante da OPAS e da OMS no Brasil, Socorro Gross, destacou relevância da iniciativa, o que ela considera fundamental, "realmente precisamos de talentos atualizados, fazendo as melhores práticas". Socorro Gross completou dizendo que "muito se tem falado sobre leitos, ventiladores e medicamentos, que são realmente muito importantes, mas a realidade é que a luta está sendo feita pelos trabalhadores e gestores que estão trabalhando dia e noite em cada canto do país", destacou.

Fechando a cerimônia, o Presidente do CONASS, Carlos Lula, destacou o poder transformador da educação. De acordo com ele, quando se promove educação, também se faz saúde pública, por meio das Escolas de Saúde. "Acredito que quando realizamos esses cursos, estamos transformando o Brasil, porque temos a possibilidade de oferecer diretrizes aos gestores estaduais e municipais. Essa parceria reforça o que já sabemos "é preciso mais ciência, mais saúde pública e ter mais cuidado com a vida das pessoas", concluiu.

Para mais informações sobre o curso:
eadespmg.curso01@gmail.com
(31) 3275-1440 (WhatsApp)

Próximo Webinário da ESP-MG debaterá a Gestão Hospitalar frente à pandemia da Covid-19.

O debate será transmitido pelo canal da ESP no Youtube no dia 22/07, às 18h30.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) realizará no dia 22 de julho, próxima quarta-feira, às 18h30, o Webinário " O Desafio da Gestão Hospitalar: lições aprendidas com a pandemia."

O objetivo do evento é apresentar e discutir como a gestão do Hospital Júlia Kubitschek (HJK), da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (FHEMIG), organizou-se para atender casos de Covid-19, administrar insumos, remanejar atendimentos e profissionais na pandemia, e quais os principais aprendizados para a gestores e profissionais que atuam em unidades hospitalares.

Os convidados são o Diretor do HJK, Samar Musse Dib, a Gerente Assistencial do HJK, Inessa Beraldo Bonomi e a Assessora Chefe de Parcerias em Saúde da SES-MG, Cláudia Hermínia Lima. A mediação será de Maria Beatriz Lisboa, Especialista em Políticas e Gestão da Saúde da ESP-MG.

A transmissão será realizada pelo Canal da Escola no Youtube:

youtube.com/c/escolasaudepublicamg

Participantes poderão enviar perguntas aos convidados pelo chat durante a transmissão. O Webinário terá acesso aberto pelo link, sem inscrição prévia.

Resultado: ESP-MG divulga os selecionados para o curso de Cuidados Clínicos na SRAG

A ESP-MG divulga nesta quinta-feira, 23/07, a lista dos candidatos selecionados para o curso de cuidados clínicos na SRAG.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) divulga nesta quinta-feira, 23/07, lista com os nomes dos candidatos que foram selecionados para participarem do Curso de Cuidados Clínicos na Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), em parceria com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) e a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), na modalidade Educação a Distância.

Clique aqui e acesse a lista.

Seriam disponibilizadas, até 500 vagas para profissionais de saúde que atuam em unidades de tratamento intensivo (UTIs), mas foram recebidas mais de 900 inscrições de trabalhadores oriundos de mais de 174 municípios mineiros. Assim, considerando a importância da temática na qualificação dos profissionais de saúde neste momento de pandemia da covid-19, a ESP-MG ampliou a oferta de vagas, contemplando a todos os candidatos que atenderam aos critérios de seleção preestabelecidos.

Sobre o curso
O curso tem carga horária de 30 horas e está estruturado em 14 módulos e tem como proposta capacitar e habilitar os profissionais de saúde para usarem as técnicas necessárias no tratamento de pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave, desde a entrada no hospital, até sua alta. O curso é destinado aos profissionais de saúde atuam em unidades de tratamento intensivo (UTIs) cuidando de adultos e crianças com formas graves de infecção respiratória aguda, incluindo pneumonia grave, síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA), septicemia e choque séptico.

A Assessoria de Educação a Distância (AEaD), informa que todos os contemplados serão matriculados no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) para realizar o curso a partir de hoje, 23/07/2020. O curso estará disponível até o dia 23/08/2020.

As informações para acesso ao AVA, como usuário e senha, serão encaminhadas por e-mail.


Dúvidas e outras informações:

Pelo e-mail: eadespmgcurso01@gmail.com ou pelo telefone: 31 3275-1440 (Somente WhatsApp)

 

ESP-MG realiza série de webinários para debater os saberes e práticas na Rede de Atenção Psicossocial do estado

Na próxima quarta-feira, 05/08, será o primeiro de três webinários, cujo objetivo é contribuir para o fortalecimento saúde mental em Minas.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais, em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), por meio da Diretoria de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas, promovem a série de webinários "Saberes e Práticas nas RAPS de Minas: A sustentação do cuidado em liberdade". Os webinários serão realizados em três encontros, sempre nas primeiras quartas-feiras do mês, às 15h. Abaixo as datas e temáticas:

Dia 05/08: Saúde Mental na Atenção Primária à Saúde: práticas para a sustentação do Cuidado.

Dia 02/09: Atenção na RAPS: Cuidado na crise, Cuidado na vida.

Dia 07/10: A participação dos usuários na produção do Cuidado.

 Na próxima quarta-feira, 05/08, às 15h, será o primeiro dos três webinários e nesse dia será discutido o tema: Saúde Mental na Atenção Primária à Saúde: práticas para a sustentação do Cuidado. Participarão do debate, a Professora do Departamento de Psicologia da UFMG, Claudia Maria F. Penido; a Diretora de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas da SES-MG, Lírica Salluz M. Pereira e a Psicóloga da Atenção Primária à Saúde do município de Jeceaba/ MG, Michelle de Almeida Cézar. A mediação será feita pela Referência em Saúde Mental da ESP-MG, Ana Regina Machado.

A transmissão será realizada pelo Canal da Escola no Youtube:
youtube.com/escolasaudepublicamg

Os webinários terão acesso aberto no youtube, sem necessidade de inscrição prévia. Mas, quem quiser receber certificado, deverá preencher um formulário de inscrição, que será disponibilizado por link, no chat, durante a transmissão. Todas as informações serão disponibilizadas no início e ao longo de cada evento.

De acordo com Ana Regina Machado, que é uma das responsáveis pela organização dos encontros, o objetivo é contribuir para o fortalecimento da atenção em saúde mental no SUS em um contexto marcado por desafios decorrentes da Covid- 19 e pela ameaça às conquistas sociais. Os webinários serão conduzidos por trabalhadores, docentes, usuários e gestores que promoverão diálogos e o compartilhamento de diferentes experiências sobre o cuidado em saúde mental na atenção primária, o cuidado em rede e a participação dos usuários dos serviços na produção do cuidado.

A Rede de Atenção Psicossocial – RAPS

As políticas de saúde mental no estado estão sustentadas nos princípios do Sistema Único de Saúde (SUS) e da Reforma Psiquiátrica antimanicomial e propõe uma rede de serviços públicos, substitutivos aos hospitais psiquiátricos e seus similares, conhecida como Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). A Rede de Atenção Psicossocial propõe um novo modelo de atenção em saúde mental, a partir do acesso e a promoção de direitos das pessoas, baseado na convivência dentro da sociedade. Além de mais acessível, a rede ainda tem como objetivo articular ações e serviços de saúde em diferentes níveis de complexidade. A RAPS, em sua composição, tem pontos estratégicos e prioritários na Atenção Primária em Saúde, Atenção Psicossocial e Atenção Hospitalar, entre outros.

Primeiro webinário sobre saúde mental discutiu o papel da atenção primária na sustentação do cuidado

ESP-MG promoveu nessa quarta-feira, 05/08, o primeiro de uma série de três webinários, que têm como objetivo debater a saúde mental no estado.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG), em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), por meio da Diretoria de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas, realizou na quarta-feira, 05/08, às 15h, o primeiro webinário sobre os saberes e práticas na Rede de Atenção Psicossocial do estado. Este primeiro faz parte de uma série de outros dois webinários, que irão acontecer nos meses de setembro e outubro, sempre na primeira quarta-feira do mês. O tema deste foi: "Saúde Mental na Atenção Primária à Saúde: práticas para a sustentação do Cuidado".

O webinário foi transmitido pelo youtube da ESP-MG e contou com 250 pessoas assistindo simultaneamente e interagindo pelo chat. Os participantes eram de várias partes de Minas Gerais e inclusive de outros estados e a participação ativa do público qualificou ainda mais a discussão. Participaram do webinário, a Professora do Departamento de Psicologia da UFMG, Cláudia Maria F. Penido; a Diretora de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas da SES-MG, Lírica Salluz M. Pereira e a Psicóloga da Atenção Primária à Saúde do município de Jeceaba/ MG, Michelle de Almeida Cézar. A mediação foi conduzida pela Referência em Saúde Mental da ESP-MG, Ana Regina Machado.

A Diretora Geral da ESP, Lenira de Araújo Maia, abriu o encontro e reforçou a pertinência do debate sobre a saúde mental, especialmente no momento atual que estamos enfrentando uma pandemia e vivenciando o isolamento social. "A gente mantém nosso espírito de colaboração e de trazer discussões que fortaleçam o SUS e os processos formativos e a nossa capacidade de atuar naquilo que é a nossa grande missão, que é a formação do trabalhador, das discussões sobre temáticas relevantes da saúde coletiva no país", completou. A Referência em Saúde Mental da ESP-MG, Ana Regina Machado ressaltou, durante a abertura, a importância dos encontros, da proximidade com os pacientes, que é o que viabiliza o cuidado, porque cria vínculos. Ela também pontuou que o desafio no momento é sustentar esse vínculo em condições de distanciamento social.

Saúde Mental na Atenção Primária
A temática desse webinário teve como intenção apresentar as práticas vivenciadas pelos profissionais da atenção primária no cuidado e acolhimento aos pacientes da saúde mental e para falar a respeito, a Psicóloga da Atenção Primária à Saúde do município de Jeceaba/ MG, Michelle de Almeida Cézar fez uma apresentação sobre a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). O município, que fica a 124 km da capital e conta com uma população de um pouco mais de 5 mil habitantes, dispõe de duas Equipes de Saúde da Família e a maior parte da população vive na zona rural. Michele comentou a iniciativa que estão desenvolvendo para garantirem acolhimento em livre demanda.

Assim, durante um dia da semana, os pacientes podem ser atendidos, sem marcação prévia e sem filas. Sobre o momento que estamos vivendo de pandemia, que dificulta a proximidade com os pacientes, ela disse que estão buscando algumas estratégias, como por exemplo, ligar para eles e também conversar por meio de aplicativos para acompanhá-los. Sobre o papel da atenção primária na saúde mental, Michelle Cézar destacou que é necessário "pensar na importância da atenção básica como a ordenadora do cuidado, como o espaço das tecnologias leves, das relações e que vai exigir a criatividade no manejo das muitas situações", explicou.

A Diretora de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas da SES-MG, Lírica Salluz, salientou em sua fala que é necessário perceber o cuidado em saúde mental como uma ação multiprofissional. "Todos os profissionais de saúde podem fazer um acolhimento. Claro que há algumas especificidades, mas a premissa do acolhimento é a premissa da saúde. Ele não tem hora pra acontecer", pontuou. Já a Professora do Departamento de Psicologia da UFMG, Cláudia Penido enfatizou a potência da atenção primária à saúde para viabilizar o cuidado do paciente, isso porque esse nível de atenção à saúde é o que está mais próximo de onde vivem e circulam os pacientes. Ela também realçou a importância do acolhimento ao paciente. De acordo com ela, o acolhimento é uma ferramenta capaz de construir e sustentar vínculos entre os profissionais e os usuários.

Quer ter acesso a essa conversa na íntegra? Clique aqui e assista ao Webinário, disponível no Canal da ESP-MG no Youtube.

Próximos webinários
Os webinários têm acesso aberto no youtube, sem necessidade de inscrição prévia e os próximos acontecerão em setembro, no dia 02; e em outubro, no dia 07, sempre às 15.

Dia 02/09: Atenção na RAPS: Cuidado na crise, Cuidado na vida.
Dia 07/10: A participação dos usuários na produção do Cuidado.

A transmissão é realizada pelo Canal da Escola no Youtube:
youtube.com/escolasaudepublicamg

Triângulo do Norte avança para a onda vermelha; restante do estado segue na onda roxa até dia 11/4

Após um mês na fase mais rígida do Minas Consciente, macrorregião apresentou melhora nos indicadores;nas demais índices continuam preocupantes.

Depois de passar cerca de 30 dias na onda roxa do Minas Consciente, a macrorregião de Saúde Triângulo do Norte, primeira a ser inserida na fase mais restritiva do plano, apresentou melhora em todos os indicadores relacionados à covid-19 e pode avançar para a onda vermelha. A decisão, tomada na quarta-feira (31/3), pelo Comitê Extraordinário Covid-19 - grupo que se reúne semanalmente para avaliar a evolução da pandemia no estado - e passa a valer a partir de do dia 5/4.

As outras localidades ainda não apresentaram uma queda sustentada na taxa de óbitos e de ocupação em leitos de UTI e, por isso, deverão seguir as medidas mais restritivas pelo menos até 11 de abril. As medidas são reavaliadas a cada sete dias pelo Comitê.

Durante a reunião, o governador Romeu Zema destacou que o momento ainda é difícil e pede cautela para preservar vidas. "Tivemos mais uma semana de recorde, tanto no Brasil quanto em Minas. Infelizmente, os números de óbitos e a taxa de ocupação de leitos está subindo na maior parte das regiões. Seguimos com os esforços para ampliar leitos, apesar da falta de recursos, principalmente humanos, e, mais recentemente, de insumos. Contamos com o apoio da população para superarmos essa fase o quanto antes", afirmou.

Números

Na última semana, Minas Gerais apresentou aumento de 6,9% no número de casos e de 8,1% nos óbitos. A incidência da doença cresceu 20% nos últimos 7 dias e 41% em 14 dias.

A positividade atualmente é de 43%, o que significa que esse é o percentual de resultados positivos para covid-19 entre pacientes com sintomas gripais.

A incidência da doença também vem aumentando em cidades com menos de 30 mil habitantes. Atualmente, são apenas 93 municípios desse porte com menos de 50 casos a cada 100 mil habitantes nos últimos 14 dias. Na última semana, o número era de 141.

Impacto da onda roxa
Com a ampliação do distanciamento social e as medidas restritivas de circulação proposto pela onda roxa, a expectativa é aumentar o isolamento da população e, consequentemente, diminuir a notificação de casos suspeitos. "Essa diminuição de casos positivos permite queda na incidência e, consequentemente, melhora a taxa de ocupação na rede hospitalar e, por final, dos óbitos. É o que se espera da onda roxa", afirmou o secretário adjunto de Saúde, André Luiz Moreira dos Anjos, durante a reunião do Comitê.

A evolução do Triângulo do Norte para a onda vermelha do Minas Consciente ocorreu após a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) identificar queda de 18% na taxa de incidência nos últimos 14 dias na macrorregião. Já na última semana, essa queda foi de 3%, demonstrando uma melhora nos indicadores da região após a adesão da população à onda roxa, desde 3 de março.
Com relação à variação no número de internações na macrorregião Triângulo do Norte, os índices caíram de 14,04% para 6,42% nas últimas três semanas, registrando o menor indicador entre as regiões mineiras.

Microrregião

A microrregião de Patos de Minas, que pertence à macrorregião Noroeste, uma das primeiras a ser incluída na onda roxa, também respondeu positivamente, podendo evoluir, agora, para a onda vermelha. Houve queda de 35% na taxa de incidência e a taxa de ocupação da UTI adulto exclusivo para paciente covid está em 87%. A macrorregião Noroeste, no entanto, não obteve o mesmo êxito e se mantém na fase mais restritiva do plano Minas Consciente.

Isolamento

Na última semana, a adesão ao isolamento social em Minas subiu de 39% para 46,67%. O reflexo disso foi a redução na notificação de casos suspeitos, o que confirma a expectativa do Governo de Minas de que, em breve, haja queda no número de internações e também nos óbitos. Apesar disso, o isolamento social o estado ainda está abaixo da média do país, de 49,15%.

Medicamentos e cirurgias eletivas

Ainda durante a reunião desta quarta-feira (31/3), o Comitê Extraordinário Covid-19 aprovou a alteração nas deliberações que tratam do fornecimento de medicamento e marcação de cirurgias eletivas na rede privada.

Em relação aos medicamentos necessários para intubação, os hospitais particulares deverão informar à Secretaria de Estado de Saúde sobre os estoques de tais insumos. Até agora, a obrigatoriedade era somente para as instituições hospitalares públicas, filantrópicas e contratualizadas com o SUS.

Já as cirurgias eletivas deverão ser suspensas na rede privada, dada a escassez geral de medicamentos de intubação em nível nacional e a ocupação elevada de leitos. A medida já havia sido adotada pela rede pública.

Vacinação

Entendendo que a vacinação é a forma mais efetiva de conter o avanço da pandemia e minimizar os danos econômicos provocados pelo isolamento social, a Secretaria de Estado de Saúde, em parceria com o Ministério Público Estadual e a Defensoria Pública, fará um estudo dos municípios que ainda estão com estoque acumulado de vacinas. O objetivo é auxiliar na logística e acelerar o processo de imunização nas cidades, uma vez que a aplicação das doses é de responsabilidade das prefeituras.

Com a permissão do Ministério da Saúde para que os estoques sejam integralmente utilizados na aplicação da primeira dose do imunizante, a expectativa do Governo de Minas é intensificar o processo ainda neste mês e ampliar o número de doses aplicadas.

Onda vermelha

Nesta fase do Minas Consciente, a onda vermelha permite o funcionamento de todas as atividades, desde que cumpram algumas regras, como distanciamento e limitação máxima de pessoas.

Unidades Regionais de Saúde recebem mais de 1 milhão de doses contra covid-19

Maior operação de vacinação da história de Minas Gerais amplia grupo prioritário e inclui Forças de Segurança.

Mais de 1 milhão de vacinas contra a covid-19 chegam, nesta segunda-feira (5/4), às 28 Unidades Regionais de Saúde do estado com a entrega da 11ª remessa de imunizantes enviada pelo Ministério da Saúde (MS). A distribuição aos municípios está prevista para terça-feira (6/4), dando continuidade a esta que é a maior operação de vacinação da história de Minas Gerais.
A logística, que permitirá a todos os 853 municípios dar continuidade à execução de suas campanhas de vacinação, conta com apoio das Forças de Segurança do estado. Aeronaves do BOA (Batalhão de Operações Aéreas) dos Bombeiros e efetivo terrestre da Polícia Militar atuam no transporte e escolta dos insumos para que toda operação aconteça de forma ágil e segura.
O primeiro voo saiu às 9h, do Aeroporto da Pampulha, e a previsão é que até 14h todo o quantitativo seja entregue às URS. A partir daí os municípios devem buscar as vacinas e podem dar prosseguimento imediato à vacinação da população.

créditos: Lila Alves/SES-MG

Ao todo, são 1.016.650 doses - sendo 943.400 doses da Coronavac e outras 73.250 da AstraZeneca. Segundo orientação do Programa Nacional de Imunizações, a CoronaVac será utilizada para iniciar a imunização de 6% dos profissionais das Forças de Segurança, conforme determinado pelo Ministério da Saúde. Será, ainda, usada para aplicar a primeira dose em 1,26% da população entre 65 e 69 anos e como segunda dose em 7% dos trabalhadores da Saúde, 87% da população entre 75 e 79 anos, e 80,4% da população entre 70 e 74 anos. Já os imunizantes da AstraZeneca serão aplicados como segunda dose para 10,2% aos trabalhadores da Saúde.

Prioridade
No grupo prioritário das Forças de Segurança estão os trabalhadores envolvidos em atendimento e transporte de pacientes, resgates e atendimento pré-hospitalar, ações de vacinação contra covid-19 e de vigilância das medidas de distanciamento social, com contato direto e constante com o público, independentemente da categoria.
Confira aqui a planilha com o detalhamento das entregas

URS que receberão as vacinas em seus aeroportos em 5/4:
- SRS Alfenas
- SRS Diamantina
- SRS Governador Valadares
- SRS Juiz de Fora
- SRS Manhuaçu
- SRS Montes Claros
- GRS Pedra Azul (Pouso em Jequitinhonha)
- SRS Pouso Alegre
- GRS São João del-Rei
- SRS Teófilo Otoni
- SRS Uberlândia
- GRS Unaí
URS que retirarão as vacinas em aeródromo de URS polo:
- SRS Barbacena
- SRS Coronel Fabriciano
- GRS Ituiutaba
- GRS Januária
- GRS Leopoldina
- SRS Passos
- SRS Patos de Minas
- GRS Pirapora
- SRS Ponte Nova
- GRS Ubá
- SRS Uberaba
- SRS Varginha
URS que irão retirar vacinas na Central Estadual de Rede de Frio:
- SRS Belo Horizonte
- SRS Divinópolis
- GRS Itabira
- SRS Sete Lagoas

Remessas recebidas
-1ª remessa
577.480 doses da CoronaVac em 18/1/2021
-2ª remessa
190.500 doses de AstraZeneca em 24/1/2021
-3ª remessa
87.600 doses da CoronaVac em 25/1/2021
-4ª remessa
315.600 doses da CoronaVac em 7/2/2021
-5ª remessa
220.000 doses da AstraZeneca e 137.400 doses da CoronaVac em 23/2/2021
-6ª remessa
285.200 doses da CoronaVac em 3/3/2021
-7ª remessa
303.600 doses da CoronaVac em 9/3/2021
-8ª remessa
509.800 doses de CoronaVac em 17/3/2021
-9ª remessa
86.750 doses da AstraZeneca e 455.800 doses da CoronaVac em 20/3/2021
-10ª remessa
116.600 doses de AstraZeneca e 359.000 doses de CoronaVac em 26/3/2021
-1ª remessa
73.250 doses de AstraZeneca e 943.400 doses de CoronaVac em 1/4/2021
Total: 4.661.980 doses

Macro Triângulo do Sul e três microrregiões podem avançar para a onda vermelha na próxima segunda (12/4)

Comitê Covid também decretou o fim do toque de recolher na onda roxa, mas restringiu retiradas em balcão.

A macrorregião de Saúde Triângulo do Sul e as microrregiões de São Gotardo, Montes Claros/Bocaiúva e Taiobeiras devem avançar para a onda vermelha do plano Minas Consciente. A decisão será publicada no Diário Oficial nesta quinta-feira (8/4). No entanto, as localidades serão monitoradas pela Secretaria de Estado de Saúde até a próxima sexta-feira (9/4) para garantir que não haja piora nos indicadores da covid-19. Somente será permitido o avanço a partir de segunda (12/4) caso o cenário positivo se mantenha favorável. As demais regiões do estado devem seguir, por mais uma semana, as medidas decretadas na semana passada. Triângulo do Norte permanece na onda vermelha e as outras 12, na roxa.

A decisão foi tomada nesta quarta-feira (7/4) pelo Comitê Extraordinário Covid-19, grupo que se reúne semanalmente para avaliar a situação da pandemia no estado. Ainda durante o encontro virtual, o Comitê – que conta com integrantes da Assembleia Legislativa, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, do Ministério Público, da Associação Mineira dos Municípios e da Defensoria, entre outros órgãos – optou por alterar a norma que restringe a circulação de pessoas das 20h às 5h e proíbe reuniões familiares durante a onda roxa do plano Minas Consciente, decretando o fim das duas medidas.

A suspensão atende a um acordo judicial feito pelo Governo de Minas na última segunda-feira (5/4), após o deputado estadual Bruno Engler questionar a constitucionalidade das medidas. Apesar do fim da proibição, o governador Romeu Zema reitera que o Estado desaconselha qualquer tipo de aglomeração ou trânsito desnecessário durante a pandemia. "Essas medidas não serão mais obrigatórias, mas é essencial que todos façam a sua parte para conseguirmos reduzir a propagação do vírus Precisamos que a população mantenha todos os cuidados, use máscara e evite aglomerações para conseguirmos sair disso o mais rápido possível", destacou.

Gil Leonardi/Imprensa MG

Resultados

O governador ressaltou que os números já apontam para o resultado positivo das medidas mais restritivas impostas pela onda roxa e que o esforço da população terá reflexo na queda no número de óbitos.

"Temos observado resultado positivo nos números das regiões que entraram na onda roxa há mais tempo, o que permite deduzir que as demais regiões, em breve, também terão queda no número de casos. Essa queda, em um segundo momento, se refletirá na diminuição no número de internações e, em um terceiro momento, levará à queda no número de óbitos", explicou.

Números

Na última semana, Minas Gerais registrou aumento de 5,2% nos casos de covid-19 e 7,8% nos óbitos decorrentes da doença. A taxa de isolamento em Minas, na última semana, foi de 46,3%. Já no Brasil, ficou em 49,94%. A incidência da covid-19 em Minas Gerais caiu 21% nos últimos 14 dias e 6% nos últimos 7 dias.

Restrições

Para compensar o fim da restrição de circulação de pessoas e da proibição de reuniões familiares, a norma que prevê medidas mais rígidas durante a onda roxa passa a proibir a retirada em balcão em todo o comércio não essencial, das 20h às 5h. Assim, estabelecimentos como bares e restaurantes só poderão funcionar em formato de delivery neste horário. Supermercados e padarias, por outro lado, terão o horário de funcionamento ampliado até as 22h, para reduzir a circulação de pessoas no pico.

Conforme o secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccheretti, o objetivo das medidas é evitar aglomerações. "As mudanças não terão impacto na efetividade da onda roxa, porque a restrição de circulação de forma isolada não tem impacto direto. O que realmente queremos é evitar aglomerações. Por isso a decisão de fazer com que serviços não essenciais, principalmente bares, não vendam produtos em balcão para evitar concentração de pessoas na porta. Também recomendamos cuidado até mesmo durante uma reunião familiar, em função do risco de contágio", esclareceu.

Ele também ressaltou que a taxa de isolamento cresceu após a implantação da onda roxa no estado e que, apesar do aumento no número de óbitos, as restrições já se refletem em queda na incidência da covid-19. "Conseguimos uma taxa de isolamento crescente desde a semana 11, quando a onda roxa foi implementada em todo o estado. Mesmo assim, é um pouco lenta a queda na incidência, mas nos locais em que foi implementada primeiro temos tido sucesso. Os óbitos ainda estão subindo, mas isso não significa que estamos caminhando para a piora. O óbito é o último indicador a subir e reflete o colapso que vivenciamos em março e começo de abril. A tendência importante é o número de casos novos, incidência e ocupação. Já sentimos melhora nesses indicadores", afirmou.

Onda vermelha

Nesta fase do Minas Consciente, a onda vermelha permite o funcionamento de todas as atividades, desde que cumpram algumas regras, como distanciamento e limitação máxima de pessoas. Devido à melhora da incidência e menor pressão por leitos, a macrorregião Triângulo do Norte e a microrregião de Patos de Minas avançaram para essa fase na semana anterior (31/3) e serão mantidas nesta semana, conforme decisão do Comitê Extraordinário Covid-19 nesta quarta-feira (7/4).

A macrorregião Triângulo do Sul e as microrregiões de São Gotardo, Montes Claros/Bocaiúva e Taiobeiras apresentaram melhora nos indicadores e poderão avançar para a onda vermelha. Entretanto, serão monitoradas até a próxima sexta-feira (9/4), podendo voltar para onda roxa caso haja piora nos indicadores. Todas as outras regiões do estado seguem na onda roxa. A evolução é acompanhada semanalmente pelo Comitê Extraordinário Covid-19.

Como funciona a progressão de onda
Para definir o avanço de uma macrorregião para um nível mais flexível do Minas Consciente ou a adoção de medidas mais restritivas, o Comitê Extraordinário Covid-19 se baseia em um sistema de pontuação da localidade, elaborado com base nos dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG).

Considerando indicadores como taxa de incidência, positividade, ocupação de leitos e grau de risco, a macrorregião atinge uma pontuação de 0 a 32, sendo:

- Até 12 pontos: onda verde;
- Entre 13 e 19 pontos: onda amarela;
- 20 pontos ou mais: onda vermelha;
- Avaliação excepcional: onda roxa (criada para restabelecer a capacidade assistencial).

Atualmente, todas as macrorregiões mineiras registram mais de 20 pontos e, por isso, ainda é necessária a manutenção da onda roxa na maior parte do estado. A possibilidade de avanço para a onda vermelha depende de uma avaliação constante e criteriosa desses indicadores, para garantir que a flexibilização não coloque em risco a saúde da população. Veja abaixo a pontuação das macrorregiões nesta semana:

Centro - 29
Centro-Sul - 30
Jequitinhonha - 23
Leste - 30
Leste do Sul - 30
Nordeste - 27
Noroeste - 28
Norte - 26
Oeste - 28
Sudeste - 30
Sul - 29
Triângulo do Norte - 28
Triângulo do Sul - 29
Vale do Aço - 30
Minas Gerais - 29

Aviso de Licitação - Pregão eletrônico para contratação de serviços gráficos de impressão

A sessão do pregão iniciará no dia 22/04/2021, às 10h.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) comunica o Pregão Eletrônico número: 1541003 - 04/2021.

Objeto: contratação de serviços prestados por empresa especializada em serviços gráficos de impressão, conforme especificações constantes no Anexo I - Termo de Referência, e de acordo com as exigências e quantidades estabelecidas no edital e seus anexos.

Acesse aos arquivos do pregão:

>Edital

Abertura: A sessão do pregão iniciará no dia 22/04/2021, às 10h, no site: www.compras.mg.gov.br

Dúvidas poderão ser encaminhadas para o e-mail: compras@esp.mg.gov.br

 

Campanha de vacinação contra a gripe começa nesta segunda-feira (12)

A campanha, que vai do dia 12 de abril a 9 de julho, foi dividida em etapas para evitar aglomeração nas salas de vacinação.

A 23ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza inicia nesta segunda-feira (12/4) com a meta de imunizar 90% do público prioritário, composto por aproximadamente 8,4 milhões de pessoas em Minas Gerais. Até o dia 9/4, o Ministério da Saúde encaminhou ao estado 663.800 doses, que já estão sendo distribuídas para as 28 Unidades Regionais de Saúde.
Dividida em três fases, a campanha tem como objetivo evitar aglomerações nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e favorecer o planejamento dos municípios para atender os grupos prioritários. De acordo com a coordenadora estadual do Programa de Imunizações da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais  (SES-MG), Josianne Dias Gusmão, a primeira etapa ocorrerá entre os dias 12 de abril e 10 de maio e está direcionada à imunização de crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes e puérperas, povos indígenas e trabalhadores da saúde.

"Se, no momento da vacinação, a pessoa estiver incluída no grupo prioritário para a imunização contra a covid-19 e, também, para Influenza, a recomendação é que seja priorizada a vacinação contra o novo coranavírus. O reagendamento para a imunização contra a gripe deverá ser programada para 14 dias após a aplicação da dose contra a covid-19. "O intervalo entre as duas vacinas é necessário para que seja possível avaliar algum evento adverso referente a cada imunizante. Caso a pessoa vacinada apresente algum sintoma, será possível identificar a vacina administrada", orienta Josianne.
Segundo a coordenadora, a vacina contra a gripe, assim como a da covid-19, reduz as complicações, internações e a mortalidade decorrentes das infecções pelas duas doenças, por isso é fundamental que os públicos prioritários compareçam às Unidades Básicas de Saúde nas etapas programadas.

Créditos: Marcus Ferreira/SES-MG

Idosos e professores
A segunda fase da campanha começa no dia 11 de maio e vai até o dia 8 de junho, tem como foco os idosos com mais de 60 anos e professores das escolas públicas e privadas. "A inclusão dos idosos nesta etapa tem o objetivo de possibilitar maior tempo para a imunização desse grupo contra a covid-19 e ocorrer o intervalo mínimo de 14 dias, prazo preconizado entre as duas vacinas", reforça Josianne Gusmão.

Última etapa
Já na terceira e última fase, que inicia em 9 de junho, deverão receber a vacina as pessoas com comorbidades, pessoas com deficiência, trabalhadores de transporte coletivo, portuários, forças de segurança e salvamento, forças armadas, funcionários do sistema de privação de liberdade, população privada de liberdade e adolescentes e jovens em medidas socioeducativas.
A campanha será encerrada no dia 9 de julho e as etapas ocorrerão simultaneamente em todos os municípios mineiros. "A vacina contra a influenza é a medida de prevenção mais importante para proteger contra o agravamento da doença, como hospitalizações e óbitos. Principalmente, nesse momento de pandemia, em que os serviços de saúde estão sobrecarregados por causa da covid-19", alerta Josianne Gusmão.

Recomendações para a aplicação das doses diante dos casos da covid-19
Diante dos casos da covid-19, a orientação da SES-MG é para que os municípios organizem suas salas de vacinação e desenvolvam estratégias de vacinação de modo que não haja aglomeração. Cada município terá autonomia para definir conforme a própria realidade e cenário epidemiológico. Contudo, é recomendada a organização dos processos de trabalho das equipes. 

Entre as estratégias que podem ser adotadas está a organização das UBS com horário de funcionamento estendido, para assegurar o acesso da população à vacina durante todo o horário do serviço. Outra recomendação é a disponibilização de um local específico na unidade de saúde para vacinação contra a gripe, de modo que não prejudique os demais atendimentos e nem a campanha de vacinação contra a covid-19.
É indicado uma triagem, principalmente, no momento da identificação do usuário, para avaliar situações de adiamento, precauções gerais, contraindicações em relação à vacinação e manter uma comunicação com a equipe da vigilância do município para o rastreamento e monitoramento de casos suspeitos de doenças respiratórias. "Essas são algumas recomendações para que os municípios realizem a campanha de vacinação de forma segura e tenha redução do risco de disseminação da covid-19", finaliza a coordenadora estadual de Imunizações da SES-MG, Josiane Gusmão.

ESP-MG realiza Webinário sobre as experiências de Educação permanente em saúde no SUS

O evento encerrará a 39ª turma de Especialização em Saúde Pública com debates e lançamento de livro do curso.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) vai promover no dia 20/04, terça-feira, às 17h30, o Webinário: "Quando a experiência move a formação para o SUS: a força da Educação Permanente em Saúde". O encontro foi preparado para marcar o encerramento da 39ª Turma do Curso de Especialização em Saúde Pública da Escola e também lançar o livro, da editora ESP-MG, "Tecendo experiências no SUS: narrativas de profissionais da Saúde Pública de Minas Gerais".

O livro é de autoria dos alunos da turma e foi organizado pelas docentes coordenadoras da formação, Amanda Nathale Soares e Thaís Lacerda e Silva.

A transmissão do evento será realizada pelo Canal da Escola no Youtube:
youtube.com/escolasaudepublicamg

O webinário contará com a participação de profissionais, que irão debater sobre educação permanente. Participam do encontro: Flávia Gazzinelli (UFMG), falando sobre "Experiência como categoria conceitual para a formação de trabalhadores do SUS"; Rosa Gouvêa de Sousa (UFSJ), que abordará o tema: "Por que a Educação Permanente em Saúde como dispositivo para a formação de trabalhadores do SUS e para o SUS?" E Rosa Maria Pinheiro de Souza (ENSP/Fiocruz), que vai apresentar sobre o papel da Rede Brasileira de Escolas de Saúde Pública (RedEscola) no fortalecimento da formação de trabalhadores do SUS. A mediação será feita pela trabalhadora da ESP-MG e docente do curso, Amanda Nathale Soares.

O Webinário será aberto ao público e os participantes poderão enviar perguntas às convidadas pelo chat durante a transmissão. Haverá declaração de participação para quem fizer o registro da presença no evento. O link será disponibilizado no início do Webinário.

Especialização em saúde pública
O curso de Especialização em Saúde Pública é a oferta educacional mais tradicional da ESP-MG e tem como objetivo possibilitar a formação crítico-reflexiva de trabalhadores do Sistema Único de Saúde (SUS), na perspectiva da Educação Permanente em Saúde, com ênfase no desenvolvimento de práticas interprofissionais para o fortalecimento do SUS. Em 2017 recebeu da Agência de Acreditação Pedagógica vinculada à Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO), o certificado de excelência na formação de sanitaristas do SUS.

A 39 ª turma buscou enfatizar a educação interprofissional e contou com a parceria da Rede Brasileira de Escolas de Saúde Pública - Redescola. A turma foi composta por 37 alunos, profissionais de 12 municípios do estado, atuantes na gestão, atenção e cuidado em Saúde.

Estado mantém avanço da macro Triângulo do Sul e de três microrregiões para a onda vermelha na próxima segunda (12/4)

Secretaria de Saúde aprovou, ainda, o avanço de outras quatro microrregiões, diante da melhora dos indicadores.

O Governo de Minas vai manter a decisão de avançar a macrorregião de Saúde Triângulo do Sul e as microrregiões de São Gotardo, Montes Claros/Bocaiúva/Francisco Sá/Coração de Jesus e Taiobeiras para a onda vermelha do plano Minas Consciente, a partir da próxima segunda-feira (12/4). A decisão foi tomada pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) nesta sexta-feira (9/4), após avaliação de que os indicadores, como taxa de incidência da covid-19 e ocupação de leitos, apresentaram melhora sustentada nas localidades.
A secretaria também aprovou, nesta sexta-feira, o avanço de outras quatro microrregiões: João Pinheiro, Unaí, São Sebastião do Paraíso e Guaxupé. Elas também poderão avançar para a onda vermelha na próxima segunda-feira.
As demais regiões do estado devem seguir, até o dia 18/4, as medidas decretadas na semana passada. Triângulo do Norte permanece na onda vermelha e as outras 12, na roxa.
Na última quarta-feira (7/4), o Comitê Extraordinário Covid-19, grupo que se reúne semanalmente para avaliar a situação da pandemia no estado, indicou o avanço da macrorregião Triângulo do Sul e de três microrregiões, mas a Secretaria de Saúde monitorou a situação para garantir que o cenário positivo se manteria favorável, possibilitando a abertura segura de mais atividades nos municípios. A Secretaria de Saúde continuará acompanhando os dados para regressão à onda roxa de forma imediata, em caso de necessidade.

Onda vermelha

Nesta fase do Minas Consciente, a onda vermelha permite o funcionamento de todas as atividades, desde que cumpram algumas regras, como distanciamento e limitação máxima de pessoas.

Devido à melhora da incidência e menor pressão por leitos, a macrorregião Triângulo do Norte e a microrregião de Patos de Minas avançaram para essa fase na semana anterior (31/3) e serão mantidas nesta semana, conforme decisão do Comitê Extraordinário Covid-19 na última quarta-feira (7/4).

A macrorregião Triângulo do Sul e as microrregiões de São Gotardo, Montes Claros/Bocaiúva e Taiobeiras também apresentaram melhora nos indicadores e poderão avançar para a onda vermelha. A decisão foi mantida pela Secretaria de Estado de Saúde nesta sexta-feira (9/4).

Além disso, a secretaria permitiu o avanço das microrregiões João Pinheiro, Unaí, São Sebastião do Paraíso e Guaxupé, também na próxima segunda-feira (12/4).

Todas as outras regiões do estado seguem na onda roxa. A evolução é acompanhada semanalmente pelo Comitê Extraordinário Covid-19.

Imunização contra covid-19 só é efetiva após receber as duas doses da vacina

Cerca de 89 mil mineiros perderam o prazo para receber a segunda injeção e devem procurar imediatamente posto de saúde mais próximo.

Cerca de 89 mil mineiros já deveriam ter tomado a segunda dose da vacina contra a covid-19, conforme dados do Ministério da Saúde. O prazo para receber a segunda aplicação do imunizante deve ser informado no cartão de vacinação no dia do recebimento da primeira dose, de acordo com orientação da Secretaria de Estado de Saúde (SES/MG).

A diretora de Vigilância de Agravos Transmissíveis da SES, Janaína Fonseca, explica que todos os estudos referentes à eficácia das vacinas AstraZeneca e Coronavac, as duas aplicadas no estado, levam em conta as duas doses do imunizante e, portanto, não é comprovada a eficácia com apenas uma única dose. "Essas informações estão, inclusive, na bula dos medicamentos. Se a pessoa esqueceu ou atrasou, não existe um prazo máximo para considerar que perdeu a primeira dose, mas tem que buscar o mais rápido possível a unidade de Saúde mais próxima para colocar essa dose em dia", orienta.

É responsabilidade dos municípios orientar os profissionais encarregados da vacinação sobre a necessidade de escrever no cartão de vacina o prazo para recebimento da segunda aplicação. Cada cidadão deve comparecer na mesma unidade de Saúde no prazo estabelecido, para receber a imunização completa.
Em caso de dúvida sobre o prazo, é recomendado procurar a unidade básica de Saúde mais próxima ou o local onde foi aplicada a primeira dose da vacina.

Pedro Gontijo-Imprensa MG

Vacinas

As vacinas contra a covid-19 estimulam as defesas naturais e fazem com que o corpo produza sua própria proteção (anticorpos) contra o vírus causador da doença, o SARS-CoV-2. Isso ajudará a proteger contra a covid-19 no futuro. Conforme a bula dos medicamentos, nenhum dos ingredientes das vacinas pode causar a covid-19.

Prazos
A segunda injeção da AstraZeneca pode ser administrada entre 4 e 12 semanas após a primeira aplicação. Já para a Coronavac, o esquema de imunização é de 2 doses com intervalo de 2 a 4 semanas entre elas. O esquema de vacinação da segunda dose depende da dinâmica estabelecida por cada município, mas, normalmente, a dose 2 é dada no mesmo local onde foi aplicada a dose 1.

Para que a vacinação seja eficaz, é obrigatório que as duas doses sejam do mesmo laboratório. Ou seja, quando a vacina Coronavac é administrada como a primeira injeção, a mesma (e não outra vacina para covid-19) deve ser administrada como segunda injeção para concluir o esquema de vacinação. O mesmo vale para quem recebeu a dose da Astrazeneca.

Macrorregiões Norte, Sul, Sudeste e Jequitinhonha avançam para onda vermelha do Minas Consciente

Comitê Covid-19 aprovou ainda progressão de fase de seis microrregiões, incluindo Grande BH.

As macrorregiões de Saúde Norte, Sul, Sudeste e Jequitinhonha e as microrregiões de Betim, Belo Horizonte/Nova Lima/Caeté, Vespasiano, Contagem, Curvelo e Manhuaçu poderão avançar para a onda vermelha do plano Minas Consciente. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (15/4) pelo Comitê Extraordinário Covid-19, grupo que se reúne semanalmente para avaliar a situação da pandemia no estado.

Com a decisão, metade das macrorregiões do Estado ficará na onda vermelha, enquanto a outra metade segue na onda roxa, a mais restritiva do plano, por pelo menos mais uma semana. Triângulo do Norte, Triângulo Sul e Noroeste, que já estavam na onda vermelha desde a última segunda-feira (9/4), permanecem nesta fase.
"Obtivemos melhorias de indicadores, o que possibilitou as decisões técnicas por parte da Secretaria de Saúde. Mas é preciso lembrar que estamos longe de ter conforto. Ainda temos um sistema hospitalar sobrecarregado, os profissionais de saúde estão cansados e as vagas são poucas.

Por isso precisamos tomar todos os cuidados para evitar a transmissão do vírus. Dobramos o número de leitos de UTI e de enfermaria em Minas Gerais, mas o aumento de casos nessa segunda onda exige toda cautela", afirma o governador Romeu Zema. Na última semana, Minas Gerais registrou aumento de 4,01% no número de casos e 6,81% nos óbitos, o que justifica a progressão de onda apenas nas regiões que apresentaram melhores resultados na incidência da doença e também na ocupação dos leitos. A positividade da covid-19 está em 44% em todo o Estado.

Efetividade da onda roxa
O isolamento e as medidas restritivas da onda roxa geraram resultados positivos nas macrorregiões que poderão progredir para a onda vermelha. Jequitinhonha, por exemplo, está com a taxa de ocupação UTI exclusivo Covid em 72%, enquanto a região Norte registra 83% de ocupação.
Em relação às microrregiões, as cidades da Grande BH poderão avançar de onda após haver uma redução na fila de pacientes por leitos de UTI, assim como a micro de Manhuaçu, que também controlou a incidência da doença após ter entrado há mais de um mês na onda roxa do Minas Consciente.
Na avaliação do secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccherreti, a incidência da doença em algumas macrorregiões segue alta, o que indica a necessidade de manutenção da onda roxa em parte do Estado. Em contrapartida, já é possível sentir o impacto das medidas mais duras de restrição em algumas regiões após mais de um mês da onda.
"Em algumas regiões qualquer variação no número de casos pressiona o sistema de saúde. Mas a progressão decidida pelo Comitê leva em consideração a chegada de medicamentos (sedativos do kit intubação), o que nos dá uma melhor perspectiva no atendimento. E pela primeira vez em um mês temos macrorregiões com leitos vagos, o que permitirá a movimentação de pacientes", destaca o secretário.

Impacto da vacinação
Durante a reunião do comitê, o secretário indicou ainda o impacto da vacina nos óbitos dos idosos em Minas. Segundo ele, as mortes vêm diminuindo nos grupos que receberam mais doses do imunizante, especialmente nos idosos acima de 80 anos. "Antes o óbito chegada a 8% nos grupos de mais idade e agora está em 3%. Em maio nossa expectativa que é que a média de internação e óbito do grupo mais vulnerável caia ainda mais", ressalta Baccheretti.

Deliberações
O Comitê Extraordinário aprovou duas revisões na Deliberação 130, que regulamenta o Minas Consciente. A primeira delas, atendendo a pedido do Ministério Público do Trabalho em conjunto com Ministério Público de Minas, Ministério Público Federal e Defensoria Pública da União, definiu pela suspensão dos jogos de futebol nas macrorregiões que estão na onda roxa do plano.
A segunda deliberação reforça a proibição de consumo interno nos estabelecimentos comerciais, como lanchonetes e padarias, "priorizando o funcionamento interno e a prestação dos serviços na modalidade remota e por entrega de produtos".

ESP-MG e SES-MG promovem Oficina sobre a Integralidade do Cuidado em Saúde Mental para os profissionais da macro leste

Começou nesta terça-feira, (20/04 ) e segue até o dia (06/07), a terceira turma da Oficina sobre integralidade do cuidado em saúde mental.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG), em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), iniciou nesta terça-feira, (20/04), a Oficina sobre a Integralidade do Cuidado em Saúde Mental para a Macrorregião Leste. O objetivo da Oficina é contribuir para a qualificação dos trabalhadores das Redes de Atenção Psicossocial (RAPS) da Macrorregião leste no desenvolvimento de práticas que favoreçam a integralidade do cuidado em Saúde Mental.

A atividade trata-se de um Curso Livre de qualificação, que é estruturado em formato de oficinas e foi originalmente planejado para ser presencial, no município pólo da macro, mas em razão da pandemia da Covid-19, o curso foi adaptado para a modalidade de ensino remoto. Já foram realizadas outras duas oficinas, uma presencial, em 2019, na macro centro sul e outra, na modalidade de ensino remoto, em novembro de 2020 na macro triângulo do Sul.

A abertura da Oficina contou com a participação da superintendente de Educação e Pesquisa da ESP-MG, Flávia Carvalho, da diretora de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas da SES MG, Lírica Salluz e do superintendente Regional de Saúde da Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Governador Valadares, Rômulo Gusmão, que abordaram o tema "Reforma Psiquiátrica e Atenção Psicossocial". A conversa foi mediada por Ana Regina Machado, trabalhadora da ESP e uma das coordenadoras da Oficina.

Superintendente de Educação e Pesquisa da ESP-MG, Flávia Carvalho.

A superintendente Flávia Carvalho deu as boas vindas e destacou a importância da realização da atividade, apesar das limitações que a pandemia provocou. "Neste momento de isolamento, considero ainda mais importante abordarmos o cuidado integral em saúde mental, já que uma das facetas da pandemia é agravar o quadro dos pacientes com sofrimento mental", reforçou.

A diretora de Saúde Mental da SES-MG, Lírica Salluz destacou as diversas parcerias exitosas já estabelecidas entre a ESP e a SES visando o fortalecimento da RAPS. Ela também ressaltou que tanto a teoria, quanto a prática, precisam estar atreladas à experiência, que é o que possibilita novos olhares e que ajuda a construir uma prática que vislumbre a integralidade do cuidado.

O superintendente da Regional de Valadares, Rômulo Gusmão falou da importância da valorização da saúde mental no âmbito de uma saúde integral. Ele também comentou do desafio que é o funcionamento da rede de saúde mental, especialmente para o território da macro leste, que engloba 51 municípios, que são em sua maioria de pequeno porte. "É importante que a rede inteira esteja disponível para o usuário e que os atores dialoguem e produzam governança para esses territórios, para que consigamos de fato fazer gestão e produzir integralidade de verdade e aí fica o desafio para todos os participantes desta oficina", salientou.

Superintendente Regional de Saúde de Governador Valadares, Rômulo Gusmão

Sobre o curso
O Curso de qualificação ocorrerá do dia 20 de abril a 06 de julho deste ano e serão 12 aulas remotas. A carga horária é de 54 horas, sendo 36 horas/aula síncronas e remotas, todas as terças-feiras pela manhã, e 18 horas/aula de atividades orientadas à distância. Participam da oficina 50 alunos, que são trabalhadores dos diferentes pontos de atenção da RAPS.

As aulas acontecerão nas plataformas de webconferência e os materiais didáticos estarão disponíveis no AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) da ESP. Os estudantes terão todo o suporte da equipe de docentes e da coordenação do curso para orientar com as dúvidas.

Webinário promovido pela ESP-MG marca a conclusão da especialização em Saúde pública e lançamento de livro

Livro “Tecendo experiências no SUS: narrativas de profissionais da Saúde Pública de Minas Gerais" é de autoria dos alunos da turma.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) promoveu na última terça-feira, dia 20/04, o Webinário: "Quando a experiência move a formação para o SUS: a força da Educação Permanente em Saúde". O objetivo do encontro foi marcar o encerramento da 39ª Turma do Curso de Especialização em Saúde Pública da Escola e também lançar o livro da editora ESP-MG, "Tecendo experiências no SUS: narrativas de profissionais da Saúde Pública de Minas Gerais".

Participaram da abertura do Webinário, a superintendente de Educação e Pesquisa da ESP-MG, Flávia Cerqueira e a coordenadora de Educação e trabalho da ESP-MG, Anísia Chaves, que parabenizaram os novos sanitaristas e destacaram a importância da especialização para o SUS. Uma das coordenadoras da especialização, Amanda Nathale Soares foi a responsável pela mediação do webinário e abriu as falas comentando sobre título: "Quando a experiência move a formação para o SUS: a força da Educação Permanente em Saúde".

De acordo com ela, o título expressa palavras e conceitos que lançam luz para o trabalho realizado na ESP, para o curso de saúde pública, para o que é produzido na especialização e para a atuação coletiva dos trabalhadores no SUS e para o SUS. "Quando no título traz que a experiência move a formação para o SUS, nós queremos dizer que nosso trabalho na ESP, especialmente para este curso, é movimento. É trânsito, é deslocamento. É produção intensa de novos territórios", explicou. A coordenadora também enfatizou sobre a questão da experiência, que é o que afeta cotidianamente os trabalhadores do SUS e que foi um conceito intensamente trabalhado nas aulas e que resultou na linha condutora da narrativa do livro.

Após a abertura, três convidadas fizeram apresentações e cada uma compartilhou um pouco de sua vivência sobre as temáticas do seminário. Flávia Gazzinelli (UFMG), falou sobre: "Experiência como categoria conceitual para a formação de trabalhadores do SUS"; Rosa Gouvêa de Sousa (UFSJ) tratou do tema: "Por que a Educação Permanente em Saúde como dispositivo para a formação de trabalhadores do SUS e para o SUS?" E Rosa Maria Pinheiro de Souza (ENSP/Fiocruz), fez uma apresentação sobre o papel da Rede Brasileira de Escolas de Saúde Pública (RedEscola) no fortalecimento da formação de trabalhadores do SUS.

A transmissão do evento foi realizada pelo Canal da Escola no Youtube. Você pode conferi-la na íntegra em: youtube.com/escolasaudepublicamg

Narrativas e experiências

Após as apresentações, foi realizada uma breve cerimônia para representar a conclusão do curso e a entrega dos certificados simbólicos a cada uma/um dos 35 novos sanitaristas. Em seguida, a aluna da especialização, Rosângela Bernardo, oradora da turma, leu um texto em homenagem aos professores e aos colegas. Posteriormente, o assessor de comunicação da ESP-MG, Jean Alves, apresentou o livro: Tecendo experiências no SUS: narrativas de profissionais da Saúde Pública de Minas Gerais.

O livro ( Ebook) já está disponível para leitura e download, clicando aqui.

A proposta deste livro surgiu no contexto das discussões sobre a necessidade de colocar os saberes provenientes das experiências do trabalho na centralidade do processo de produção do conhecimento. Essas discussões orientaram o desenvolvimento da disciplina de Metodologia Científica do Curso de Especialização. O livro é de autoria dos estudantes da especialização e foi organizado por Amanda Nathale Soares e Thais Lacerda e Silva, trabalhadoras da ESP-MG, professoras e coordenadoras do curso. O layout e a diagramação é da Designer Gráfico da ESP-MG, Jacqueline de Castro e as ilustrações são de Brígida Ornelas.

O livro de 163 páginas, de leitura agradável, ágil e emocionante, reúne narrativas, em primeira pessoa, em que cada discente/trabalhador do SUS tem a oportunidade de compartilhar um relato, uma experiência, que foi essencialmente ancorada no processo de escuta e observação. Conforme o prefácio, escrito pelas organizadoras da obra, a inspiração para a escrita veio a partir do conceito de experiência proposto por Jorge Larrosa Bondía, segundo o qual a experiência é "o que nos passa, o que nos acontece, o que nos toca" (BONDÍA, 2002, p. 21).

Especialização em saúde pública

O curso de Especialização em Saúde Pública é a oferta educacional mais tradicional da ESP-MG e tem como objetivo possibilitar a formação crítico-reflexiva de trabalhadores do Sistema Único de Saúde (SUS), na perspectiva da Educação Permanente em Saúde, com ênfase no desenvolvimento de práticas interprofissionais para o fortalecimento do SUS. Em 2017 recebeu da Agência de Acreditação Pedagógica vinculada à Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO), o certificado de excelência na formação de sanitaristas do SUS.
A 39 ª turma buscou enfatizar a educação interprofissional e contou com a parceria da Rede Brasileira de Escolas de Saúde Pública - Redescola. A turma formou 35 alunos, profissionais diversos municípios do estado, atuantes na gestão, atenção e cuidado em Saúde.

Macrorregiões Centro, Centro-Sul, Leste, Leste do Sul, Oeste e Vale do Aço avançam para onda vermelha

Região Nordeste e nove microrregiões do Estado seguem na onda roxa, a mais restritiva do Minas Consciente.

A partir de sábado (24/4), 13 das 14 macrorregiões de Saúde do Estado estarão na onda vermelha do plano Minas Consciente. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (22/4) durante reunião do Comitê Extraordinário Covid-19, grupo que se reúne semanalmente para avaliar a situação da pandemia no estado.

O grupo decidiu pelo avanço para a onda vermelha das macrorregiões Centro, Centro-Sul, Leste, Leste do Sul, Oeste e Vale do Aço. Assim, permanecerá por mais uma semana na onda roxa - com funcionamento apenas dos serviços essenciais - somente a macrorregião Nordeste, que está com 99% de ocupação da UTI exclusivo covid. Desde sábado (17/4), sete das 14 macrorregiões do Estado já haviam progredido para a onda vermelha.

Do ponto de vista das microrregiões, nove das 89 continuam na onda roxa. Além das quatro micro que compõem a região Nordeste, metade da região Centro segue com medidas mais rígidas. São elas: Guanhães, Itabira, João Monlevade, Ouro Preto e Sete Lagoas. Outras micro poderão avançar para a faixa amarela. São elas: Manga/Januária, Araçuaí, Diamantina, Serro, Patrocínio/Monte Carmelo, São Sebastião do Paraíso.


Avaliação
O governador Romeu Zema pontuou a necessidade de a população manter os cuidados para evitar a propagação do vírus. "Temos que analisar os resultados técnicos. Entendemos que podemos avançar para a onda vermelha em quase todo o estado, mas é fundamental compreender que a pandemia continua, que todos os cuidados como uso de máscara e higienização das mãos- são necessários, e que só a vacinação é a solução definitiva", destacou.

Segundo o secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccheretti, a decisão de manter metade da macrorregião Centro na onda roxa é necessária até que a pressão no sistema de Saúde de Belo Horizonte reduza ainda mais, uma vez que a capital recebe pacientes de outras cidades. "Enquanto a micro de BH não conseguir fazer a absorção dos pacientes, não é possível avançar toda a macrorregião para a onda vermelha", explicou.

Números
Ainda de acordo com o secretário, os índices da pandemia registrados nesta semana indicam uma melhora no cenário.
Houve aumento de 4,1% nos casos e 8,2% nas mortes, percentuais inferiores à semana passada. Além disso, a positividade da doença também apresentou queda, chegando a 37%. A incidência da doença também está reduzindo.

Outro ponto levantado por Baccheretti é em relação à menor fila de pacientes aguardando atendimento. "A redução constante de pacientes aguardando leitos é um fator confiável. Hoje são 211 aguardando UTI no estado, ou seja, há uma clara redução na pressão por leitos", afirmou o secretário, lembrando ainda que uma quantidade menor de doentes esperando atendimento permite que o Estado volte a movimentar os pacientes por regiões de acordo com a existência de vagas.

Kit intubação
Está prevista a chegada de mais medicamentos do kit intubação nesta semana e também na próxima. Com isso, será possível dar maior tranquilidade aos hospitais para o atendimento dos pacientes que necessitam de sedação.
A expectativa da Secretaria de Estado de Saúde é que, já nos próximos dias, as unidades hospitalares tenham estoque de 5 a 7 dias de medicamentos. "A queda de internação facilita e há empresas voltando a fornecer diretamente aos hospitais. Poderemos reduzir a pressão por insumos já nos próximos dias", completou Baccheretti.

Volta às aulas
O Comitê Extraordinário Covid-19 também discutiu a volta às aulas no Estado. A deputada estadual Laura Serrano participou da reunião e apresentou estudo sobre os benefícios da abertura das escolas. Ela defendeu que o mesmo ocorra o mais breve possível pensando no benefício dos estudantes a longo prazo, desde que seguidas as normas sanitárias.
Nos próximos dias, o advogado-geral do Estado, Sérgio Pessoa, se reúne com representantes do Tribunal de Justiça de Minas (TJMG) para discutir a autorização para a retomada das aulas de forma gradual e por sistema híbrido de ensino.
O Governo de Minas já apresentou protocolo das secretarias de Educação e Saúde com regras para o retorno do ensino presencial.

Matéria atualizada em 22/4 às 13h. O Comitê Covid se reúne semanalmente e pode haver mudanças nas normas.

ESP e SES promovem 5º webinário sobre reabilitação de pacientes pós- Covid-19

Os webinários começaram em fevereiro e o próximo acontecerá no dia 07/05 e a macro contemplada será a Jequitinhonha.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG) e a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), em parceria com o Núcleo de Geriatria e Gerontologia da UFMG estão promovendo desde fevereiro deste ano a série de webinários: "Avaliação da funcionalidade dos usuários do SUS, após infecção pela Covid 19". Os webinários são voltados para as realidades clínicas e assistenciais de cada uma das 14 macrorregiões do estado e nesta sexta-feira, 23/04 aconteceu o 5º encontro, destinado para a Macro Centro Sul.

Os eventos ocorrem de 15 em 15 dias, às sextas-feiras, das 14h às 17h e todas as lives contam com a participação dos médicos Edgar Nunes de Moraes e Fábio Junior Modesto e Silva, ambos do Núcleo de Geriatria e Gerontologia da UFMG, parceiro da ação. A mediação é feita por Roberta Nunes Mourão da Cunha Pereira, profissional que atua na Coordenação de Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência do Estado de Minas Gerais (CASPD), tendo apoio da ESP-MG. 

Nos encontros sempre há a participação de profissionais que atuam na macro região contemplada, que discutem casos clínicos específicos do território. Há cada novo webinário, um perfil distinto de reabilitação de paciente é analisado, a partir do Índice de Vulnerabilidade Clínico Funcional (IVCF-20). Neste webinário, os médicos Rafaela Machado Neto e Guilherme Felipe Pereira Vale, ambos da estratégia de saúde da família de Barbacena, apresentaram e debateram sobre um caso clínico de um paciente da região.

O Índice de Vulnerabilidade Clínico Funcional (IVCF-20) permite a estratificação do risco quanto ao grau de vulnerabilidade clínico funcional e orienta quanto ao manejo clínico da doença. Na Nota Informativa "Recomendações sobre a organização das Redes de Atenção à Saúde para promover a reabilitação dos usuários que após infecção pelo SARS-CoV-2 apresentam sequelas funcionais e necessitam da continuidade dos cuidados, no âmbito do Sistema Único de Saúde de Minas Gerais" é sugerida a utilização deste instrumento.

De acordo com Roberta Nunes Pereira, da CASPD, esse instrumento é composto por 20 perguntas que o profissional de saúde deve fazer e por meio dele é possível realizar uma avaliação multidimensional da pessoa, observando várias dimensões do indivíduo, como por exemplo, o humor, a comunicação, as comorbidades, dentro outros fatores, que podem ser afetados pela Covid-19. Neste Índice de Vulnerabilidade, há um score que vai de 0 a 40 pontos, sendo que quanto maior for a pontuação, mais elevado será o grau de vulnerabilidade clínico e funcional. "Esse instrumento é muito importante, porque facilita a tomada de medidas em relação à prioridade quanto ao risco do paciente e também ao manejo e encaminhamentos mais adequados", destacou.

Em sua apresentação, o médico Fábio Junior Modesto e Silva, do Núcleo de Geriatria e Gerontologia da UFMG reforçou a importância do trabalho em rede. "Precisamos entender que a rede é feita de vários pontos e que nós profissionais da saúde não somos funcionários exclusivos de um setor, pois trabalhamos em rede, somos parte da rede. Não tem como pensar no cuidado do paciente de forma integral, se não pensarmos na assistência em rede", pontuou.

O médico Edgar Nunes de Moraes, do Núcleo de Geriatria e Gerontologia da UFMG, também enfatizou o trabalho em rede e ressaltou que em razão da Covid-19, tem ocorrido uma oportunidade para organizar melhor o sistema enquanto rede de atenção à saúde. "A conectividade da rede tem sido um dos grandes desafios que a Covid está nos proporcionando. Eu gosto de destacar a importância da Covid no enfrentamento das condições de saúde dos nossos usuários, mas também é importante dizer que nosso objetivo não é apenas a Covid, mas sim a pessoa, o indivíduo e não a doença", completou.

Reuniões preparatórias

Para cada webinário é feita uma organização didático-pedagógica, que inclui a seleção e apresentação de um estudo de caso pelos profissionais de cada macrorregião de saúde. O estudo de caso norteia a discussão e a aplicação prática do IVCF-20. Para isso, antes de cada encontro, são realizadas reuniões preparatórias com os profissionais de saúde de cada macrorregião, os docentes do Núcleo de Geriatria e Gerontologia da UFMG, trabalhadores da CASPD e da Coordenação de Promoção, Cuidado e Vigilância em Saúde da ESP-MG.

Durante as reuniões preparatórias e também nos Webinários são evidenciadas e discutidas as especificidades de cada território incluindo, por exemplo, a incidência de COVID-19, a estrutura e organização dos serviços de saúde, a vivência dos profissionais, contribuindo para que seja constituído um espaço de construção, compartilhamento e aprendizado coletivo em sintonia com os processos educacionais da ESP-MG.

O próximo webinário acontecerá no dia 07/05 e a macro contemplada será a Jequitinhonha. Confira aqui a listagem com a previsão dos próximos webinários.

Saiba mais clicando aqui.

As transmissões acontecem pelo Canal da ESP-MG no Youtube. Elas estão disponíveis em: https://www.youtube.com/escolasaudepublicamg

Estado tem queda de 38% na incidência da covid-19 e quatro regiões avançam para onda amarela do Minas Consciente

Região Nordeste, única que ainda estava na onda roxa, também teve melhora e progride de fase.

Os resultados das medidas restritivas impostas pela onda roxa em Minas Gerais já podem ser sentidos na prática. Nos últimos 14 dias, o estado teve queda de 38% na incidência da covid-19. Na última semana, a redução foi de 13%.

A melhora nos indicadores possibilitou que, após 45 dias em fases mais restritivas, quatro macrorregiões avancem para a onda amarela do plano Minas Consciente, permitindo medidas mais flexíveis para abertura do comércio e outras atividades. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (29/4) pelo Comitê Extraordinário Covid-19, grupo que se reúne semanalmente para avaliar o avanço da pandemia no estado.

As regiões Norte, Triângulo do Norte, Vale do Aço e Jequitinhonha poderão seguir as normas da onda amarela a partir de sábado (1/5), após publicação no Diário Oficial. Também avançam para a amarela as microrregiões de Curvelo, Patos de Minas, João Pinheiro, Carangola, Muriaé, Ubá, Cássia/Passos, Piumhi e São Sebastião do Paraíso. As localidades apresentaram quedas sustentadas na positividade e na incidência, além de redução na espera por leitos.

A macrorregião Nordeste também teve melhora nos indicadores e avançou para a onda vermelha do Minas Consciente. Assim, nenhuma região mineira se encontra na onda roxa, criada como medida emergencial em março para restabelecer a capacidade assistencial do sistema de Saúde.

Melhora

O governador Romeu Zema ressaltou que, embora ainda seja extremamente necessário manter os cuidados sanitários para evitar a propagação do vírus, o cenário é de melhora em todo o estado e reflete o esforço dos mineiros nas últimas semanas. "As medidas restritivas da onda roxa foram penosas para todos, mas o nosso esforço, agora, aparece na queda considerável na incidência e no número de internações. Isso se refletirá, nas próximas semanas, em queda no número de óbitos, que é o principal objetivo", disse.

O secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccheretti, afirmou que a positividade também caiu nas últimas semanas, assim como a pressão por leitos. Atualmente, o percentual de pessoas com sintomas gripais que testam positivo para covid-19 é de 39%. O número chegou a cerca de 50% no último mês. Já a fila de espera por um leito de UTI caiu de 211, no dia 22/4, para 179 nesta quinta-feira.

"Essa queda demonstra que o vírus está circulando menos na sociedade. Tivemos queda consistente no número de novos casos. Os dados indicam que o nosso pico foi no dia 15/4 e a onda roxa foi fundamental para que não tivéssemos uma alta muito pior do que a que vivenciamos", defendeu.

Créditos: Gil Leonardi/Imprensa MG

Vacinação

O secretário também afirmou que a vacinação já foi responsável por uma queda considerável no número de óbitos, especialmente nas faixas etárias que receberam as duas doses. "A proporção de óbitos por faixa etária mostra a eficácia da vacinação. Desde março, quando a população acima de 90 anos recebeu imunidade total após a segunda dose, a proporção de mortes desse grupo está caindo. A nossa expectativa é de que a faixa entre 60 e 79 anos, que hoje equivale à maior taxa de óbitos, também tenha queda expressiva com a segunda dose", explicou.

Baccheretti lembrou ainda que os jovens estão se expondo mais e, com a nova cepa mais contagiosa, a doença teve aumento de incidência nessa faixa etária. "É fundamental que os jovens redobrem os cuidados até que a vacinação atinja todos os grupos", orientou.

Até agora, o Estado enviou 6,1 milhões de doses de vacina contra a covid-19 aos municípios, na maior operação de vacinação da história de Minas Gerais.

Municípios

As cidades com menos de 30 mil habitantes também apresentaram queda na incidência da covid-19 por duas semanas seguidas. Nesta quinta (29/4), 75 municípios tiveram incidência abaixo de 50 casos para 100 mil habitantes e podem progredir automaticamente de onda, independentemente da situação da região em que se encontram.

Vale lembrar que nenhuma macro ou microrregião pode sair da onda roxa diretamente para a onda amarela, sendo necessário, obrigatoriamente, passar pelo menos uma semana seguindo as medidas da onda vermelha.

Atualmente, 670 municípios estão aderidos ao Minas Consciente, o que representa quase 79% do estado, contemplando 12,5 milhões de mineiros.

Cirurgias eletivas

Durante a reunião do Comitê Executivo Covid-19, nesta quinta-feira, também ficou decidido que as cirurgias eletivas continuarão suspensas até o dia 30/6, seguindo os moldes da onda roxa, até que haja estoque de medicamentos e anestésicos necessários para a intubação.

O grupo estuda a possibilidade de retorno gradual durante esse período, permitindo, por exemplo, aquelas cirurgias que não utilizam os medicamentos do kit intubação.

O secretário de Saúd também lembrou que Minas tem recebido insumos e que é possível que, antes desse período, o Estado consiga restabelecer um estoque seguro de medicamentos. "Nos próximos dias, vamos receber, por exemplo, cerca de 120 mil ampolas de sedativo, o que já nos ajuda a ter mais segurança", afirmou.

Matéria atualizada em 29/4 às 12h20. O Comitê Covid se reúne semanalmente e pode haver mudanças nas normas.

Após imunização, percentual de óbitos e internações entre idosos com mais de 70 anos cai no estado

Queda é mais expressiva em pessoas acima dos 80 anos, que receberam doses na maior operação de vacinação da história de Minas Gerais.

Após três meses do início da Campanha de Vacinação Contra a Covid-19 em Minas Gerais, é possível observar queda na proporção de óbitos e internações pelo coronavírus entre a população com mais de 70 anos. Dados da equipe técnica da Sala de Situação da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) apontam que, na segunda quinzena de janeiro deste ano, 25,1% dos óbitos registrados no estado pela doença ocorreram entre pessoas de 80 a 89 anos. Já na segunda quinzena de abril, este número caiu para 9,9% do total de mortes registradas.

Entre as pessoas acima de 90 anos, a queda foi de quase sete pontos percentuais, passando de 8,6%, do total de óbitos registrados por covid-19, para 2%. Na faixa etária entre 70 a 79 anos também é possível verificar uma redução: em janeiro, 29,5% do total de óbitos eram de pessoas nesta faixa etária. Em abril, este número reduziu para 27,4%.
"Durante 2020, as mortes de idosos se mantiveram no patamar de 25% a 30% de todos os óbitos por covid-19. Com o início da vacinação, esse número vem caindo", avalia a coordenadora da Sala de Situação e do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs-MG) da SES-MG, Eva Lídia Medeiros.

Internações
Os dados relacionados às internações também apontam queda no índice de idosos com mais de 70 anos que precisaram de UTI no estado. Segundo Eva Lídia é possível verificar que, na segunda quinzena de janeiro, 14,8% do total de internações em UTI por covid-19 eram de pessoas na faixa etária de 80 a 89 anos. Já em abril, este número foi para 6,9%.

Entre os idosos de 70 a 79 anos, o percentual de internados caiu de 20,6%, em janeiro, para 15,9%, em abril. Entre as pessoas acima de 90 anos, 5,1% estavam na UTI por covid-19 em janeiro; na última semana de abril este índice passou para 1,7% do total. "A vacina garante a segurança sanitária de toda a população. Os estudos científicos publicados até o momento comprovam que, após a segunda dose, a imunidade é alcançada, individual e coletivamente", afirma Eva Lídia.

Vacinação no estado
Até o momento, Minas Gerais recebeu do Ministério da Saúde 6.811.680 doses de vacinas contra o coronavírus. Cerca de 3,3 milhões de mineiros já foram imunizados com a segunda dose, completando o esquema vacinal necessário para a proteção contra a doença.

Avanço entre jovens
Se entre os idosos é possível observar a redução de casos e óbitos, na faixa etária de 20 a 69 anos houve aumento na proporção dos óbitos e das internações em UTI por covid-19, em relação ao total de notificações no estado.
Eva Lídia avalia que esse aumento se deve tanto à diminuição da porcentagem de casos e óbitos entre pessoas de outras faixas etárias, quanto ao agravamento da doença em todo o país, causado pela introdução de novas variantes e pelo aumento expressivo da circulação de pessoas nos últimos meses.

"Os índices são justificados pelo impacto da cobertura vacinal nos grupos acima de 80 anos, bem como pelo aumento da incidência geral do número de casos, o que também influencia no aumento de internações causado por agravamento da covid-19", explica. Por isso, a coordenadora da Sala de Situação alerta sobre a necessidade de se manter as medidas de proteção sanitárias, como o uso de máscaras e o distanciamento social.

As informações sobre os óbitos e as internações em Minas Gerais são atualizadas diariamente pela SES-MG na planilha < XLSX Sistemas >, disponível em https://coronavirus.saude.mg.gov.br/painel.

Crédito foto da capa: Fábio Marchetto/SES-MG

Macrorregião Norte regride e Estado têm 11 das 14 regiões na onda vermelha do Minas Consciente

Microrregiões de Itabira, João Monlevade, Além Paraíba, Juiz de Fora e Santos Dumont poderão avançar para a onda amarela a partir de sábado (8/5).

A macrorregião de Saúde Norte vai regredir para a onda vermelha do Minas Consciente a partir de sábado (8/5), plano criado pelo governo para retomada segura e gradual da economia. Com isso, 11 das 14 macrorregiões mineiras seguem na fase vermelha, etapa que permite o funcionamento de todas as atividades econômicas desde que cumpram regras como maior distanciamento e limitação máxima de pessoas. As regiões Triângulo do Norte, Vale do Aço e Jequitinhonha seguem na onda amarela.

A decisão foi tomada nesta quinta-feira (6/5) pelo Comitê Extraordinário Covid-19, grupo que se reúne semanalmente para avaliar a situação da pandemia no estado e conta com integrantes da Assembleia Legislativa, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, do Ministério Público, da Associação Mineira dos Municípios e da Defensoria, entre outros órgãos.

O grupo também deliberou pela progressão para a onda amarela das micros de Itabira e João Monlevade, na região Central, e das de Além Paraíba, Juiz de Fora/Lima Duarte e Santos Dumont, na região Sudeste.

Já as micros de Araçuaí e Diamantina/Serro, no Jequitinhonha, Patos de Minas/São Gotardo, na região Noroeste, Brasília de Minas/São Francisco/Januária, na região Norte, e Muriaé e Ubá, na região Sudeste, que estão na onda amarela, voltarão para a fase vermelha do plano a partir de sábado após apresentarem piora nos índices da doença.

Números

A incidência da covid-19 no estado teve aumento de 11% nos últimos sete dias. Já a positividade, ou seja, o percentual de pessoas com sintomas que testam positivo para covid-19, se manteve em 39%, mesmo índice da semana passada, indicando estabilidade da doença.

A pressão por leitos no Estado, por sua vez, diminuiu, passando de 179 pessoas na fila de espera, na última semana, para 157 nesta semana.

As cidades com menos de 30 mil habitantes apresentaram queda na incidência da covid-19 pela terceira semana seguida. Agora, são 87 municípios com incidência abaixo de 50 casos para 100 mil habitantes, podendo progredir automaticamente de onda, independentemente da situação da região em que se encontram.

Vacinação

O secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccheretti, ressaltou a efetividade da vacina nos grupos que já receberam a segunda dose do imunizante, uma vez que os óbitos continuam em queda em pacientes acima de 70 anos.

"Esperamos que estes resultados também se reflitam no grupo de pessoas entre 60 e 70 anos a partir da aplicação da segunda dose da vacina que acontece nos próximos dias. Atualmente o nosso maior ponto de atenção é em relação ao número de casos e óbitos que continuam com maior incidência nesta faixa de idade", alertou o secretário.

Baccheretti ainda reforçou sobre a necessidade da manutenção de todos os cuidados para evitar a propagação da doença, como uso de máscara, distanciamento e higienização das mãos. "O vírus ainda está circulando de forma intensa no nosso Estado. Todos precisam se proteger e proteger o outro", afirmou.

Matéria atualizada em 6/5 às 12h30. O Comitê Covid se reúne semanalmente e podem haver mudanças nas normas.

ESP-MG promove série de webinários para discutir as contribuições da supervisão clínica e institucional na rede de saúde mental

O primeiro encontro, realizado em parceria com a SES-MG, acontecerá na próxima quinta- feira, 13/05 e debaterá o fortalecimento da atenção psicossocial.

A Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais (ESP-MG), em parceria com Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), por meio da Diretoria de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas, organizou uma série com três webinários para debater a temática: Supervisão clínico-institucional e suas contribuições para o fortalecimento da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) de Minas.

Serão 3 encontros virtuais, um a cada mês, nas quintas-feiras, sempre às 15h e com a participação de trabalhadores, usuários, supervisores clínico-institucionais e pesquisadores do campo da saúde mental. O primeiro webinário acontecerá na próxima quinta- feira, 13/05, e o tema será a Atenção psicossocial nas redes de saúde mental: razões para fortalecê-la.

O objetivo destes webinários é apresentar temáticas de relevância para o campo da saúde mental e que dialoguem com a experiência de supervisão clínico-institucional, que vem sendo desenvolvida em diferentes municípios de Minas Gerais. Vão participar do encontro da próxima quinta, 13/05, o ex- usuário do CAPS II de Janaúba, Orlando Costa Silva; a Assistente Social e Coordenadora dos Serviços Residenciais Terapêuticos de Barbacena, Leandra Mara de Vilhena Melo Vidal e a Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Políticas Públicas de Saúde Mental (UFRJ), Maria Cristina Ventura Couto. A mediação será realizada pelo trabalhador da ESP-MG e Coordenador clínico da RAPS de Brumadinho, Rodrigo Chaves Nogueira.

Conforme as trabalhadoras Alessandra Rios e Ana Regina Machado, da Coordenação de Política, Planejamento e Gestão em Saúde (CPPGS) da ESP-MG, os temas de cada encontro foram pensados a partir da reflexão dos desafios e das potencialidades da supervisão clínico-institucional para o fortalecimento do cuidado, dentro de uma lógica psicossocial.

A transmissão será realizada pelo Canal da Escola no Youtube:
youtube.com/escolasaudepublicamg

A live será aberta ao público e os participantes poderão enviar perguntas aos convidados pelo chat durante a transmissão. Haverá declaração de participação para quem fizer o registro da presença no evento. O link será disponibilizado no início do Webinário.

Confira abaixo as datas e temáticas dos próximos webinários:
10/06/21: Supervisão clínico-institucional: proposições para as RAPS de Minas;
08/07/21: Supervisão clínico-institucional: compartilhando experiências das RAPS de Minas.

A Rede de Atenção Psicossocial (RAPS)
As políticas de saúde mental no estado estão sustentadas nos princípios do Sistema Único de Saúde (SUS) e da Reforma Psiquiátrica antimanicomial e propõe uma rede de serviços públicos, substitutivos aos hospitais psiquiátricos e seus similares, conhecida como Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). A Rede de Atenção Psicossocial propõe um novo modelo de atenção em saúde mental, a partir do acesso e a promoção de direitos das pessoas, baseado na convivência dentro da sociedade. Além de mais acessível, a rede ainda tem como objetivo articular ações e serviços de saúde em diferentes níveis de complexidade. A RAPS, em sua composição, tem pontos estratégicos e prioritários na Atenção Primária em Saúde, Atenção Psicossocial e Atenção Hospitalar, entre outros.

Norte e Sudeste têm melhora nos indicadores e avançam para a onda amarela do Minas Consciente

Nove das 14 regiões seguem na onda vermelha, conforme decisão do Comitê Extraordinário Covid-19.

As macrorregiões de Saúde Norte e Sudeste apresentaram queda na incidência e na ocupação de leitos e poderão avançar para a onda amarela do Minas Consciente, plano criado pelo Governo de Minas para garantir a retomada segura da economia no estado.

A decisão, que passa a valer no sábado (15/5), foi tomada nesta quinta-feira (13/5) pelo Comitê Extraordinário Covid-19, grupo que se reúne semanalmente para avaliar a situação da pandemia no Estado. Assim, Minas Gerais possui nove das 14 macrorregiões na onda vermelha (Centro, Centro-Sul, Leste, Leste do Sul, Nordeste, Noroeste, Oeste, Sul e Triângulo do Sul); e cinco na amarela (Norte, Sudeste, Triângulo do Norte, Vale do Aço e Jequitinhonha).

A macrorregião Jequitinhonha foi mantida na onda amarela, por decisão do Comitê, mas será observada diariamente pelo Grupo Executivo, e poderá regredir para a vermelha caso não haja melhora dos indicadores.

Capacidade assistencial
O secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccheretti, destacou que o momento ainda exige cautela, especialmente porque o tempo de internação em UTI está maior com a nova cepa. Porém, a capacidade assistencial do Estado foi restabelecida. "Temos algumas regiões que estão tendo alívio, por apresentarem uma folga na capacidade assistencial. Saímos do momento de colapso, vivenciado há 50 dias, em que todo o estado estava na mesma situação ruim, o que não viabilizava transferência de pacientes entre macros. Voltamos ao patamar normal, em que o estado passa a ser heterogêneo de novo. Algumas regiões estão indo bem, com tendência de melhora. Outras estão estabilizadas", explicou.

Atualmente, a taxa de ocupação de leitos é de 80% para UTI Covid e 74,68% para enfermaria em todo o estado. Já a incidência, caiu 7% na última semana. A positividade atual é de cerca de 38%.

Efetividade
Ainda segundo Baccheretti, a melhora é reflexo da onda roxa, medida emergencial adotada pelo Governo de Minas em março para conter o avanço da pandemia no momento mais crítico.
"A nossa conclusão é que a onda roxa foi efetiva e ajudou a salvar vidas. Conseguimos reduzir a projeção do pico em até 20%. Isso significa que o pico de óbitos, que foi de 504, poderia ter sido de 600", destacou.

Microrregiões
Em relação às microrregiões, o Comitê Extraordinário Covid-19 também decidiu, nesta quinta-feira (13/5), pelo avanço de Viçosa, Janaúba, Taiobeiras e Ubá para a onda amarela do plano. Já o agrupamento das microrregiões de Passos, Cássia e Piumhi regrediu para a onda vermelha. Vale lembrar que, em caso de divergência entre as ondas da macro e da microrregião, caberá ao prefeito definir qual regra prefere seguir, de acordo com a necessidade do município.

Vacinação
O secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccheretti, também ressaltou que houve queda consistente na taxa de óbitos nas faixas etárias que já receberam as duas doses da vacina, o que demonstra a eficácia da imunização. "Nas semanas iniciais do ano, tivemos média de óbito de 8% a 9% entre os pacientes com mais de 90 anos. Essa taxa, nas últimas semanas, se estabilizou em torno de 2,5%. O comportamento também se alterou na faixa entre 80 e 89 anos, com picos de 23,1% no início do ano para 9,7% agora. A vacinação tem demonstrado o poder de conter a pandemia", disse.

Atualmente, o percentual de doses aplicadas em relação à população dos grupos prioritários é de 90,45% para Dose 1 e 45,44% para Dose 2. Foram aplicadas 76,07% das doses enviadas aos municípios.

Cidades pequenas
As cidades com menos de 30 mil habitantes apresentaram queda na incidência da covid-19 pela quarta semana seguida. Agora, são 88 municípios com incidência abaixo de 50 casos para 100 mil habitantes, podendo progredir automaticamente de onda, independentemente da situação da região em que se encontram.

Matéria atualizada em 13/5 às 12h40. O Comitê Covid se reúne semanalmente e pode haver mudanças nas normas.

❌