Porto ÁguasML

🔒
❌ Sobre o FreshRSS
Há novos artigos disponíveis, clique para atualizar a página.
Antes de ontemSeus RSS feeds

9° FESTIVERD Venezuela

Por: iAgua
Celebramos una nueva edición del Festiverd Venezuela y en esta oportunidad quisimos continuar en la virtualidad. Nuestra plataforma festiverd.com nunca ha significado un lugar de emergencia. Nuestro...

Serbia necesita construir 359 sistemas de tratamiento de agua en los próximos 20 y 25 años

Por: iAgua
Serbia es un país relativamente rico en recursos hídricos pero cuyo uso no está optimizado, principalmente por una infraestructura obsoleta o simplemente inexistente en muchos ámbitos. En cuanto al...

Canal desarrolla actuaciones para paliar los efectos de fenómenos meteorológicos extremos

Por: iAgua
El Consejo de Administración de Canal de Isabel II ha sido informado del conjunto de medidas y actuaciones para enfrentar las consecuencias de los fenómenos meteorológicos extremos a los que se...

Un estudio desarrolla un sistema de tratamiento de aguas sostenible inspirado en la naturaleza

Por: iAgua
Estudiantes de Ingeniería Química de la Universidad de Monash se han inspirado en el ciclo natural de tratamiento del agua que se encuentra en la naturaleza para desarrollar un sistema de tratamiento...

Biden anuncia 3.000 millones de financiación climática para afrontar sequías e inundaciones

Por: iAgua
El presidente de Estados Unidos, Joe Biden, ha asegurado que el mundo se enfrenta a una "década decisiva" porque el mundo tiene "tiempo limitado" para actuar contra el cambio climático y que su país...

La CHG declara la sequía extraordinaria en el 80% de la reserva de agua del Guadalquivir

Por: iAgua
El presidente de la Confederación Hidrográfica del Guadalquivir (CHG), Joaquín Páez, ha declarado la situación excepcional por sequía extraordinaria en el Sistema de Regulación General y en las otras...

Un estudio revela que el agua contaminada es la causa más común de brotes infecciosos en el mundo

Por: iAgua
Desde 1974 el agua contaminada ha sido la causa más común de los brotes de enfermedades infecciosas zoonóticas a gran escala, según una nueva investigación del Centro de Ecología de las Enfermedades...

ACCIONA acelera la construcción de la desalinizadora Shuqaiq 3 hasta alcanzar la plena producción

Por: iAgua
ACCIONA ha logrado un hito clave en la construcción de la desalinizadora de Shuqaiq 3. Durante las pruebas finales ha ido acelerando la producción hasta alcanzar su capacidad máxima, 450 millones de...

El Gobierno Vasco da luz verde al decreto de aprobación del nuevo reglamento del Canon del agua

Por: iAgua
El Consejo de Gobierno, en su reunión de hoy martes, ha dado luz verde al decreto de aprobación del nuevo Reglamento del Canon del agua, que sustituye al Decreto 181/2008, de 4 de noviembre, para...

Enrique Herranz: "Existen dispositivos de medición para casi todas las variables físicas a medir"

Por: iAgua
El pasado 28 de septiembre, Smart Water Summit, el mayor evento sobre digitalización del sector del agua, analizó las posibilidades que brindará el despliegue masivo de 5G, así como el papel...

Webinars gratuitos: Fórmate sobre las soluciones SOFREL

Por: iAgua
En este mes de noviembre del año 2021, volvemos con los WEBINARS gratuitos on-line: Día 12 de Noviembre de 10h00-11h00:  Nuevo data logger SOFREL DL4W. Novedades. Día 19 de Noviembre de 10h00-11h30...

Muestra "somos agua, somos amor"

Por: iAgua
-Te veo en cada recorrido que hago. Cambio mi forma y estado. Fluyo y caigo. Me caliento y evaporo. Soy parte de ti. Eres parte de mí. Gracias por ser parte de mí. Te siento en cada paso que das. Soy...

La CNR potenciará obras de acumulación e infiltración para apoyar una mejor gestión hídrica

Por: iAgua
Para enfrentar la escasez de precipitaciones que afecta a gran parte del país e incentivar el uso eficiente del recurso hídrico, la Comisión Nacional de Riego (CNR) convoca a los agricultores del...

Valencia destina 1,7 millones de euros a mejorar la planta potabilizadora de La Presa

Por: iAgua
La planta potabilizadora de La Presa, cuya capacidad de tratamiento nominal es de 3,4 metros cúbicos por segundo suministra agua potable a la ciudad de València y su área metropolitana junto con la...

Estado del clima en 2021: los fenómenos extremos y sus principales repercusiones

Por: iAgua
De acuerdo con la Organización Meteorológica Mundial (OMM), las concentraciones sin precedentes de gases de efecto invernadero en la atmósfera y el calor acumulado conexo han empujado al planeta a un...

Comienza en Andalucía la prohibición de aplicar lodos de depuradora a suelos agrícolas

Por: iAgua
La Consejería de Agricultura, Ganadería, Pesca y Desarrollo Sostenible recuerda a los productores andaluces que el día 1 de noviembre comienza el plazo de tres meses (hasta el 31 de enero del próximo...

BELGICAST presenta su válvula de esfera de doble excentricidad

Por: iAgua
Cuando se dan las condiciones más duras, se recomiendan las válvulas de esfera. Este tipo de válvula es capaz de soportar presiones de hasta 160 bares y velocidades de caudal extremadamente altas, de...

Alex Bryszkowski: "LoRaWAN es una tecnología madura que genera un ecosistema digital seguro"

Por: iAgua
Cuando hablamos de digitalización, de recopilación de datos o de su tratamiento para la toma de decisiones, es evidente que debemos pensar en la tecnología que facilita su comunicación. Las opciones...

Definir la incertidumbre del cambio climático marcará la investigación en Hidrología Estadística

Por: iAgua
“Determinar e incorporar la incertidumbre asociada al cambio climático marcará la tendencia futura en los diferentes ámbitos de investigación de la Hidrología Estadística”. Esta fue la conclusión...

BGU Scientists Offer Climate Change Mitigation Strategy

The Jerusalem Post — As the climate crisis continues to threaten many services that plant communities provide to humans, including
Read More

The post BGU Scientists Offer Climate Change Mitigation Strategy appeared first on A4BGU.

Sindiágua-RS alerta municípios sobre aditivo contratual para privatização da Corsan

Por: fnu

Com o tema “Uma privatização sem ter o que vender”, o Sindiágua-RS promoveu, na sexta-feira (29/10), uma coletiva de imprensa para alertar os prefeitos e vereadores sobre um aditivo contratual que está sendo enviado aos municípios que, na prática, viabiliza as negociações sobre serviços e privatização da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan).

Segundo a assessoria jurídica do sindicato, o documento é irregular e pode causar entraves aos municípios e seus respectivos gestores. O presidente do Sindiágua-RS, Arilson Wünsch, afirmou que dezenas de prefeitos já informaram que não irão assinar o contrato estipulado pelo governo do Estado e que a maioria dos gestores municipais estão receosos com a medida.

“A concessão da água e do serviço de saneamento é do município. Hoje o governador está fazendo, através do presidente da Corsan, que é a oferta de aditivos contratuais. Isso nós temos que chamar atenção dos prefeitos, porque tem dois tipos aditivos dentro de um só. Eles chamam de aditivo, nós chamamos de novo contrato. E dentro desse novo contrato está a privatização. Hoje não acontece privatização no Rio Grande do Sul se os prefeitos e vereadores assim o desejarem”, afirma.

Municípios da Serra, Litoral e Fronteira já informaram a entidade que não irão assinar o aditivo contratual repassado pelo governo. O prazo para o aceite e assinatura deverá ocorrer até o mês de dezembro. Wünsch confirmou também que a entidade seguirá dialogando com vereadores e prefeitos para que não assinem o documento. Outro ponto destacado pelos sindicalistas foi a não realização de plebiscito para venda da empresa.

No final de agosto, o governo do Estado recebeu aprovação da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul para vender a Corsan. A projeção do governador, Eduardo Leite é que o leilão das ações da companhia ocorra no começo de 2022, quando abre a janela de negociações na bolsa de valores. (fonte: Rádio Guaíba)

ASSISTA A COLETIVA À IMPRENSA NA ÍNTEGRA:

Em entrevista à Folha de Campo Grande, presidente do Sinergia-MS destaca a desvalorização salarial na Energisa

Por: fnu

Em entrevista ao site de notícias Folha de Campo Grande, o presidente do Sinergia-MS, Elvio Vargas, falou sobre a desvalorização salarial mesmo com os lucros altos da Energisa e lembrou que desde 2014, quando a empresa assumiu o controle da concessionária de energia no Estado, os trabalhadores não têm ganho real.

O dirigente sindical ainda falou sobre os prejuízos da privatização do serviço em Mato Grosso do Sul e do aumento da terceirização, que precariza as condições de trabalho e prejudica o atendimento à população.

Confira a entrevista na íntegra:

Segundo Elvio Vargas, presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria e Comércio de Energia de Mato Grosso do Sul (Sinergia-MS), a pauta da categoria tem como item principal a valorização salarial. Ele cita um dos absurdos, contando que um eletricista ganha uma média salarial que não chega a R$ 2 mil, incluído o adicional de periculosidade.

Nesta entrevista à FOLHA, Vargas exime os trabalhadores das deficiências do atendimento e demais reclamações da população, sobretudo as elevadas tarifas. Destaca que a concessionária possui um histórico de altos lucros e manifesta-se contra o corte no fornecimento de quem não paga a conta em dia.

Vargas lembra que quando o abastecimento era responsabilidade do Estado prevalecia o caráter social de um serviço essencial. “Hoje, o foco é totalmente no lucro”.

FOLHA DE CAMPO GRANDE – Quais as principais queixas que os trabalhadores da Energisa têm em relação à empresa?

ELVIO VARGAS – A desvalorização salarial é a principal. A média salarial de um eletricista, com adicional de periculosidade, é de menos de R$ 2 mil, para arriscar a vida prestando um serviço essencial à sociedade. Se ele for um terceirizado, a condição é pior, tanto de salário e benefícios quanto da condição de trabalho.

FCG – A concessionária é uma das líderes de reclamações do consumidor. São reclamações justas ou não?

EV – Na posição de consumidor, acho justa, considerando que pagamos caro por esse serviço. Mas uma coisa tem que ficar clara: a culpa do atendimento precário não é dos trabalhadores. Na condição de representante da categoria, ressalto que a empresa tem que valorizar mais seus trabalhadores.

FCG – O serviço de abastecimento de energia seria melhor prestado se continuasse nas mãos do Estado ou da iniciativa privada?

EV – Sem dúvida nenhuma na mão do Estado. Basta comparar o preço e o serviço prestado antes de 1997, quando a Enersul foi privatizada. A questão da privatização é que o foco passa a ser outro. Antes, o Estado cumpria um papel social, de atender toda a sociedade, independentemente do local, das condições socioeconômicas.

FCG – O que foi que mudou?

EV – Hoje, após a privatização, o foco é totalmente lucrativo. Basta observar o que tem acontecido em alguns países da Europa, como Alemanha e França, que privatizaram e hoje estão fazendo o processo inverso, que é a reestatização. Penso que serviços essenciais, como energia e água, não devem ser privatizados.

FCG – Qual a avaliação dos servidores e do sindicato sobre a CPI da Energisa?

EV – Essa questão da CPI não é de nossa alçada, é com os representantes da sociedade. O nosso dever é defender os trabalhadores do setor elétrico.

FCG – Entre as principais reclamações dos consumidores estão as tarifas e as deficiências no atendimento. O que existe de verdadeiro nessas queixas?

EV – Com relação às tarifas, esse processo é definido pela Aneel, reguladora do setor, que na nossa opinião serve para atender exclusivamente os interesses das empresas e do Governo e não dos consumidores, muitos menos dos trabalhadores. Já fizemos várias denúncias, inclusive presencial em Brasília, principalmente na época do Grupo Rede que veio à falência, e a Aneel, como sempre, fez vista grossa.

FCG – E as queixas sobre o serviço de atendimento?

EV – Isso não está relacionado com os profissionais, que são totalmente preparados. A deficiência está ligada à falta de pessoal e, consequentemente, à sobrecarga de trabalho de quem está na rua, sofrendo com longas jornadas de trabalho.

FCG – Como reverter esta situação?

EV – Uma das saídas seria diminuir a terceirização, que precariza a relação de trabalho. E garantir maior valorização dos empregados. Desde que a Energisa assumiu, em 2014, ela nunca concedeu ganho real aos trabalhadores. A oportunidade é agora. Estamos em plena campanha salarial. É o momento de a empresa reconhecer de verdade a importância dos seus trabalhadores, garantindo a reposição da inflação mais ganho real nos salários.

FCG – Na condição de usuário e cidadão, qual sua opinião sobre cortar o abastecimento em casas de pessoas que, por razões como o desemprego ou de extrema necessidade, não conseguem pagar suas contas de luz?

EV – Particularmente, sou contra privar um cidadão que não tem condição financeira de pagar um serviço essencial para a sua própria vida, mas, por outro lado, alguém tem que pagar essa conta, que pra mim, nesse caso, deveria ser o próprio Estado.

FCG – A Energisa divulgou em seus recentes relatórios que vem obtendo lucros expressivos. Por que isso não é traduzido em maior eficácia no atendimento ao consumidor e valorização efetiva dos seus empregados?

EV – Essa questão dos lucros é fato e de conhecimento público. A cada ano, o lucro da Energisa aumenta consideravelmente. No ano passado foram mais de R$ 230 milhões e a expectativa é que para esse ano esse lucro aumente. Penso que o lucro deveria ser revertido também para a sociedade através de melhorias na rede, no atendimento e para os trabalhadores, com valorização salarial. Com esse lucro todo, a preocupação da empresa tem sido apenas a distribuição de dividendos. Em agosto de 2021, o Conselho de Administração da Energisa aprovou a distribuição de um montante de R$ 138,8 milhões em dividendos aos acionistas. Enquanto isso, os trabalhadores ficam sem ganho real.

FCG – Com relação às demissões, o que o sindicato tem a dizer?

EV – Importante esclarecer um mal-entendido, criado propositalmente por alguns gestores da própria Energisa, distorcendo minha resposta quando em uma entrevista eu disse que a alta rotatividade afeta o atendimento à população. Sigo afirmando isso, mas em nenhum momento eu referi que os trabalhadores mais novos, que substituíram os antigos, não têm capacidade. Ao contrário, a maioria dos trabalhadores atuais tem menos de cinco anos de casa, estão na linha de frente, dando conta do recado. A profissão de eletricista é muito perigosa e estressante. Quando a empresa promove demissões, o trabalhador fica preocupado, o clima é ruim, principalmente neste cenário de desemprego. Portanto, o sindicato sempre será contra demissões sem motivo, sobretudo demissões em massa. E a Energisa, nestes sete anos de atuação, já demitiu mais de mil trabalhadores.

Por: Geraldo Silva/Folha de Campo Grande

Senado instala comissão para avaliar crise hidroenergética

Por: fnu
O Senado criou uma comissão temporária externa para averiguar as causas e os efeitos da crise hidroenergética no país. O grupo composto por 11 titulares e 11 suplentes foi instalado nesta quinta-feira, 28 de outubro, e aprovou requerimento convidando o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, para a primeira de uma série de audiências públicas a serem promovidas nas próximas semanas.

Os senadores Jean Paul Prates (PT-RN) e Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB) foram eleitos presidente e vice-presidente da comissão, que terá como relator o senador José Aníbal (PSDB-SP), autor do requerimento. Aníbal vai apresentar o plano de trabalho do colegiado na reunião na semana que vem.

A comissão vai funcionar por 180 dias, durante os quais deverá acompanhar a atuação da Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética e propor soluções para a segurança do atendimento ao sistema e a modicidade tarifária.

Prates explicou que grupo terá papel prospectivo e propositivo, no esforço para entender tanto os aspectos circunstanciais que levaram à crise atual quanto os aspectos estruturais do sistema elétrico brasileiro e suas decorrências. O grupo deverá tratar da questão energética em seu conceito mais amplo, incluindo o setor de combustíveis, e olhar  não apenas a questão imediata, mas também o futuro.

O parlamentar destacou que as crises energéticas no país tem sido recorrentes, mas, aparentemente, lições não foram aprendidas. Garantiu que o grupo não tem a intenção de crucificar ninguém, ou utilizar a comissão como objeto de discussão mais política que técnica.

“Estaremos discutindo aqui a configuração do atual modelo, o papel do Estado nessa situação, as agências reguladoras, o planejamento setorial e a sua execução, principalmente o papel da Eletrobras”, disse Prates.

O senador disse que acertou com o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica, André Pepitone, uma visita dos senadores da comissão para reunião com a diretoria da agência reguladora. Aníbal sugeriu um encontro também com a diretoria da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico, um ator importante na interlocução sobre a crise hídrica.

Fonte: Sueli Montenegro, Canal Energia

 

Equatorial Celpa: mudança ilegal nas escalas do COI

Por: fnu

A direção da Equatorial Celpa efetivou nesta segunda-feira, 25/10, mudança ilegal nas escalas de trabalho das equipes do Centro de Operações Integradas (COI), descumprindo o acordo coletivo, o qual determina que toda e qualquer modificação nas escalas devem ser negociadas e acordadas com o Sindicato.
De forma unilateral e prejudicial aos trabalhadores, a empresa reduziu de 25 para 20 controladores (despachantes), subtraindo uma das cinco mesas regionais de controle que existia.
A empresa, à revelia dos representantes dos trabalhadores, descumprindo a Cláusula 26 – Jornada de Trabalho (item 26.4), repassou todas atividades que eram exercidas pela Mesa da Regional Oeste/Centro-oeste para a Mesa Regional Sul.  Ou seja, praticamente metade do estado será controlada por apenas um despachante, o que é humanamente impossível devido à sobrecarga de trabalho, estresse psicológico que pode resultar em adoecimentos e acidentes de trabalho para as equipes de campo.
Lembrando que em 2017 a empresa tentou mudar a escala, mas não conseguiu, pois a proposta foi rejeitada pelos trabalhadores/as. Já em 2018, apesar da manifestação contrária do Sindicato, a mudança aconteceu, ficando a escala de 24h com 25 controladores, divididos em cinco mesas, e o compromisso da manutenção de 70 postos de trabalho.
Diante dessa irresponsabilidade e descumprimento do acordo, o Sindicato fez contato com a Equatorial Celpa, que ficou de se posicionar. Caso a empresa mantenha essa mudança ilegal. o Sindicato irá denunciar a questão junto à Superintendência Regional do Trabalho (SRTE) e ao Ministério Público do Trabalho (MPT), além de tomar todas as medidas legais cabíveis ao caso.

Fonte: Ascom STIUPA

Neoenergia: proposta arrancada na raça

Por: fnu

Após negociação difícil com a Neoenergia, a Intersindical consegue arrancar proposta para avaliação da categoria.

Aexpectativa era conseguir realizar uma negociação com mais tranquilidade, sobretudo pelo momento financeiro favorável que vive o Grupo, mas os representantes da Neoenergia dificultaram bastante o processo negocial com propostas rebaixadas e até com tentativa de retirada de direitos. Com imensa habilidade e muito esforço, a Intersindical conseguiu garantir uma proposta mais equilibrada em mesa de
negociação.

Foram dois dias de intensos debates e ensaios de propostas das duas bancadas. Na segunda, 25, apesar da calorosa discussão, que perdurou até o fim da noite, não houve acordo no que foi proposto pelos representantes do grupo. Nesta terça, 26, as bancadas voltaram à mesa e evoluíram nas propostas, conseguindo acordar em mesa os números e termos da pauta unificada, além de ajustar questões importantes das pautas específicas das três empresas.

No geral, a proposta recompõe integralmente as perdas salariais do período (INPC 10,78%); Assegura ganho real no ticket refeição (INPC 10,78%+0,50% = 11,28%) e na cesta básica (INPC 10,78%+0,50% = 11,28%); Amplia o valor do empréstimo para R$ 3.500,00/R$ 2.500,00 (opcional); Garante também a antecipação da PLR para novembro de 2021 (R$ 2.500,00), e R$ 2.500,00, em novembro de 2022.

Cláusula prioritária da bancada sindical, o Piso Salarial foi melhorado e tem agora uma evolução constante. Se estabeleceu um valor de um segundo piso – R$ 1.770,00 – para aqueles trabalhadores com 24 meses de empresa ou mais, atingindo, ainda, todos que forem alcançando esse tempo de trabalho. Somado a manutenção da estabilidade e a preservação de todos outros nossos benefícios, consideramos uma proposta equilibrada e vantajosa para toda categoria.

ACT DE 2 ANOS – A Intersindical avaliou como prudente a proposta de ACT por dois anos. O cenário político e econômico incerto, além da controversa crise hídrica e as constantes investidas de retirada de direitos nos fazem ter responsabilidade na preservação do conjunto de nossos benefícios. Além disso, nos garante recomposição integral no próximo ano, mantendo ainda nossas cláusulas intactas, independente da conjuntura que o país atravessar.

Fonte: Ascom Intersindical Neoenergia

Chegou o 5º Tribunal Internacional dos Direitos da Natureza

Águas Mídia Livre - Brasil - Bem comum em mídia livre

Um chamado às pessoas aliadas dos Direitos da Natureza!

Já estão abertas as inscrições para o 5º Tribunal Internacional dos Direitos da Natureza, que acontecerá em Glasgow (Escócia), paralelamente à Conferência entre as Partes Nº 26 a COP26.

A participação pode ser presencial, mas já que você também faz parte do planeta, algumas atividades criam condições pra gente acompanhar de alguma forma digital, sem ter que ir para a Escócia.

O Quinto Tribunal Internacional dos Direitos da Natureza ouvirá dois dos casos ecológicos mais fundamentais que o mundo enfrenta hoje: as Falsas Soluções para a crise das Mudanças Climáticas e a Amazônia, uma entidade viva ameaçada e que merece o reconhecimento de seus Direitos.

O ponto triste é que existe muitos outros casos ↗, o total é de 21 abertos nos seguintes temas: Amazonas, Petróleo, Mineração, Poluição, Fracking, Geleira e Represas.

Ainda está tudo em inglês, por isso coletamos e traduzimos os principais temas e as informações básicas dos 2 Casos que serão ouvidos no 5º Tribunal.

Tem também os links que você precisa para fazer sua inscrição.

O post Chegou o 5º Tribunal Internacional dos Direitos da Natureza apareceu primeiro em Águas Mídia Livre - Brasil.

Sindicato consulta trabalhadores para checar cálculos da PL de 2019

Por: fnu

O SINDÁGUA realiza um levantamento junto aos trabalhadores e trabalhadoras da Copasa para conferir se estão corretos os cálculos e valores apresentados ao TRT pela empresa para pagamento relativo à PL de 2019. Os dados, publicados no site do tribunal, estão sendo disponibilizados pelo Sindicato para que cada trabalhador possa conferi-los e apontar eventuais erros ou omissões. A consulta ficará disponível até o dia 16 de novembro.

O levantamento será feito através do site do Sindicato, no qual cada trabalhador poderá acessar o cálculo inserindo no primeiro campo sua matrícula na Copasa e no segundo campo a senha composta pelos quatro primeiros números do seu CPF. O trabalhador terá acesso exclusivo, e poderá conferir o número de horas trabalhadas e o valor calculado.

Todos deverão conferir se o número de ausências e horas extras está correto e informar ao Sindicato. Há, ainda, nesta consulta de dados, um campo específico para que o trabalhador aponte eventuais erros ou omissões nos cálculos e valores apresentados para o pagamento de sua PL de 2019.

Fonte: Ascom Sindieletro-MG

“A Lei 14.026/20 e decretos no contexto dos contratos de programa, privatizações, regionalizações, entre outros” – assista palestra

Por: fnu

O Coletivo Nacional de Saneamento – CNS – realizou reunião na última terça-feira (26/10), quando recebeu como convidado Dr. Wladimir Antonio Ribeiro, advogado especialista em saneamento, que proferiu palestra explicando a Lei 14.026/20 e decretos no contexto dos contratos de programa, privatizações, regionalizações, entre outros.

Participaram da reunião mais de 30 representantes de sindicatos de trabalhadores de saneamento de praticamente todos os estados do país e representantes de entidades que defendem a universalização do saneamento, como o ONDAS – Observatório Nacional dos Direitos à Água e ao Saneamento.

Fábio Giori, coordenador do CNS, destacou “a importância de todos estarmos unidos na defesa saneamento público e do conhecimento das leis para a busca de alternativas para a manutenção das empresas públicas de saneamento”.

ASSISTA A PALESTRA DO DR. WLADIMIR ANTONIO RIBEIRO:

Novo sistema comercial e informações importantes aos clientes

Identificação da conta será pelo CPF ou CNPJ e Fornecimento passa a ser a chave para solicitação dos serviços 

Sabesp, Prefeitura e Comgás discutem parceria em reciclagem de pavimentos

Encontro amplia tratativas sobre serviços nas ruas de São Paulo, priorizando uso de material produzido pelo Centro Ecológico de Reciclagem de Pavimentos

 

Stiupb encaminhará à Energisa proposta do ACT que foi aprovada pelos trabalhadores da empresa

Por: fnu

De forma bastante participativa, tomando-se os cuidados por conta da Pandemia da Covid-19, o Sindicato dos Urbanitários da Paraíba (Stiupb), reuniu nesta terça-feira, 26, os trabalhadores da Energisa em assembleias em toda a Paraíba: Na ocasião, a categoria apreciou e aprovou as propostas que servirão de base para a construção do Acordo Coletivo de Trabalho 2021/2022.

Em Campina Grande, a assembleia aconteceu na agência Borborema, na Alça Sudoeste, tendo sido conduzida pelo presidente da entidade sindical, Wilton Maia Velez, além dos diretores presentes: Adriano Teixeira (vice) Guilherme Mateus, Henrique Diógenes, Edjúnior Medeiros e José Alberto.

Em suas falas, os diretores destacaram o novo momento vivido nas relações entre o Sindicato e a categoria nos últimos meses, por conta da Pandemia e ressaltaram que, mesmo diante deste cenário, a Energisa continuou com excelente faturamento, com condições reais de atender boa parte das reivindicações constantes na proposta a ser encaminhada pelo Sindicato ainda nesta semana.

Outra questão destacada, foi o fato de que muitas propostas foram encaminhadas pelos trabalhadores via formulário online que foi disponibilizado pelo Stiupb. O mesmo ainda pode ser acessado até à noite deste dia 26, quando haverá uma assembleia virtual, às 19hs, para os que não puderam participar das reuniões presenciais.

Fonte: Ascom STIUPB

Boletim Sindinorte – Acidente em Rondônia não foi por falta de aviso

Por: fnu

No dia 24 de outubro, Domingo último, aconteceu um acidente trágico na SE Porto Velho, em Rondônia, que vitimou gravemente trabalhadores e trabalhadora da Eletronorte. A notícia impactou a todos e todas nós, que lamentamos profundamente. Mais que lamentar, não podemos nos calar.

Leia o boletim do Sindinorte clicando abaixo.

Informativo_26out2021_acidente Rondônia-1 (1)

Imperatriz terá audiência pública para discutir novo marco legal do saneamento básico e políticas de resíduos sólidos

Por: fnu

O deputado Rafael Leitoa (PDT), presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Assembleia Legislativa do Maranhão, informou, na sessão plenária desta da última quinta-feira (21), que as audiências públicas para discutir a política de resíduos sólidos e o Marco Regulatório do Saneamento Básico no estado terão continuidade dia 27 deste mês, em Imperatriz.

“O novo Marco Regulatório do Saneamento Básico veio para mudar a dinâmica do setor, estimulando a livre concorrência, a competitividade, a sustentabilidade econômica e a eficiência na prestação de serviço”, destacou Leitoa.

(Com informações da Alema)

Hoje pela manhã (26) o Deputado Rafael Leitoa concedeu uma entrevista ao grupo Mirante dando mais detalhes sobre a audiência, assista pelo link abaixo:
https://globoplay.globo.com/v/9981936/

Fonte: Ascom STIUMA

◼ Audiências públicas sobre saneamento no Maranhão
27 de outubro
8h30
 – Projeto de lei Microrregiões de Saneamento
14h30 – Política Estadual de Resíduos Sólidos
Local – Auditório da Universidade Estadual da Região do Tocantina do Maranhão – UEMASUL
Imperatriz – Maranhão

Está chegando o fim do prazo da data-base. É hora de acirrar a luta!

Por: fnu

A gestão indicada por Romeu Zema se oficializa, cada vez mais, como a pior que já ocupou a Cemig. Mais de um mês após a entrega da pauta de reivindicações do ACT 2021/2022, não houve sequer um momento de debate sério e propositivo. A mesa está imbuída em performar um teatro da negociação — nas quatro reuniões realizadas, nenhuma resposta clara foi entregue. As negações, no entanto, são nítidas entre momentos de vergonhoso silêncio e retrucadas truculentas.

Logo na primeira reunião, realizada na quarta-feira (13), percebemos o tom que a empresa quer imprimir às negociações: em sua primeira fala, o coordenador-geral Emerson Andrada reivindicou a prorrogação da data-base. O superintendente Brunno Viana avisou que o assunto estava sendo tratado internamente e emendou um discurso sobre as questões econômicas da Cemig. Numa tentativa de dizer que a empresa teria problemas financeiros, a gestão não apresentou todas as informações com transparência.

O segundo encontro, na sexta-feira (15), evidenciou ainda mais a posição intransigente que a gestão assume. Logo no início, os representantes dos sindicatos e suas assessorias foram cerceados da mesa de negociação. Numa prática alinhada ao que já vem acontecendo na base, com ameaças aos trabalhadores que participam de setoriais e assembleias do Sindieletro, a gestão da Cemig tentou limitar a participação a apenas dois representantes por sindicato.

Não houve antes, na história das negociações coletivas na Cemig, uma manobra tão descarada para tentar enfraquecer a representação dos trabalhadores em mesa. Após apelos dos representantes sindicais presentes na reunião, os outros participantes foram autorizados a entrar na sala. Posteriormente, Brunno Viana e o gerente de Relações Trabalhistas e Internas João Paulo Vaz foram enfáticos ao negar todos os itens econômicos da pauta: afirmam que a Cemig não atenderá às demandas referentes ao aumento real, abono e reajuste do ticket.

É a primeira vez que não há uma apresentação minimamente estruturada, uma exposição de dados concretos para justificar a negativa em relação às demandas da categoria. Nos frustra ainda mais perceber que a negativa vem apesar do lucro bilionário da companhia registrado nos últimos anos – evidenciado sempre em discursos para o mercado. Além disso, há os aumentos presenteados ao alto escalão da empresa. Aonde estão esses problemas financeiros? Novamente, a prorrogação da data-base não foi abordada.

Na terceira reunião, na terça-feira (19), o tema deveriam ser as relações de trabalho. Deveriam se esse debate realmente tivesse sido levado a sério. Emerson Andrada manifestou sua preocupação com o calendário de reuniões e, novamente, questionou sobre a prorrogação da data-base. Brunno Viana foi evasivo, novamente, ao responder. Transmitindo toda a prepotência da gestão zemista, afirmou que simplesmente não existe uma resposta e que o assunto está sendo tratado “com tranquilidade”. “Não está nada tranquilo para a categoria”, lembrou Emerson.

Retomamos a reivindicação para a realização das reuniões setoriais e assembleias convocadas pelo Sindieletro, nas dependências da empresa ou fora delas, sem prejuízo do salário, conforme versa a cláusula 33 da nossa pauta. Recebemos mais uma negativa. Para piorar, Brunno respondeu que a gestão tem disponibilidade para tratar sobre a primarização, mas apenas condicionada à uma discussão sobre o “custo pós-emprego”.

Leia-se: o que a gestão entreguista chama de custo pós-emprego nós chamamos de direitos dos aposentados, que agora sofrem duros ataques após se dedicarem por muitos anos à empresa e investirem em seu plano de saúde.

A gestão também manifestou interesse em debater sobre o passivo trabalhista, mas sem se aprofundar no cerne do problema. Isso mesmo: dentre os 17 itens de pauta concernentes às relações de trabalho, a gestão só tem interesse em falar sobre dois deles — e sob a condição de continuar imprimindo prejuízos aos trabalhadores.

A quarta reunião tratou sobre as cláusulas de saúde e segurança. Na quarta-feira (20), apesar de algum debate (mais centrado em justificar que propor) ter acontecido, nenhuma resposta conclusiva foi oferecida. Compartilhamos nossa preocupação em relação ao treinamento de trabalhadores, ao abandono da UniverCemig e às ferramentas oferecidas aos funcionários para a prevenção à covid-19. Também abordamos a necessidade de o transporte especial ser disponibilizado irrestritamente à categoria e sugerimos mudanças para manter a segurança patrimonial da companhia.

A todas essas colocações os gestores em mesa responderam com justificativas superficiais. A gestão tinha interesse em debater apenas um ponto: a vacinação compulsória da categoria. O Sindieletro é a favor da vacinação, mas acredita que a questão é mais ampla. Por fim, o Sindieletro questionou sobre o retorno ao regime presencial que já ocorre na Cemig. Novamente, as representações sindicais foram alijadas do processo decisório. Questionada, a gestão não tem justificativa certa para o retorno ao presencial. Aparentemente, não há razão embasada para que os trabalhadores sejam chamados de volta à empresa. Tampouco existe uma metodologia que decida quem deve ficar em casa e quem deve ocupar sua mesa no escritório.

O Sindieletro lamenta a maneira leviana com a qual a gestão tratou todos os temas trazidos para a mesa. Reuniões infrutíferas, falas improdutivas. É nítido: a gestão da Cemig não quer negociar. A política bolsonarista, por meio do governador Romeu Zema, está impregnada na Cemig e tenta contaminar o nosso Acordo Coletivo. Não vamos deixar!

A cinco dias úteis do vencimento do prazo da data-base, o Sindieletro segue atento e já se prepara para acirrar a luta: categoria, se prepare para o enfrentamento! Vamos aumentar o tom e engrossar o grito. Nossos direitos não serão retirados!

Cemig: esse “trem” é nosso! 

Fonte: Ascom Sindieletro-MG

BGU Proposes Occupational Therapy Program Amid Shortage

The Jerusalem Post — Israel is experiencing a dire shortage in occupational therapists. Ben-Gurion University of the Negev is creating
Read More

The post BGU Proposes Occupational Therapy Program Amid Shortage appeared first on A4BGU.

BGU Hones In On Diversity & Inclusion in Israel

Oregon Jewish Life — With a new academic appointment and the upcoming Center for the Study of a Shared Society, Ben-Gurion
Read More

The post BGU Hones In On Diversity & Inclusion in Israel appeared first on A4BGU.

Sistema de atendimento voltam à normalidade de forma gradativa

Mudança da plataforma ocasionou aumento no fluxo de dados e lentidão

 

Cuidado com golpes no pagamento de contas

Sabep não possui QR Code para pagamento via PIX

 

CAF coloca US$ 1 bilhão em títulos para impulsionar a reativação social e econômica da América Latina

A confiança dos investidores na solidez financeira do CAF, bem como em sua eficiência na mobilização de recursos e na promoção de iniciativas que melhorem a qualidade de vida da população e fomentem a competitividade da América Latina e do Caribe, refletiu-se em uma demanda que duplicou o valor emitido no mercado norte-americano. Em 2021, o CAF emitiu cerca de US$ 4,5 bilhões.

The Dead Sea is Shrinking: A BGU Professor Shares Some Insight

Israel21C — The Dead Sea has been shrinking at an alarming pace, losing more than a meter (some 40 inches)
Read More

The post The Dead Sea is Shrinking: A BGU Professor Shares Some Insight appeared first on A4BGU.

Presidentes da Argentina, Colômbia e Panamá, e temas de educação e pós-pandemia marcaram o primeiro dia da 25ª Conferência CAF

Organizada desde 1997 conjuntamente com o Diálogo Interamericano e a Organização dos Estados Americanos, a Conferência Anual do CAF é um dos principais encontros hemisféricos que permitem debater e analizar as grandes tendencias políticas, económicas e sociais na América Latina e Caribe. Esta edição semipresencial conta com 40 componentes. No primeiro dia se anunciou a criação do Prêmio Enrique Garcia de Liderança.

Plataforma de atendimento comercial apresenta lentidão

Equipes trabalham para corrigir problemas. Contas e parcelas com vencimento de 1 a 22 de outubro podem ser pagas até o dia 29/10, sem cobrança de penalidades por atraso. 

 

Irriga Global leva tecnologia à I Feira AgroParacatu

Por: bruof



Nos dias 07, 08 e 09 de outubro a Irriga Global esteve presente na I Feira AgroParacatu, em Paracatu/MG. No evento estiveram presentes o Diretor LATAM de Operações Comerciais da empresa, Armando Mota, o representante comercial da região, Miguel Albert, e seu auxiliar técnico João Miguel França.

No espaço da Irriga Global os produtores puderam conhecer mais sobre as soluções de manejo e monitoramento de irrigação e gestão de energia em tempo real oferecidos pela multinacional, que atende atualmente 300.000ha/ano em cerca de 20 países. Além disso, os visitantes puderam conferir in loco a tecnologia implementada no campo através de uma estação da Metos – o equipamento é utilizado na prestação de serviços e garante aos clientes maior precisão de dados do balanço hídrico, variação da umidade do solo, lâminas de irrigação aplicadas e chuvas ocorridas.

A I Feira AgroParacatu teve a missão de impulsionar o agronegócio do noroeste de Minas Gerais, e a Irriga Global teve a honra de participar deste grande e importante evento no maior polo de irrigação do Brasil.

bruof

Tecnologia para lidar com a pandemia de diabetes

“Visões do Desenvolvimento” [Visiones del desarrollo] é uma seção promovida pelo CAF -banco de desenvolvimento da América Latina- que analisa os principais temas de desenvolvimento da região. Os artigos contidos nessa seção são publicados simultaneamente nos principais meios de comunicação da América Latina.

República Dominicana assina acordo para se tornar membro pleno do CAF

A incorporação como acionista da Série A permite ao país maior acesso a recursos financeiros de longo prazo, bem como recursos de cooperação técnica.

CAF promove inclusão de perspectiva de gênero no setor de mobilidade e transporte

Em sua publicação "Mobilidade Cotidiana com uma Perspectiva de Gênero: Guia Metodológico para o Planejamento e Projeto do Sistema de Mobilidade e Transporte", realizado em conjunto com a Secretaria de Transportes e Obras Públicas do Governo da Cidade de Buenos Aires, o CAF – banco de desenvolvimento da América Latina – apresenta a perspectiva de gênero como um olhar necessário para expandir a acessibilidade urbana. O guia baseia-se em evidências do papel que as mulheres têm na economia e na produtividade das cidades, para promover a definição de políticas públicas de transporte inclusivo e mobilidade.

Salvador ganha espaço inédito em homenagem aos sons baianos

Centro de cultura funcionará no histórico Casarão dos Azulejos Azuis e contou com financiamento do CAF.

As grandes oportunidades da Inteligência Artificial no setor público da América Latina

Em evento realizado pelo CAF em parceria com a Telefónica, a Microsoft e a C4IR.CO, foram discutidas as grandes oportunidades da Inteligência Artificial (IA) para agilizar os processos públicos e melhorar os serviços prestados aos latino-americanos.

❌